Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

A espera mais triste de Atenas

  • 333

Reuters

No centro da capital grega há uma fila bem mais comprida do que a de qualquer multibanco. É lá que todos os dias mais de 400 pessoas esperam por comida

Perto da Avenida Piréus, uma das principais artérias do centro de Atenas, há uma fila de pessoas que se prolonga ao longo da rua, por vários metros. Apesar de andar rapidamente, parece nunca encurtar. Assim que alguém sai, há mais alguém que se põe à espera.

No início da fila, não há qualquer caixa multibanco. O objetivo não é levantar dinheiro. As pessoas que aguardam na bicha, de olhos pregados no chão, não têm nenhum. O que elas têm é fome. 

Ajudado por três jovens, um padre ortodoxo, vestido com uma batina preta até aos pés, apressa-se a dar a cada uma um saco de plástico com um pão e uma sopa embalada. O processo é muito rápido. Não há tempo para grandes conversas. Passa do meio-dia e a grande maioria dos que esperam não come nada desde as cinco da tarde do dia anterior, a hora a que lhes foi distribuído um lanche - a última das duas únicas, e pequenas, refeições do dia.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI

  • A força de uma imagem

    É provável que se tenha deparado com muitas notícias sobre a Grécia nas últimas horas - e dias. E com imagens de pensionistas desesperados às portas dos bancos - a tentar levantar o possível, que é €120 no máximo (limite estabelecido até que o impasse se resolva). São fotografias repetidas exaustivamente nos jornais e nas televisões - imagens que impressionam quem não está na Grécia. E quem está, que força é que estas imagens têm? Força suficiente para, no referendo de domingo, transformar um “não” num “sim” (por receio que isto continue) ou vice-versa (por revolta com a Europa)? Três jornalistas que trabalham em publicações gregas elaboram o seu ponto de vista

  • Tsipras quer mais que só um “não” - quer três

    Governo de Atenas tem feito campanha pelo “não” para o referendo de domingo e agora triplica o apelo - e explica os porquês. Tsipras diz ainda que o FMI acabou por lhe dar razão na análise que fez à dívida grega

  • A infografia que explica as consequências do “sim” e do “não”

    Varoufakis já disse que se demite se o “sim” vencer no referendo de domingo, Tsipras diz que o “não” dá mais poder negocial ao seu Governo, Bruxelas diz que a posição grega fica “dramaticamente enfraquecida” se o “não” vencer. Afinal, como será depois de domingo? Temos uma infografia que analisa os tentáculos do “sim” e do “não”

  • Fundo europeu de resgate dá folga à Grécia

    O Fundo Europeu de Estabilidade Financeira decidiu esta sexta-feira não exigir o pagamento imediato a Atenas de €131 mil milhões relativos à totalidade do empréstimo concedido no âmbito do resgate e desembolsado. Mas mantém o direito de agir. O Fundo europeu declarou a falta de pagamento ao FMI a 30 de junho como um “evento de incumprimento”

  • Vamos falar de algo completamente diferente da Grécia? Krugman escolhe Finlândia e... Portugal

    Para fugir “à depressão” de falar sobre a Grécia, o economista premiado com um Nobel volta-se para a exemplar Finlândia. Mas, afinal, este “modelo de sociedade europeia" perdeu 10% do PIB em oito anos - se não fosse a crise do sul da Europa, poderia ser apontado como “um desastre épico”. Depois, fala de Portugal, que seguiu a receita europeia de “austeridade dura” e está 6% mais pobre. No referendo grego, Krugman continua a votar “não”