Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

“Estar preso foi o suficiente para me deixar marcas muito profundas”

  • 333

FAMÍLIA. O empresário português com os dois filhos antes de ser detido em outubro do ano passado em Díli. A imagem foi retirada da página do Facebook de apoio a Tiago Guerra

D.R.

Três dias depois de ter sido libertado, o empresário português Tiago Guerra revela ao Expresso Diário como foram os meses passados na prisão em Díli. E reclama a sua inocência das acusações de branqueamento de capitais

Hugo Franco

Hugo Franco

Jornalista

O empresário Tiago Guerra era até esta segunda-feira o único cidadão português nas cadeias timorenses. Foi detido com a sua mulher no aeroporto de Díli a 18 de outubro quando se preparavam para abandonar o país com os dois filhos, depois de terem planeado um regresso a Macau e ao fim de vários anos a viver em Timor. A mulher, Fong Fong, ficou em liberdade mas foi impedida de sair do país, enquanto as crianças acabaram por ser trazidas pelos avós para Portugal. Tiago Guerra ficou em prisão preventiva. 


Para continuar a ler o artigo, clique  AQUI