Anterior
Macau: Conselheiro das comunidades quer ver esclarecida morte de aluno ...
Seguinte
Trabalho: 25 por cento trabalhadores do distrito do Porto em situação ...
Página Inicial   >  Feeds  >  Última Hora Lusa  >  Actualidade  >   Direito do Mar: Delimitação soberania nos espaços marítimos a norte de Angola "está complicada" - Jurista angolano

Direito do Mar: Delimitação soberania nos espaços marítimos a norte de Angola "está complicada" - Jurista angolano

Lisboa, 20 Mar (Lusa) - A delimitação da soberania nos espaços marítimos a norte de Angola ainda não está resolvida e a "situação está complicada", disse hoje à Lusa o jurista angolano Joaquim Marques de Oliveira.
Lusa |

Lisboa, 20 Mar (Lusa) - A delimitação da soberania nos espaços marítimos a norte de Angola ainda não está resolvida e a "situação está complicada", disse hoje à Lusa o jurista angolano Joaquim Marques de Oliveira.

O processo, que envolve negociações com mais três países, República Democrática do Congo, República do Congo, Gabão e São Tomé e Príncipe, está ainda em curso, acrescentou o jurista, que lança hoje em Lisboa o livro "Direito do Mar", editado em parceria da Livraria Almedina com a editora angolana Gefolex.

"Não é o caso, pode-se dizer, no sul, que ficou resolvido com o tratado que Angola celebrou em 2002 com a Namíbia. A fronteira está perfeitamente delimitada em toda a sua extensão, não apenas no mar territorial mas também na Zona Económica Exclusiva e na própria plataforma continental. Mas a norte, é uma situação complicada", sustentou.

As dificuldades prendem-se com o facto das negociações terem que ser conduzidas com vários países, um dos quais, São Tomé e Príncipe, está também envolvido noutro processo negocial semelhante, este no Golfo da Guiné, que compreende os Camarões, Nigéria, República da Guiné e Guiné Equatorial, explicou.

Joaquim Marques de Oliveira destacou nestes dois processos negociais o caso de São Tomé e Príncipe, "denominador comum que se coloca entre os interesses do Gabão e da República Democrática do Congo".

Professor convidado há 14 anos na Universidade Lusófona, Joaquim Marques de Oliveira formou-se na Faculdade de Direito de Lisboa com uma tese ligada ao Direito do Mar, orientada por Marcelo Rebelo de Sousa.

"A tese não foi sobre o Direito do Mar em abstracto. Apresenta subsídios sobre as possibilidades que eu considero que Angola tem, do ponto de vista científico e conforme a Convenção das Nações Unidas Sobre o Direito do Mar, de estender a sua plataforma continental", salientou o jurista.

Segundo aquela convenção, Angola é obrigada a garantir acesso ao mar aos países vizinhos do interior do continente.

São os casos do Zimbabué e a Zâmbia, referidos aliás pelo jurista no livro que hoje é lançado.

A convenção de Montego Bay, como também é conhecida a Convenção da ONU, "confere direitos especiais" àqueles dois países para atravessarem território angolano.

A este respeito, Joaquim Marques de Oliveira referiu a visita a Angola que o presidente da Zâmbia, Levy Mwanawasa, terminou hoje e em cujo programa se incluiu uma deslocação ao porto do Lobito, centro-sul de Angola.

"Uma das particularidades desta visita teve que ver com isto. A visita ao Lobito deveu-se ao caminho-de-ferro de Benguela, que vai ser reactivado e que permitirá que a Zâmbia possa ter a sua própria frota marinha, os seus próprios barcos, a atracarem no porto do Lobito e depois utilizarem o caminho-de-ferro para as suas exportações e importações", referiu.

"É uma particularidade imposta por Montego Bay, no seu artigo 175, que assenta no chamado património comum da Humanidade", salientou.

"Ou seja, o mar é de toda a humanidade e não pode ser reservado exclusivamente aos estados costeiros. O facto de um Estado ser interior, não significa que não tenha direito de aceder ao mar e esse direito em relação ao Estado costeiro é um dever, ou seja, Angola não pode impedir, de forma nenhuma, que esses estados acedam ao mar", acrescentou.

Nestes casos, Angola "pode e deve impor regras, procedimentos, para que esses Estados acedam ao mar respeitando determinado tipo de regulamentos para proteger a sua soberania e, neste caso concreto, a sua fauna e o ambiente".

EL.

Lusa/Fim


Opinião


Multimédia

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub