20 de abril de 2014 às 1:37
Página Inicial  ⁄  Atualidade / Arquivo   ⁄  Direção do "Público" responde ao Conselho de Redação

Direção do "Público" responde ao Conselho de Redação

Direção do "Público" respondeu ao comunicado do Conselho de Redação do jornal, que considera "inaceitável".
Mariana Cabral (www.expresso.pt)
Miguel Relvas é ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares Mário Cruz/Lusa Miguel Relvas é ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares

A direção do "Público" divulgou um comunicado em resposta à nota do Conselho de Redação do jornal, que "considera inaceitável e que representa uma manipulação intolerável dos factos".

A direção, liderada por Bárbara Reis, diz que o Conselho de Redação insinua que o jornal não publicou a notícia em questão por pressão de Miguel Relvas, mas garante que "nenhuma notícia sobre o caso das secretas deixou de ser publicada e nenhum facto relevante sobre esta matéria deixou de ser do conhecimento dos leitores".

A chefia indica que não entendeu que houvesse "matéria publicável", "antes de o ministro Miguel Relvas ter telefonado à editora de política".

De acordo com o comunicado, a diretora Bárbara Reis, após ter ter tomado conhecimentos das alegadas ameaças, "protestou junto do ministro Miguel Relvas por ter exercido uma pressão que toda a direcção considera inaceitável".

A direção termina a nota lamentando a ação do Conselho de Redação - constituído pelos membros eleitos Bruno Prata, Clara Viana, João D'Espiney, João Ramos de Almeida, Luís Francisco, Luís Miguel Queirós, Ricardo Garcia e Rita Siza -, que não consultou a chefia antes de divulgar o caso. "Isto equivale à quebra do diálogo no interior da redação", conclui a nota.



Leia na íntegra o comunicado da direção do "Público":
Comentários 17 Comentar
ordenar por:
mais votados ▼
Se não é, pelo menos parece...
Uma ingerência política na tentativa de silenciar um órgão da imprensa...

À boa maneira do Sócras!

Eu sempre disse que este Relvas não era de fiar...
Re: Se não é, pelo menos parece... Ver comentário
Há uma diferença porém. Ver comentário
Re: Há uma diferença porém. Ver comentário
Tem razão! Ver comentário
fazedores de fomaça Ver comentário
Fumaça? Ver comentário
Fumaça é o que a esquerda inventa Ver comentário
Carissimo, não se esforçe tanto. Ver comentário
Re: Carissimo, não se esforçe tanto. Ver comentário
Re: Direção do "Público" responde ao Conselho de R
OS VÍRUS DESTE PAÍS
QUANDO os nossos computadores recebem vírus ,normalmente começam por ficar mais lentos e em alguns casos acabam mesmo por se apagar infectados.
Sinceramente vejo este caso e nos tempos de hoje como quererem apagar alguns vírus da rede para que possam continuar on. Ó relvas já tens idade e juízo para não ligar muito a estas rasteiras.Homem que se impunha como fera e dava grandes ideias ao amigo e chegou ao topo, com é possível agora chegar a este ponto!!??Eu penso que cometeu 2 erros: um foi o mais conhecido e o outro foi pior que a emenda ,nem sempre querer é poder e nem sempre tem razão.Isto dentro de 2 meses já ninguém se lembra e a vida continua.É pena porque este homem até é honesto e lutador ,não creio que um erro embora grave o vá deitar abaixo no entanto devia de fazer quanto antes algo de positivo relacionado com o tema e justificar o porquê de tal actuação.defender portugal.
Re: OS VÍRUS DESTE PAÍS Ver comentário
Re: OS VÍRUS DESTE PAÍS Ver comentário
Re: OS VÍRUS DESTE PAÍS Ver comentário
kkkkkkkkkkkkkk
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
EU BEM DISSE :
O RELVAS É QUE SABE! ALGUÉM DUVIDA?EU NÃO
deixem o ministro trabalhar em paz!
Muita gentinha bem queria que parecesse ter havido pressões mas os factos estão à vista: A chefia indica que não entendeu que houvesse "matéria publicável", "antes de o ministro Miguel Relvas ter telefonado à editora de política".
Já alguma vez se ouviu falar em ameaças de morte feitas a nados mortos? Ora deixe-se de tretas e leia atentamente: "a diretora Bárbara Reis, após ter tomado conhecimentos das alegadas ameaças, "protestou junto do ministro Miguel Relvas por ter exercido uma pressão que toda a direcção considera inaceitável".
Afinal quem fez pressão a quem?
O Conselho de Redação sobre a direcção do Público, a direcção do Público sobre o Ministro por "alegadas ameaças" e ninguém o que fez o ministro antes porque depois sabemos que pedeiu desculpas mas não sabemos de quê! Por não ter conseguido encontrar respostas para que houvesse "matéria publicável"?
O Público que resolva a quebra do diálogo no interior da redação e deixem o ministro trabalhar em paz!
PUBLICIDADE
Expresso nas Redes
Pub