29
Anterior
Todos ao 1.º de maio do Pingo Doce!
Seguinte
O tabu da saída do euro
Página Inicial   >  Blogues  >  Antes pelo contrário  >   Dívidas aos bancos: uma proposta modesta

Dívidas aos bancos: uma proposta modesta

|

Com a inédita sentença do Tribunal de Portalegre, que considerou que a devolução de um imóvel ao banco cobria a totalidade do empréstimo, e as declarações de Passos Coelho, que prometeu intervir para impedir que os bancos aproveitassem o arrendamento da casas por clientes seus para lhes aumentar os "spread" dos empréstimos, o tema das dívidas aos bancos voltou à ordem do dia.

Avanço com uma proposta adicional e transitória: que não só se proíba o aumento do "spread" quando a casa é arrendada pelo devedor a terceiros, como se isente de pagamento de imposto os rendimentos dos arrendamentos que se aproximem do valor da prestação que se paga ao banco, permitindo que as pessoas encontrem soluções mais compatíveis com a sua atual situação económica sem deixarem de cumprir as suas obrigações para com as instituições de crédito. Dirão que é uma exceção inaceitável. Eu digo que é uma exceção que pode prevenir outras bem mais drásticas, no futuro.

As duas medidas teriam pelo menos três efeitos positivos:

1. Protegeriam a banca da sua própria ganância cega, permitindo que quem nem consegue pagar a prestação ao banco nem consegue vender as suas casas, num momento de crise no mercado imobiliário, evite entrar em incumprimento, criando problemas acrescidos à justiça e às instituições bancárias;

2. Fariam entrar no mercado de arrendamento muito mais casas a preços relativamente baixos, animando um mercado indispensável para travar o endividamento das famílias e do País;

3. Aumentariam, muito mais do que muitas leis que põem em causa os direitos fundamentais dos trabalhadores, a mobilidade no trabalho, não mantendo milhares de pessoas presas à sua atual área de residência por terem uma casa própria que não conseguem vender.

Não sei qual a melhor solução técnica para aplicar medidas deste género. Mas sei que em tempos de crise devemos fazer tudo para impedir situações dramáticas. Mais vale isto do que, daqui a um ou dois anos, ter os tribunais cheios de processos, os bancos cheios de casas vazias e as famílias cheias de dívidas por pagar.


Opinião


Multimédia

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 


Comentários 29 Comentar
ordenar por:
mais votados
Os bancos viraram agiotas!
O banco central europeu empresta a 1% dinheiro aos bancos e estes emprestam-no aos clientes a 6%.
Veja-se a agiotagem que eles praticam, nas barbas da Democracia.
E o que pode fazer o Governo?
Soube-se este fim de semana que do empréstimo da troika,boa parte foi depositada pelo Governo na banca.
Ora esta promiscuidade de interesses emtre poder politico e bancos retira capacidade de manobra ao Governo.
Mas sendo a habitação um direito dos cidadãos, bem explícito na Constituição, o Governo não deve estar à espera das decisões dos Tribunais para intervir.
Os Governos são eleitos para defender os direitos da População, não é assim?
Re: Algum fundo de verdade mas...
Re: Correcção.
Re: Os bancos viraram agiotas!
Re: Os bancos viraram agiotas!
Re: Os bancos viraram agiotas!
Problema de iliteracia?
Diz Daniel Oliveira que:
Com a inédita sentença do Tribunal de Portalegre, que considerou que a devolução de um imóvel ao banco cobria a totalidade do empréstimo[...]

Acontece que que isto, que o Daniel afirma, não aconteceu!

A entrega ao Banco da casa, PODE NÃO COBRIR a totalidade do empréstimo!

A sentença do tribunal de Portalegre diz que:
Com a entrega ao banco da casa, o valor da dívida é abatida pelo VALOR PATRIMONIAL DA CASA e não pelo VALOR DA VENDA DA MESMA.

É claro que se o valor patrimonial da casa for superior ao da dívida, esta fica saldada, mas existe muito boa gente, que deve ao banco muito mais que o valor patrimonial, como é o caso deste casal desavido de Portalegre que ainda tem de pagar 12 000 Euros à instituição financeira.

Mas que se trata de uma vitória contra o poder absoluto que os bancos gozam em Portugal e na Europa, lá isso é verdade!

Re: Problema de iliteracia?
Re: Problema de iliteracia?
Re: Problema de iliteracia?
Re: Problema de iliteracia?
Caro DO
Não me parece nada má ideia. Não sou especialista na parte jurídica, mas soa-me bem.

Os bancos não precisam de mais casas, quanto mais casas lhes são devolvidas menos elas valem e precisamos urgentemente de um mercado de arrendimento que funcione.

Vou esperar para ver o que alguns comentadores mais especializados na matéria têm para dizer, mas vejo a proposta com um olhar muito positivo.

Os melhores cumprimentos,

António

oreivaivestido.blogspot.pt
Re: Caro DO
Proposta razoável
Se o cidadão não tira rendimento extra na operação renda/prestação, não deve pagar imposto.A tributação deve exercer-se sobre os rendimentos,Não parece haver dúvidas.

Quanto às considerações sobre mobilidade, subscrevo-as totalmente, há muito tempo que clamo por uma lei de arrendamento, que preveja o despejo expedito, em caso de não pagamento.

De facto, grande parte de todas estas questões têm origem nas leis que transformaram o arrendamento numa aventura em que proprietário só pode perder. Como consequência, quase desapareceu o mercado de arrendamento, obrigando Jovens casais a assumirem compromissos para toda uma vida e agarrando-os a uma casa, limitando os seus objectivos e impedindo outros voos.

Toda uma geração que , aos 20 e poucos anos, foi obrigada a ter mentalidade de reformado, que não gosta de se afastar da sua rotina.
Estou convencido de que algum do desemprego existente se deve a essa relutância de mudar de vida e procurar as oportunidades onde elas estiverem.
A propriedade da casa alterou os tempos psicológicos e criou milhares de "jovens de pantufas"

A ministra parece que ficou a meio caminho, mas é preciso uma nova lei de arrendamento, já e depressa.Cada minuto, mais uma casa vendida.....
Re: Proposta razoável
Re: Proposta razoável
Re: Proposta razoável
DO
É bastante interessante a sua proposta, mas para os banqueiros e pulhiticus deste país é capaz de não agradar esta ideia.
E veja que estamos nesta situação graças a muitos banqueiros e políticos com a sua ávida ganância pelo dinheiro e poder.
Dívidas aos bancos uma proposta modesta
O mal está feito e vem de muito longe e o que foi uma medida razoável para a altura, revelou-se um pesadelo para o futuro. A Lei do congelamento durou tempo de mais e os Inquilinos passaram a explorar os Senhorios. Não vale a pena perder tempo em encontrar os culpados, mas foi a força das circunstâncias. Há que resolver este problema quanto antes. Fazer mais casas dá trabalho a muita gente e enriquece alguns, mas acaba por empobrecer muitos mais. Já há casas mais que suficientes e de sobra. Com os jovens a emigrar a situação ainda se vai agravar. Há que evitar a todo o custo uma bolha imobiliária, mas o governo com o aumento do IMI, pode muito bem provocá-la. Se não houver muito senso e cuidado a bomba pode rebentar. Só o arrendamento pode salvar o óbvio.

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/04/divida-privada-um-problema-para.html

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/05/ministerio-da-justica-ricardo-negrao.html?utm_s ource=BP_recent

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/04/portugal-beira-da-catastrofe.html?utm_source=BP _recent
Que estranho
...esta história do bicho papão, um dia é o banco, o outro o supermercado, a seguir o primeiro ministro, depois virá o quê, Marte?

Tenho 20 casas, todas pagas, TODAS declaradas, TODAS pagam impostos, algumas estão alugadas com rendas de 20 euros, serei incapaz de despejar os inquilinos que delas precisem, baixo as rendas caso tenha concorrência, mas não consigo por a andar os inergúmenos que delas não precisam, ou seja, eu não consigo ter mais receita logo não pago mais impostos, como não alugo mais a quem precisa e PODE pagar, e as minhas propriedades não se valorizam.

Começei a trabalhar aos 12 anos de idade, não tive verões de 3 meses na praia, cheguei a pagar juros ao banco a 30%, não falhei um pagamento, tive que por vezes ter mais que um emprego ao mesmo tempo. Com estas propostas já só me resta esperar pela lata de feijão com uma estrela no rótulo e o resto "foiçe".

Modesta, a proposta? Direi antes, exótica!
Re: Que estranho
Re: Que estranho
Re: Que estranho
Re: Que estranho
Os bancos, os bancos...
Não percebo como os bancos podem aumentar o spread se se arrendar a casa. A não ser que esteja no clausulado, não podem. Talvez porque passa a ser 2ª habitação.
Os bancos habituaram-se a um mercado pouco esclarecido e muito competitivo ao mesmo tempo. Isto faz com que tenha procurado taxas de rentabilidade nos produtos de cross selling. Como isso acabou e a rentabilidade do crédito à habitação deve ser negativa, neste momento, andam aflitos. Então, atiram o barro à parede, a ver se pega.
O arrendamento poderia ser um bom negócio para eles, mas os bancos são pouco flexíveis, o que inviabiliza o negócio. Até que se mexam e a coisa tenha rentabilidade...
Re: Os bancos, os bancos...
Embuste....?
Porque será que estou com a sensação que o Governo e a Banca estão é a correr a criar legislação à pressa que defenda a Banca dos processos e decisões dos tribunais? Pelas medidas que já li vejo é a urgência da Banca criar defesas como por exemplo a decisão de só considerarem a divida liquidada se 60% da divida já estiver paga e outras medidas idênticas que estão a cozinhar..ás escondidas.
Exceptuando a medida pensada em criar entraves à proibição na alteração dos Spreds nenhuma das soluções que analizei vem defender as pessoas para melhor das possíveis decisões do tribunal. A ver vamos se estou enganado....
1º de Maio
Para que se não perca, importante ver:

www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=NAahM20e0mw
É uma boa proposta
A sua proposta é bem justa, mas vamos ver o que diz o Governo. Também penso que é necessário encontrar uma solução que alie os interesses dos bancos (não podemos viver sem eles) mas que haja justiça social, num momento de crise onde os termos têm de ser ajustados para não haver mais dificuldades financeiras.
Comentários 29 Comentar

Últimas


Pub