Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Bens da família Espírito Santo ficam à espera de quem os exija (daqui a anos)

INVESTIGAÇÃO As megaoperações policiais ao universo Espírito Santo visam salvaguardar os lesados do BES

NUNO BOTELHO

Património dos Espírito Santo pode ser “derretido” para indemnizar clientes de obrigações do BES e de papel comercial do GES. Em causa garantias para indemnizações que podem chegar quase aos dois mil milhões de euros

Garantia de pagamento de valor de cerca de 1 835 000 000,00 de euros”. 1,835 mil milhões de euros. É o que está em causa no arresto de parte do património da família Espírito Santo, segundo documentos a que o Expresso Diário teve acesso. Há vários meses que a Justiça tem arrestado património de membros da família Espírito Santo, para prevenir eventuais indemnizações que o tribunal venha a validar no futuro. Um futuro que pode demorar anos, desde a entrada de processos ao trânsito em julgado. Hoje, mais uma série de ações de arresto tiveram lugar, em escritórios e residência particulares. 


Para continuar a ler o artigo, clique AQUI

  • A queda de um Santo, por Pedro Santos Guerreiro

    Ricardo Salgado acaba mal e acaba só. O grande banqueiro era afinal péssimo gestor, arruinou um grupo familiar de 145 anos e saiu expulso do BES. Mas não há vazios de poder: quem dominará agora? Quem vai ser o Dono Disto Tudo? Este texto, que acaba de ser distinguido com o prémio de jornalismo económico Santander / Universidade Nova de Lisboa e que o Expresso agora republica, propõe uma resposta

  • Hélder Bataglia, o homem da Escom e do GES em Angola

    O empresário luso-angolano parceiro do grupo Espírito Santo na Escom está debaixo do fogo por causa de Vale do Lobo e das novas suspeitas sobre o pagamento de luvas a José Sócrates. Foi ele que convenceu Salgado a abrir o BESA em Angola e que fez da Escom o principal instrumento dos negócios do GES em Luanda