17
Anterior
Carlos Castro e Renato Seabra directamente da pastelaria
Seguinte
Carlos Castro e Renato Seabra abafaram presidenciais
Página Inicial   >  Blogues  >  100 reféns  >   Dormir com um morto no quarto ao lado

Dormir com um morto no quarto ao lado

Em algumas regiões do país antes de se ter um problema cardíaco o melhor é mesmo consultar o boletim meteorológico. Porque de outra forma a coisa pode complicar-se. Uma história surreal.
|

Esta história foi-me contada em terceira mão. Mas tendo em conta outras do género que tenho ouvido não me admira que seja verdadeira.

Um médico de família do interior Norte econtrava-se sozinho no Centro de Saúde e preparava-se para fechar o estaminé - que noutros tempos tivera uma urgência a funcionar em pleno mas que a urgência do Estado em cortar na despesa encerrou - quando o telefone tocou. Já passava das 22:00 há algum tempo, o Centro deveria estar fechado, terá por isso sido por mera coincidência ainda ali estar alguém para atender a chamada.

Do outro lado da linha falavam de um dos Centros de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) - do INEM. Foi dito ao médico que entretanto já se encontrava de luvas, galochas e gorro na cabeça (a noite estava fria) que daí a pouco tempo iria aparecer por ali uma ambulância dos bombeiros voluntários de uma localidade próxima com um doente em paragem cardíaca e um bombeiro a fazer manobras de reanimação.

O médico terá avisado que se encontrava só no local e que só por mero acaso tinha atendido o telefone, e que provavelmente o mais acertado seria o INEM tomar conta da ocorrência de forma ao paciente receber a melhor assistência. Foi-lhe respondido que isso era impossível porque as viaturas não conseguiam passar por causa da neve que caíra entretanto, logo nem bombeiros para um lado nem INEM para o outro.

O médico anuiu e disse então que esperava pela ambulância. Passados alguns minutos lá chegou a dita. Dentro dela um bombeiro esbaforido fazia desesperadamente massagem cardíaca ao paciente já cadáver, mas encontrava-se impossibilitado de abrandar porque legalmente só o pode fazer na presença de um médico que ateste o óbito. A menos que esteja num estado de total exaustão e seja obrigado a parar as manobras. O médico declarou o óbito e assistiu o bombeiro, também ele prestes a entrar em paragem cardíaca devido ao esforço.

Se o médico tivesse saído a horas não havia ninguém em toda a região isolada pela neve para atestar o óbito. O bombeiro teria caído para o lado com os bofes de fora e não sei bem o que teriam feito ao morto. Morto que acabou por passar a noite num quarto do Centro de Saúde com o médico na sala ao lado a ver televisão. Médico que foi impedido de ir para casa e ali permaneceu toda a noite para o morto não ficar sozinho.

Moral da história: em algumas regiões do país começa a ser tão importante ter um bom cardiologista como conhecer um bom meteorologista.


Opinião


Multimédia

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 17 Comentar
ordenar por:
mais votados
Re: Dormir com um morto no quarto ao lado
O glamour do mundo dos famosos
*************************************
Por Helena Matos
Público 2011/01/13

"É perturbante a ingenuidade e permissividade das famílias de crianças e jovens
perante a sua entrada no mundo da moda"

*************************************************
Artigo a ler e meditar...
"SOLIDARIEDADE"
É apenas por isso mesmo solidariedade que aqui deixo um pequeno post.
Tantas vezes se dizem disparates que um dia ficamos só com um comentário e ainda por cima enviezado..
O seu artigo é mesmo estupido de mais.
Paciência outros melhors virão.
Kácus
Re:
Re:
Re: "LONEZINHO"
Re:
Re: "É MESMO ?
Re:
Re: "Aranjuez"
Re:
Re:
Re:
Re:
Re: Dormir com um morto no quarto ao lado
Só pessoas correctas neste Pais! É tudo culto e dado apenas a coisas sérias, so se pode falar de politica ou idolatar o manuel de oliveira, senao leva-se logo com o rótulo de culturalmente inapto....(ironia)

parabens Tiago, "rir é o melhor remédio". E esse tipo de sentido de humor é sinal de inteligencia refinada: sem baboseiras nem palavroes.
Re: Dormir com um morto no quarto ao lado
Re: Dormir com um morto no quarto ao lado
Re: Dormir com um morto no quarto ao lado
Comentários 17 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub