Anterior
Portugal negoceia vinda de mais médicos estrangeiros
Seguinte
GNR morto por autotanque dos bombeiros
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >  Do computador Spectrum ao império informático

'Magalhães' é um projecto para o mundo

Do computador Spectrum ao império informático

A partir de reparações e biscates feitos em casa, os irmãos Sá Couto, da Póvoa de Varzim, construíram em vinte anos um grupo de nove empresas que factura mais de €100 milhões.
|
João Paulo Sá Couto procura evidenciar o peso reduzido do computador Magalhães
João Paulo Sá Couto procura evidenciar o peso reduzido do computador Magalhães / Luís Faustino

Na origem esteve o Spectrum. O computador que revolucionou o mercado nos anos 80 seduziu o jovem Jorge Sá Couto, estudante de engenharia electrotécnica.

A transferência da Póvoa para o Porto seria decisiva na sua aventura empresarial. A partir de reparações e biscates feitos em casa, Jorge e o seu irmão João Paulo construíram em vinte anos um grupo informático que hoje tem nove empresas e 250 trabalhadores. Em 2007, a JP Sá Couto facturou €100.5 milhões, sendo a previsão deste ano chegar aos 130 milhões sem o 'Magalhães', repartidos pelos mercados português, espanhol e angolano. Só em 2009 é que este equipamento vai ter impacto nos resultados da empresa.

O universitário Jorge embrenhou-se no Spectrum, ficando a conhecer os seus segredos e debilidades. O mercado informático agitava-se e Jorge abandonaria o curso para se dedicar aos negócios. Criou uma pequena empresa de reparação e assistência de computadores, para a qual convidaria o seu irmão mais novo, João Paulo. Na altura, João Paulo também já abandonara os estudos e ganhava a vida como "disc jockey" em bares e discotecas do eixo Porto-Póvoa.

A vocação comercial de João Paulo completava a alma industrial do irmão. Em 1989, os dois filhos de um casal de professores primários iniciavam-se no mundo empresarial.

O negócio prosperou e atingiu uma dimensão que conduziu à criação formal de uma empresa. A experiência adquirida na reparação permitiu aos irmãos Sá Couto fabricar um computador que evitasse os problemas, a partir dos componentes importados de cada fornecedor.

Em 1994, nascia a Tsunami, que terá uma quota de 10% em Portugal. Com a Tsunami a empresa reforçava a aposta no canal de revenda e disponibilizava uma vasta gama de equipamentos, incluindo servidores e "workstations" para as empresas.


UM PROJECTO PARA O MUNDO

Criar em Portugal um pólo tecnológico de fornecedores nacionais em volta da fabricação do computador 'Magalhães' é o objectivo a médio e longo prazo de João Paulo Sá Couto, administrador da JP Sá Couto.

Para já, as memórias do equipamento estão a ser fabricadas na Maia, através de uma parceria estabelecida com a multinacional Qimonda. E as caixas de cartão que empacotam o computador já obrigaram o fornecedor português (Micropack) a investir €3 milhões em equipamento para ter capacidade de resposta. O empresário diz estar à procura de mais fornecedores nacionais.

Além dos 500 mil 'Magalhães' para o programa "e.escolinhas", a JP Sá Couto já tem garantido um contrato de 1 milhão de unidades para a Venezuela que começarão a ser entregues no final deste ano ou início de 2009.

Entretanto, há um negócio com a Líbia em fase de conclusão e abrem-se também boas perspectivas com os PALOP (Angola e Moçambique estão na calha), e ainda Marrocos e Brasil. "Também na Europa existem conversações com interessados", diz João Paulo Sá Couto, mas, adianta, só vai divulgar "quando estiver preto no branco", porque o "segredo é alma do negócio".

Com a fábrica a produzir actualmente 75 mil PC por mês e a duplicar a produção no início do próximo ano, Sá Couto diz que não vai haver problemas de entrega. "se houver necessidade produzimos o dobro com mais um turno", afirma, referindo que no segundo semestre deverá ser atingida a marca dos 250 mil. Neste momento estão em funcionamento duas linhas de produção robotizadas que envolvem 80 pessoas (40 para cada linha de produção).

João Ramos

E-ESCOLINHAS

Portátil a conta-gotas

No sítio Web do "e-escolinha" apenas se diz que o 'Magalhães' "vai ficar disponível muito em breve e que os pais devem perguntar aos professores". Estes nada sabem. Do Gabinete do Plano Tecnológico da Educação garantem que "até ao final do ano lectivo" todos os alunos do 1º ciclo vão receber o pequeno computador portátil. Mas ninguém se compromete com calendários de entrega. O primeiro-ministro, José Sócrates, já anunciou que vão estender a iniciativa ao 5º e 6º anos. Porém, não há promessas para as crianças que entrarem no próximo ano lectivo no 1º ciclo.

A polémica em torno da campanha governamental de distribuição do Magalhães não se fica por aqui. Começou logo pela escolha das 16 escolas de 16 concelhos do país, às quais se deslocaram 11 governantes, entre os quais o próprio primeiro-ministro e a ministra da Educação, para distribuir o presente às crianças. O Governo esclareceu que a escolha tinha por base a existência de banda larga nas escolas. Mas muitos tomaram-no como um brinde.

Os alunos podem adquirir os novos PC gratuitamente (se estiverem no escalão A do abono de família) ou pagando no máximo 50 euros, o que leva as famílias a aplaudir a iniciativa. Os pais individualmente ou as escolas podem depois acordar ou não com as operadoras no mercado o acesso à Internet.

Contudo, a Oposição questiona o financiamento do projecto e pergunta pelo concurso público que entregou a encomenda à JP Sá Couto. O fundador da empresa, João Paulo Sá Couto, acha natural esta parceria porque a empresa estava há um ano a desenvolver um projecto de PC de baixo custo, ao mesmo tempo que o Governo criava o "e-escolinhas". "Como o Governo estava a negociar um memorando de entendimento com a Intel, com quem nós temos um relacionamento de longa data, foi natural que a Intel nos indicasse para a fabricação", explica.

O Magalhães é uma segunda versão do Classmate da Intel e já foi distribuído noutros países. Inicialmente disse-se que era um produto 100% português, mas rapidamente o Governo recuou. A JP Sá Couto diz estar a procurar incorporar mais componentes nacionais. Entretanto, hoje a Fnac prepara-se para o lançamento VIP de 500 'Magalhães'. O preço de venda ao público é de 280 euros, com direito a 30% de desconto no lançamento. Depois será vendido noutras cadeias de distribuição para atingir os idosos.

C.T.

OPINIÃO
Descobrir o 'Magalhães'

O 'Magalhães' é um produto bem pensado para o objectivo a que se destina: ser utilizado por crianças. É pequeno, leve, resistente e com um design muito bem pensado para atrair os mais pequenos

De português o 'Magalhães' tem, basicamente, o nome. O computador do programa "e-escolinhas", e a mais recente estrela do Plano Tecnológico, é baseado no Classmate PC - computador concebido pela Intel para ser distribuído pelas crianças de países em desenvolvimento. Por isso, podem ser consideradas algo exageradas as palavras do primeiro-ministro quando afirma que este é o primeiro computador cem por cento português.

Aliás, será importante esclarecer que dizer-se que o 'Magalhães' é totalmente fabricado em Portugal é uma hipérbole utilizada para maximizar o efeito político desta acção. Deve dizer-se que é assemblado. Que é como quem monta um "puzzle": a fábrica recepciona componentes dos mais variados fornecedores e monta-os num chassis - também ele previamente recebido. Mas isto não tem nada de mal. Os maiores fabricantes de computadores do mundo seguem exactamente a mesma lógica. É pura optimização de recursos.

É na parte do "software" que o fabricante português intervém de uma forma mais 'livre'. Tudo o que está instalado no 'Magalhães' foi definido em Portugal. Infelizmente, isto não quer dizer que todo o software seja feito em Portugal. Aliás, o sistema operativo que corre em cima do Windows XP, da Microsoft, é o Magic Desktop da empresa norueguesa, Easy Bits. Por isso, é algo chocante entrar pela primeira vez no 'Magalhães' e ver o Ambiente de Trabalho cheio de atalhos para aplicações com nomes como: Easy Learning, Magic Mail ou Talking Parrot. Mas não se assuste.

Os programas estão todos em português. Só os nomes se mantiveram no original. De raiz, em português, só existem aplicações da Porto Editora que teve de batalhar, e muito, para conseguir oferecer, repito oferecer, o software.

Ao que à máquina, em si, diz respeito, o 'Magalhães' é um produto bem pensado para o objectivo a que se destina: ser utilizado por crianças. É pequeno, leve, resistente e com um design muito bem pensado para atrair os mais pequenos.

As duas configurações de hardware que vão estar disponíveis e que diferem, basicamente, no processador e no controlador gráfico servem perfeitamente para executar os programas e as funcionalidades que se pretendem utilizar na sala de aula ou nos tempos livres da criança. E é aqui necessário fazer uma ressalva: quem está a pensar comprar a versão do 'Magalhães' que vai estar disponível em algumas lojas deve ter consciência que este computador não faz, ao contrário do que erradamente muitos têm dito, "o que todos os outros computadores fazem". A configuração, mesmo a mais poderosa do 'Magalhães' tem claras limitações para lidar, por exemplo, com aplicações gráficas mais exigentes. Além do teclado ser bastante pequeno para mãos maiores.

Muito mais haverá a dizer depois de um teste mais exaustivo à máquina e depois de ver a versão do 'Magalhães' que tem um sistema operativo português em Linux: o Caixa Mágica.

O MAIS PODEROSO...

- CPU Intel Atom a 1,6 GHz
- Chipset Intel 945 GSE
- Controlador gráfico Intel 945 GSE Express Chipset
- Disco 30 GB
- Memória 1GB DDR2 667
- Ecrã - 8.9" 1024x600
- Conectividade USB (2 portas), Wi-Fi, LAN, slot SD
- Multimédia Webcam integrada, entrada para microfone e auscultadores

... E O MENOS PODEROSO

- CPU Intel Celeron a 900 MHz
- Chipset Intel 915 GMS
- Controlador gráfico Intel 915 GMS Express Chipset
- Disco 30 GB
- Memória 1 GB DDR2 667
- Ecrã 8.9" - 1024x600
- Conectividade USB (2 portas), Wi-Fi, LAN, slot SD
- Multimédia Webcam integrada, entrada para microfone e auscultadores


Por Pedro Oliveira, Director da 'Exame Informática'

Texto publicado na edição impressa do Expresso de 27 de Setembro de 2008

Opinião


Multimédia

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.


Comentários 29 Comentar
ordenar por:
mais votados
mas para que vão servir os computadores?
se os professores não estiverem preparados para explorar a utilização do portátil em ambiente de sala de aula e se os pais forem desinteressados ou info-excluídos, o que acontece ao magalhães? passa a ser mais um brinquedo encostado numa prateleira lado a lado com a bonecada?!
não seria bem mais edificante começar antes por criar programas de formação para os professores do primeiro ciclo que tratassem, precisamente, de os qualificar (e muitos nem sabem enviar um e-mail!) para depois poderem orientar os mais novos com a Internet e com os conteúdos didácticos multimédia?
isso é que seria um plano estratégico estruturado e sólido. mas com este Governo, já se sabe, só as aparências importam, a propaganda comanda a política. é pena porque parece que este se arrisca a ser mais um acto falhado do PS...
Ses...
Re: Ses...
Re: mas para que vão servir os computadores?
Re: mas para que vão servir os computadores?
Era bom que, de uma vez por todas...
Era bom que, de uma vez por todas, algum jornalista a sério explicasse cá ao burgo quem é o detentor da patente do "Magalhães", onde é que é construido, porque é que tem o "software" em inglês e qual o interesse pessoal do Sr. sousa na sua divulgação e venda ...
Re: Era bom que, de uma vez por todas...
Re: Era bom que, de uma vez por todas...
observe melhor
Re: observe melhor
Goebbels não faria melhor!
http://revolucionaria.wordpress.com/
Tendência para o delírio
Seria muito bom que evitássemos a nossa congénita tendência para o delírio dos extremos: a maledicência crónica e o triunfalismo provinciano.
O Magalhães nunca poderia ser todo construído em Portugal. Acho mesmo que não existe hoje à superfície da Terra nenhum computador que seja feito inteiramente num só local. Nem é isso que está em causa. O Magalhães é um produto inteiramente montado em Portugal -o que já significa muito... Mesmo a concepção original de todo o projecto nem sequer é portuguesa, mas sim de um americano (Soros).
O mérito está na adopção, desenvolvimento e execução do projecto por um empresário português em parceria com o governo. E isto já é bastante relevante entre nós, pouco habituados a estas rápidas, oportunas e bem sucedidas iniciativas.
Quanto à sua utilização nas escolas, evidentemente que irá ser muito benfazeja para muitos milhares de crianças que dentro de poucos anos terão que lidar com aplicações informáticas, seja qual for o sector onde trabalhem. Aliás, é afinal o mais importante de tudo, porque dentro de poucos anos irá ser mais necessário e útil saber mexer num computador do que ligar um aparelho de TV.
Igualmente é economicamente importante para o país vender 1 milhão destas máquinas para a Venezuela. E possivelmente para outros países...
Nuno Costa
O que vale é a iniciativa...
e o espírito empreendedor. Não é importante saber quem faz isto ou aquilo, mas sim o que se pode fazer com o que o mercado oferece sem a necessidade de se inventar a roda mais uma vez. Adaptar o software é prática corrente mas os nomes das aplicações não podem mudar uma vez que são registados. É lógico que se trata de um produto de montagem e teste 100% nacional com a incorporação de alguns componentes fabricados em Portugal.
Parabéns aos irmãos Sá Couto e os meus desejos do maior sucesso nesta iniciativa.
Re: O que vale é a iniciativa...
Re: O que vale é a iniciativa...
Re: O que vale é a iniciativa...
Re: O que vale é a iniciativa...
RMas não é só ao lae: O que vale é a iniciativa...
Re: O que vale é a iniciativa...
Re: O que vale é a iniciativa...
Re: O que vale é a iniciativa...
PROPAGANDA VERGONHOSA
OFERECERAM OS COMPUTADORES AOS ALUNOS DO 1º CICLO E, MAL AS TELEVISÕES SAIRAM, VOLTARAM A COLOCAR OS APARELHOS NAS EMBALAGENS E DESAPARECERAM DEIXANDO AS CRIANÇAS ATÓNITAS... OS PAIS QUEREM OS CÓDIGOS PARA ADQUIRIREM O COMP. MAS NINGUÉM SABE DE NADA. FALAM EM AULAS SUPERVISIONAS POR UM PROFESSOR MAS NÃO SE SABE COM QUE COMPUTADOR (POUCOS PROFESSORES PRIMÁRIOS POSSUEM PORTÁTIL). É A PROPAGANDA SOCIALISTA AO MAIS ALTO NÍVEL.
Schiu! Isso não se pode dizer...
A verdade sobre o Magalhães
Ontem fui à FNAC ver o Magalhães.
Mas, ao contrário de muitos outros portáteis em que se podia mexer livremente, o Magalhães estava dentro do seu expositor feito de cartão e vidro.
Só vou dizer isto:
com um monitor de quase 9 polegadas (22.5 cm) desafio qualquer português a estar meia hora a trabalhar nele. Ah!, o monitor tem uma resolução de 1024x600 pixels.
Por acaso quem me disse isto foi um oftalmologista, que pelo que percebi não é parvo acerca de coisas de informática. Disse-me ele: é da experiência em atender crianças que passam o dia à frente do computador. Foi aí que percebi que ou os miúdos vão todos usar óculos e pôr colírios diariamente para trabalhar com um computador cujo monitor ou se vê à lupa, ou então têm de baixar a resolução, e ficam com um monitor... que tem uma área de 240 cm2. Só para os eventuais interessados terem a noção, os monitores panorâmicos de 19 polegadas que se vendem em qualquer superfície comercial por 120-140 euros, têm 1000 cm2, ou seja, quatro vezes mais área. (Mas hoje os miúdos não têm que saber fazer estes cálculos, que eu já fazia na 3ª classe porque constava do programa; têm é de saber ligar um computador...)
Qualquer interessado deve pedir para trabalhar com o Magalhães durante uns 10 minutos antes de o comprar. Perceberá depois o que quero dizer. O Magalhães, como agenda electrónica, não é mau. Como computador para aplicações de escritório, é uma "pain in the ass", ou talvez "in the eyes". E para ir à internet, esqueçam. A maior parte dos sites hoje é desenhado com resoluções de 1280 pixeis de largura...
Re: A verdade sobre o Magalhães
Re: A verdade sobre o Magalhães
Re: A verdade sobre o Magalhães
Cuidado...
... O Expresso pode estar a ofender o Prof. Pacheco Pereira...
Não se pode falar no PC do Sócrates do Mal, sem o homem ficar todo vermelho, disparando perdigotos por tudo quanto é sítio...
Ele só se cala quando se fala no Pravda da Madeira...

Ai ai... Estes marxistas-leninistas do PSD...

Cuidado pessoal do Expresso... Olhem que a RTP já está na lista negra...
Comentários 29 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub