17
Anterior
Carlos Castro e Renato Seabra directamente da pastelaria
Seguinte
Carlos Castro e Renato Seabra abafaram presidenciais
Página Inicial   >  Blogues  >  100 reféns  >   Dormir com um morto no quarto ao lado

Dormir com um morto no quarto ao lado

Em algumas regiões do país antes de se ter um problema cardíaco o melhor é mesmo consultar o boletim meteorológico. Porque de outra forma a coisa pode complicar-se. Uma história surreal.
|

Esta história foi-me contada em terceira mão. Mas tendo em conta outras do género que tenho ouvido não me admira que seja verdadeira.

Um médico de família do interior Norte econtrava-se sozinho no Centro de Saúde e preparava-se para fechar o estaminé - que noutros tempos tivera uma urgência a funcionar em pleno mas que a urgência do Estado em cortar na despesa encerrou - quando o telefone tocou. Já passava das 22:00 há algum tempo, o Centro deveria estar fechado, terá por isso sido por mera coincidência ainda ali estar alguém para atender a chamada.

Do outro lado da linha falavam de um dos Centros de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) - do INEM. Foi dito ao médico que entretanto já se encontrava de luvas, galochas e gorro na cabeça (a noite estava fria) que daí a pouco tempo iria aparecer por ali uma ambulância dos bombeiros voluntários de uma localidade próxima com um doente em paragem cardíaca e um bombeiro a fazer manobras de reanimação.

O médico terá avisado que se encontrava só no local e que só por mero acaso tinha atendido o telefone, e que provavelmente o mais acertado seria o INEM tomar conta da ocorrência de forma ao paciente receber a melhor assistência. Foi-lhe respondido que isso era impossível porque as viaturas não conseguiam passar por causa da neve que caíra entretanto, logo nem bombeiros para um lado nem INEM para o outro.

O médico anuiu e disse então que esperava pela ambulância. Passados alguns minutos lá chegou a dita. Dentro dela um bombeiro esbaforido fazia desesperadamente massagem cardíaca ao paciente já cadáver, mas encontrava-se impossibilitado de abrandar porque legalmente só o pode fazer na presença de um médico que ateste o óbito. A menos que esteja num estado de total exaustão e seja obrigado a parar as manobras. O médico declarou o óbito e assistiu o bombeiro, também ele prestes a entrar em paragem cardíaca devido ao esforço.

Se o médico tivesse saído a horas não havia ninguém em toda a região isolada pela neve para atestar o óbito. O bombeiro teria caído para o lado com os bofes de fora e não sei bem o que teriam feito ao morto. Morto que acabou por passar a noite num quarto do Centro de Saúde com o médico na sala ao lado a ver televisão. Médico que foi impedido de ir para casa e ali permaneceu toda a noite para o morto não ficar sozinho.

Moral da história: em algumas regiões do país começa a ser tão importante ter um bom cardiologista como conhecer um bom meteorologista.


Opinião


Multimédia

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola, em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

United Colors of Gnocchi

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.


Comentários 17 Comentar
ordenar por:
mais votados
Re: Dormir com um morto no quarto ao lado
O glamour do mundo dos famosos
*************************************
Por Helena Matos
Público 2011/01/13

"É perturbante a ingenuidade e permissividade das famílias de crianças e jovens
perante a sua entrada no mundo da moda"

*************************************************
Artigo a ler e meditar...
"SOLIDARIEDADE"
É apenas por isso mesmo solidariedade que aqui deixo um pequeno post.
Tantas vezes se dizem disparates que um dia ficamos só com um comentário e ainda por cima enviezado..
O seu artigo é mesmo estupido de mais.
Paciência outros melhors virão.
Kácus
Re:
Re:
Re: "LONEZINHO"
Re:
Re: "É MESMO ?
Re:
Re: "Aranjuez"
Re:
Re:
Re:
Re:
Re: Dormir com um morto no quarto ao lado
Só pessoas correctas neste Pais! É tudo culto e dado apenas a coisas sérias, so se pode falar de politica ou idolatar o manuel de oliveira, senao leva-se logo com o rótulo de culturalmente inapto....(ironia)

parabens Tiago, "rir é o melhor remédio". E esse tipo de sentido de humor é sinal de inteligencia refinada: sem baboseiras nem palavroes.
Re: Dormir com um morto no quarto ao lado
Re: Dormir com um morto no quarto ao lado
Re: Dormir com um morto no quarto ao lado
Comentários 17 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub