Anterior
Administração demite-se em bloco
Seguinte
Jackpot terça-feira no Euromilhões
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Direção-Geral de Saúde pondera controlar Pepsi e Coca-cola

Direção-Geral de Saúde pondera controlar Pepsi e Coca-cola

"O que é adoptado nos EUA não pode ser ignorado em Portugal", afirmou o director-geral da Saúde, Francisco George, sobre um eventual controlo do 4-MEI, o "corante caramelo" considerado cancerígeno
|
Para o director-geral da Saúde, Francisco George, o excesso de açúcar nos refrigerantes é também preocupante
Para o director-geral da Saúde, Francisco George, o excesso de açúcar nos refrigerantes é também preocupante / Ana Baião

Em comunicado hoje divulgado na Internet, a empresa responsável pela Coca-Cola nos EUA afirma que vai reduzir a quantidade de "corante caramelo" (4-methylimidazole  ou 4-MEI) no refrigerante, tal como está a suceder com a Pepsi, embora considere que os produtos não oferecem perigo para a saúde. O que a empresa norte-americana não diz é que, se a "receita" não fosse alterada, seria obrigada, por lei, a pôr um rótulo sobre o risco de cancro nas embalagens. Portugal poderá vir a exigir o mesmo, admite o director-geral da Saúde, Francisco George.

Embora a legislação europeia relativamente às substâncias consideradas cancerígenas seja diferente da norte-americana, o diretor-geral da Saúde disse que as questões relacionadas com a Coca-Cola e Pepsi "têm que ser consideradas". Em declarações ao Expresso, Francisco George equacionou que Portugal poderá fazer, tal como nos EUA, o controlo do 4-MEI na cadeia alimentar, mostrando-se mais ou igualmente preocupado com "o excesso de açúcar e calorias nos refrigerantes".

Bebidas com corante cangerígeno


"Naturalmente, o que é adoptado nos EUA não pode ser ignorado, mas não faz lei em Portugal. Temos que respeitar o quadro legal", disse Francisco George. "Mas temos que analisar os resultados dos estudos e as medidas tomadas na América, pelas autoridades e pelos fabricantes", o que deverá ser feito "pelas autoridades competentes na Europa e em Portugal", acrescentou.

O responsável pela Direcção-Geral da Saúde disse que a questão não diz respeito apenas à Saúde, mas passa também, e principalmente, pela Direcção-Geral da Veterinária e Alimentação do Ministério da Agricultura, que é o organismo responsável pela qualidade alimentar, e pelo Ministério da Economia. Ou seja, os três ministérios concertados é que deverão analisar o caso do 4-MEI, podendo vir a ser adoptadas "medidas semelhantes" (às dos EUA). 

Fabricante em Portugal "não comenta"


Nem os fabricantes nem as autoridades nos EUA dizem se está previsto - além da redução da quantidade do "corante caramelo" na fórmula dos refrigerantes - retirar do mercado os milhões de garrafas e latas de Coca-Cola e Pepsi com quantidades elevadas de 4-MEI que ainda estão disponíveis no mercado, e que oferecem risco de cancro para o consumidor. 

O Expresso questionou a Pepsi-Cola Portugal, que remeteu para uma agência de comunicação, a Lift, a qual disse que a empresa "não comenta a retirada (do refrigerante) do mercado".

Marta Marreiros, da Lift, assegurou, ainda, que "a nossa posição é a mesma da Probeb - Associação Portuguesa das Bebidas Refrigerantes Não Alcóolicas, que hoje divulgou um comunicado afirmando que "os consumidores podem estar confiantes de que o "corante caramelo" é seguro".

No comunicado enviado pela Probeb ao Expresso, a associação cita a Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar (EFSA) que, em março de 2011 "após uma revisão abrangente da literatura científica" afirmou que "a presença de 4-MEI não constitui uma preocupação para a saúde". Cita também "a Autoridade de Saúde do Canadá", que "considerou que o 4-MEI, presente em determinados "corantes caramelo", não representa um risco para os consumidores". E, ainda, a FDA - Food and Drug Administration, que "aprovou o "corante caramelo" como um aditivo corante e lista-o como "um ingrediente alimentar generalizadamente reconhecido como seguro". 

O que a Probeb omitiu no comunicado foram as quantidades de 4-MEI ou "corante caramelo" consideradas inócuas por aqueles organismos. Questionado pelo Expresso sobre esses valores, o secretário geral da Probeb, Francisco  Furtado de Mendonça, não conseguiu responder.

O Expresso contactou (por telefone e por email) a ASAE - Autoridade de Segurança  Autoridade de Segurança Alimentar e Económica do Ministério da Economia, mas até à publicação desta notícia não obteve qualquer comentário.


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 5 Comentar
ordenar por:
mais votados
E o aspartamo
Deviam fazer o mesmo ao aspartamo que comprovadamente provoca o cancro ao ser metabolizado pelo intestino e faz parte da receita dos sumos de uma grande marca portuguesa, esses sumos estão proibidos cá em casa.
Parem de brincar com a saúde das pessoas
Então só agora ao fim deste tempo todo é que chegaram à conclusão de que precisavam de controlar as bebidas com fórmulas "secretas?". Para um trabalho sério e corajoso para além de dinheiro para investigar é necessária a coragem para apresentar os resultados e as respetivas sanções se for o caso. Ora nada disso alguma vez uma entidade oficial em Portugal efectuou, de cócoras perante o poder do dinheiro é a única que tem sido assumida. Tenham vergonha e deixem de fingir.
Por favor...
Para conhecerem o poder desta multinacional, leiam por favor o livro " COCA-COLA a investigação proibida" de William Reymond, publicado pela Plátano Editora e verão as surpresas que irão encontrar...
A coca-cola,...
A coca-cola, pepsi-cola que têm produtos cancerígenos. Podem fazer mal à saúde.
Os governos que temos tido são autênticos cancros. Fazem mal à saúde, de todos.
Os Primeiros bebemos se quisermos os segundos são-nos impostos. Logo, dos dois, os segundos são bem piores.
Será que director geral da saúde quer fazer alguma coisa sobre isso?
Portugal = República das Bananas
eis mais uma prova que toda a "merda" cá entra sem controlo. só depois de em outros locais do planeta terra se fazerem analises e testes é que nós nos lembramos de que também vamos controlar.

EIS O JOGO DOS LOBYS empresariais. O povo que se dane. até porque se morrer metade este planeta até que ficaria bem melhor....
Comentários 5 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub