Anterior
Macau: Conselheiro das comunidades quer ver esclarecida morte de aluno ...
Seguinte
Trabalho: 25 por cento trabalhadores do distrito do Porto em situação ...
Página Inicial   >  Feeds  >  Última Hora Lusa  >  Actualidade  >   Direito do Mar: Delimitação soberania nos espaços marítimos a norte de Angola "está complicada" - Jurista angolano

Direito do Mar: Delimitação soberania nos espaços marítimos a norte de Angola "está complicada" - Jurista angolano

Lisboa, 20 Mar (Lusa) - A delimitação da soberania nos espaços marítimos a norte de Angola ainda não está resolvida e a "situação está complicada", disse hoje à Lusa o jurista angolano Joaquim Marques de Oliveira.
Lusa |

Lisboa, 20 Mar (Lusa) - A delimitação da soberania nos espaços marítimos a norte de Angola ainda não está resolvida e a "situação está complicada", disse hoje à Lusa o jurista angolano Joaquim Marques de Oliveira.

O processo, que envolve negociações com mais três países, República Democrática do Congo, República do Congo, Gabão e São Tomé e Príncipe, está ainda em curso, acrescentou o jurista, que lança hoje em Lisboa o livro "Direito do Mar", editado em parceria da Livraria Almedina com a editora angolana Gefolex.

"Não é o caso, pode-se dizer, no sul, que ficou resolvido com o tratado que Angola celebrou em 2002 com a Namíbia. A fronteira está perfeitamente delimitada em toda a sua extensão, não apenas no mar territorial mas também na Zona Económica Exclusiva e na própria plataforma continental. Mas a norte, é uma situação complicada", sustentou.

As dificuldades prendem-se com o facto das negociações terem que ser conduzidas com vários países, um dos quais, São Tomé e Príncipe, está também envolvido noutro processo negocial semelhante, este no Golfo da Guiné, que compreende os Camarões, Nigéria, República da Guiné e Guiné Equatorial, explicou.

Joaquim Marques de Oliveira destacou nestes dois processos negociais o caso de São Tomé e Príncipe, "denominador comum que se coloca entre os interesses do Gabão e da República Democrática do Congo".

Professor convidado há 14 anos na Universidade Lusófona, Joaquim Marques de Oliveira formou-se na Faculdade de Direito de Lisboa com uma tese ligada ao Direito do Mar, orientada por Marcelo Rebelo de Sousa.

"A tese não foi sobre o Direito do Mar em abstracto. Apresenta subsídios sobre as possibilidades que eu considero que Angola tem, do ponto de vista científico e conforme a Convenção das Nações Unidas Sobre o Direito do Mar, de estender a sua plataforma continental", salientou o jurista.

Segundo aquela convenção, Angola é obrigada a garantir acesso ao mar aos países vizinhos do interior do continente.

São os casos do Zimbabué e a Zâmbia, referidos aliás pelo jurista no livro que hoje é lançado.

A convenção de Montego Bay, como também é conhecida a Convenção da ONU, "confere direitos especiais" àqueles dois países para atravessarem território angolano.

A este respeito, Joaquim Marques de Oliveira referiu a visita a Angola que o presidente da Zâmbia, Levy Mwanawasa, terminou hoje e em cujo programa se incluiu uma deslocação ao porto do Lobito, centro-sul de Angola.

"Uma das particularidades desta visita teve que ver com isto. A visita ao Lobito deveu-se ao caminho-de-ferro de Benguela, que vai ser reactivado e que permitirá que a Zâmbia possa ter a sua própria frota marinha, os seus próprios barcos, a atracarem no porto do Lobito e depois utilizarem o caminho-de-ferro para as suas exportações e importações", referiu.

"É uma particularidade imposta por Montego Bay, no seu artigo 175, que assenta no chamado património comum da Humanidade", salientou.

"Ou seja, o mar é de toda a humanidade e não pode ser reservado exclusivamente aos estados costeiros. O facto de um Estado ser interior, não significa que não tenha direito de aceder ao mar e esse direito em relação ao Estado costeiro é um dever, ou seja, Angola não pode impedir, de forma nenhuma, que esses estados acedam ao mar", acrescentou.

Nestes casos, Angola "pode e deve impor regras, procedimentos, para que esses Estados acedam ao mar respeitando determinado tipo de regulamentos para proteger a sua soberania e, neste caso concreto, a sua fauna e o ambiente".

EL.

Lusa/Fim


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub