89
Anterior
Rendas: liberalização relutante
Seguinte
A defesa do Norte
Página Inicial   >  Blogues  >  A Tempo e a Desmodo  >  Deus não é para o bico da ciência

Deus não é para o bico da ciência

|
A Tempo e a Desmodo - Deus não é para o bico da ciência

Antony Flew (1923-2010) não foi um ateu de garagem. Flew foi o Dawkins do século XX, o líder do ateísmo que se julgava legitimado pela ciência. É por isso que a sua conversão foi um acontecimento tão polémico. Deus existe é a explicação dessa polémica descoberta. O grande motor da mudança? A teoria do Big Bang. Steiner diz, algures em Gramáticas da Criação, que a teoria do Big Bang é a tradução científica do livro do Génesis. Flew navegou por águas similares. Para este filósofo britânico, a teoria do Big Bang fornece a prova científica para aquilo que São Tomás de Aquino considerava inacessível ao conceito de prova: o começo do universo. Enquanto pensou que o universo era apenas um espaço ilimitado mas atemporal (sem um começo), Flew encarou o dito universo como um conjunto de factos fechado e à mercê de uma ciência toda-poderosa. Mas tudo mudou com o Big Bang. Se o universo teve um começo, então, a pergunta é inevitável: o que produziu esse começo? Quem deu o primeiro pontapé na bola cósmica? 

O que torna Flew num caso subversivo para o ateísmo hegemónico não é a mera conversão à ideia de Deus. A subversão está na forma, porque Flew chegou a Deus através da ciência, e não através da fé. Flew atingiu Deus através da física e da cosmologia. O ex-papa dos ateus pegou nos dados científicos, e Eureka: há um Deus subjacente à racionalidade da natureza e do universo. Tudo bem? Tudo mal. Deus não é um assunto científico. Deus não se prova ou desprova cientificamente. Deus é um salto de fé abraâmico, kierkegaardiano. Se Dawkins está errado, Flew também não está certo.

Sim, Dawkins tem direito ao seu ateísmo, mas já não tem direito a pensar que esse ateísmo tem certificado científico. A ciência não prova a não-existência de Deus. Deus é um assunto não-científico por excelência, porque Deus não está ao alcance do método científico. Mais: quando afirma que o seu ateísmo darwinista é a única resposta aceitável, Dawkins deixa de lado qualquer ceticismo em relação à sua própria teoria, acabando por esquecer que a ciência não anda à procura da verdade redentora. Todo o conhecimento científico assenta nesta arquitectura céptica: só podemos ter estabilidades teóricas, e nunca certezas teóricas; todas as teorias têm de ser falsificáveis, logo, todas as teorias são apenas possivelmente verdadeiras. Sem este mar de dúvidas, o espírito científico não sobrevive. Preso na fúria de negar Deus em nome da ciência, Dawkins acaba por desrespeitar a própria ciência.

Ora, se não prova a não-existência de Deus desejada por Dawkins, a ciência também não prova a existência de Deus. Flew diz que esta foi uma peregrinação da razão: "segui a razão até onde ela me levou. E ela levou-me a aceitar a existência de um Ser auto-existente, imutável, imaterial, omnipotente e omnisciente". Problema? Apesar das diferenças a jusante, Flew partilha com Dawkins um erro a montante: encara Deus como um desafio científico. Sucede que Deus e a fé não são assuntos empíricos, não são temas para o bico da ciência. Deus não se esconde na relação gravitacional entre planetas, mas na relação moral entre homens. Deus é um salto de fé ético, e não uma descoberta com tubos de ensaio. Flew percebeu que o ateísmo não era a resposta, mas teve medo de atravessar o deserto.


Opinião


Multimédia

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

Todas as ilhas têm a sua nuvem

Raul Brandão chamou-lhe 'A Ilha Branca'. Como viajante digo que tem um verde diferente das outras oito que com ela formam o arquipélago dos Açores. É tenra, mansa, repousante e simultaneamente desafiante. Esconde segredos como a lenda da Maria Encantada e um vulcão florestado a meio do século passado que nos transporta para uma dimensão sulfurosa e mágica. Obrigatória para projetos de férias de natureza.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.


Comentários 89 Comentar
ordenar por:
mais votados
Inacessibilidades
O bicho homem é curioso e é relutante à ideia do inexplicável.Quanto mais se sabe sobre o Universo, dimensão e funcionamento, o espantoso jogo de equilíbrios da natureza, mais difícil se torna enquadrar em explicações científicas.

As noções do tempo e do espaço, quando medidos em anos-luz, são difíceis de digerir,
  Os milhões de quilómetros cúbicos ocupados pelo Universo que continham ,antes do Big Bang?

A invenção de Deuses, pretende dar um autor ao incompreensível, tornando simples algo que nos escapa. Mas é uma invenção humana, a que se juntou a ameaça de torturas eternas, para malfeitorias terrenas e , com o decorrer dos séculos, o poder do clero.

Por mim , perfilho a posição de J.L.Borges "Sobre a verdade nada sabemos". É a mais cómoda e a que produz menos problemas existenciais!!!!!
Re: Inacessibilidades
Re: Inacessibilidades
Re: Inacessibilidades
Re: Inacessibilidades
Re: Inacessibilidades
Re: Inacessibilidades
Re: Inacessibilidades
Re: Inacessibilidades
Re: Inacessibilidades
Re: Inacessibilidades
Quem tem mêdo da morte?
Só tem mêdo da morte quem não tem, em vida a consciência tranquila: na sua relação com os outros, na solidariedade com o próximo e na prática da justça quotidiana.Porque Deus não é o problema. não dificulta o caminho, não cria limites.
Re: Quem tem mêdo da morte?
Re: Quem tem mêdo da morte?
Deus não é para o bico da ciência
Dizem os crentes que a fé é que nos salva, mas se a Deus nada é impossível e fez o Mundo, porque não fazer pequenos milagres, tão simples como dar uma pena de carne e osso, a quem vai a pé a Fátima com uma de pau. Já sei que há explicação para tudo, mas como a Deus nada é impossível, porque deu às plantas a possibilidade de se renovarem, cada vez que lhe cortamos um ramo e não acontece o mesmo com o seu semelhante. Milagres contam muitos, mas uma prova assim era sem duvida mais credível, ou talvez não. Aliás contam que na antiga Grécia não sabiam a razão porque as mulheres tinham filhos e pensavam que era o mesmo fenómeno que acontecia com a fruta nas árvores. Tenho um amigo que opina que as religiões são todas más e não há nenhuma boa. Invoca o sofrimento que têm causado à Humanidade, em guerras eternas entre Árabes e Cristãos desde o tempo das Cruzadas e Inquisição.
ENALTEÇO A SUA INTENÇÃO DE HOJE, HENRIQUE
Poucos entenderão o alcance do seu artigo de hoje. Enalteço a coragem de hoje em trazer e invocar alguém que a ditadura do politicamente correcto transformou em besta depois de ter andado décadas a considera-lo bestial. Infelizmente, tal como noutros registos, no fórum do Expresso também abunda a opinião fácil de gente desinteressante e desinteressada. É um preocupante sinal dos tempos. Não sei se sabe mas ontem teve lugar na universidade de Oxford, na aula magna da faculdade de Teologia, um debate sobre a questão por si hoje aflorada e sob um título idiota cuja tradução poderá talvez ser “A natureza do ser humano e a questão da sua origem”. Os convidados foram o sempre inconsequente Rowan Williams, bispo de Cantuária e, o ateu militante Richard Dawkins. Eu pessoalmente acho o representante anglicano muito fraco e sempre preocupado em ser politicamente correcto o que no debate em questão foi penalizador acima de tudo para ele mesmo. A discussão não foi esclarecedora pois se Dawkins está hoje muito mais polido já Rowan Williams não tem bagagem para quem se digladie com ele com argumentos racionalmente bem encadeados e estruturados. Para mim em qualquer contenda tem que haver sempre um vencedor e a haver um foi, infelizmente, este ateu militante. Qualquer Príncipe da Igreja Católica teria arrumado com a argumentação fácil e por vezes insultuosa usada por Dawkins mas enfim como se depreende do seu artigo de hoje Deus não está ao alcance do entendimento de todos. Se poder ...
Re: ENALTEÇO A SUA INTENÇÃO DE HOJE, HENRIQUE
'Deus não é para o bico da ciência
Bom post, Henrique. Não sei se se trata da apresentação de um livro (a aparecer no Expresso ou noutro lado) ou da crítica a um, mas não penso que haja nada a apontar a ele. Concordo com tudo o que disse, em primeira abordagem.

Em segunda abordagem, haveria que considerar o que diz no fim, que Deus estaria escondido na "relação moral entre homens". Parece-me pelos vistos que "alguém" não desistiu de encontrar a prova de Deus na normalidade da realidade... não se contentando com a história, que pode sempre nos chegar falsificada.

A este assunto só posso acrescentar que a ciência é essencial para provar a existência de Deus. Porque ao esforçar-se para estudar o natural, ela tenta definir o que não é natural, e logo, é a melhor ferramenta para reconhecer Deus se este se manifestar. E no entanto, também é verdade que a sua constante procura em explicar tudo, introduz uma dúvida sistémica em toda a prova que fizer: o que não consegue explicar hoje talvez possa explicar amanhã. Paradoxalmente, acho que é isto que evita que se possa considerar o ateísmo uma teoria científica... é que negar a existência de alguma coisa é falsificável, desde que essa coisa apareça... mas como se pode fazer a prova se o objectivo da ciência é precisamente recusar essa prova?

(um segundo problema é que o argumento da falsificação resulta para negar afirmações universais, leis!... como é que o ateísmo poderia ser reformulado para exprimir as mesmas?)
O homem
desde sempre que gosta de histórias, mas quando ficam obcecados com um conto desta forma, já é um exagero. Deus e suas historietas deviam estar na secção de livros infantis e não darem azo a milhões e milhões de debates e histerias.

http://barbarraridades.bl...
Re: O homem
Re: O homem
Re: O homem
Re: O homem
Tome juizo, Henrique Raposo
Deus vs ciencia tem a ver com a cultura e retorica dos Republicanos nos Estados Unidos (neocons). O que tem a Europa a ver com isto?

Encher chouriço?
Um fundamentalista Hindu, acusa Krishnamurti: - Quanto mais o ouço mais convicto fico que és ateu!
Krishnamurti responde: - Eu costumava ser ateu até ter percebido que era Deus.
...irritado o fundamentalista acusa: - ...negas a divindade de Krishna!!? (cá diriamos negas a divindade de Jesus).
JK remata: - ...ceus, nunca neguei a divindade de ninguem, porque o faria a Krishna?

Raio de tema meu caro, armazéns cheios de prateleiras com caixotes imensos cheios de livros foram escritos sobre estas matéria, só faltava mesmo o seu contributo de 4 parágrafos... Fico abismado com a forma como preenche este seu espaço de opinião...
O humanamente incompreensível...
A este respeito, recordo Fernando Pessoa:

“É como se houvesse uma joia ou uma flor, cuja cor maravilhosa só pudesse existir na noite, desaparecendo logo que se estabelecesse a luz, com a qual se veria”

Realmente, um segredo revelado perde a virtude mística do segredo. E citando Tertuliano: revelá-los é destrui-los
Re: O humanamente incompreensível...
Re: O humanamente incompreensível...
Re: O humanamente incompreensível...
Re: O humanamente incompreensível...
Re: O humanamente incompreensível...
Re: O humanamente incompreensível...
A ciência não prova a existência de Deus.
A ciência não prova a existência de Deus porque não se chega a Ele através das certezas matemáticas mas sim mediante a certeza da fé. Neste sentido a resposta à questão quem produziu o começo do universo é apenas um pequeno elemento na construção da certeza que conduz à prova da existência Divina.
Parabéns a H. Raposo pela qualidade do seu texto.
Não é pelo fato de ele ter mudado de ideia,
que a ideia de um deus está provada. Rio Grande
Equilíbrio instável
Parece-me interessante esta conclusão do HR.

Se Deus estivesse ao alcance do nosso raciocínio, seria apreensível, explicável, compreensível por nós. Nós poderíamos explicá-lo. Era como se a peça de barro pudesse algum dia compreender, explicar o oleiro. Claro que as comparações falham mas dá para tentarmos compreender.

Nisto da fé num Princípio para o TODO, cada qual deverá encontrar o seu ponto de equilíbrio entre a certeza e a dúvida.
Quem acredita não deverá esquecer o uso e o fundamento na razão; a crença não pode ser irracional, deve fazer sentido!
Quem não acredita não se poderá radicar unicamente na razão; pela razão, ou pela ciência não chegamos a grandes verdades absolutas.

A FÉ penso que estará sempre presente numa e noutra das nossas posições de equilíbrio “instável” perante o mistério do SER.
Re: Equilíbrio instável
Re: Equilíbrio instável
Pedro, Apóstolo de Jesus Cristo...
Todo o mortal é como a erva
E toda a sua glória como a flor da erva.
Seca-se a erva e cai a flor,
Mas a palavra do Senhor permanece para sempre.
Deus/ciência
Alguém disse: "O muito conhecimento conduz a Deus, o pouco afasta Dele"

Aplica-se a este caso que nem uma luva.
Re: Deus/ciência
Re: Deus/ciência
Re: Deus/ciência
Re: Deus/ciência
Re: Deus/ciência
Re: Deus/ciência
Re: Deus/ciência
Re: Deus/ciência
Re: Deus/ciência
Re: Deus/ciência
Argumentos sem originalidade.
Em relação a este debate, existe uma verdadeira falta de originalidade no lado dos crentes.

Tradução científica do Génésis? O Génésis não tem absolutamente nada a ver com a teoria do Big-bang,
  é um conto de fadas reminiscênte de religiões neolíticas de deusas matriarcais, onde o universo não é criado, mas parido.
O que produziu esse começo? Quem deu o primeiro pontapé na bola cósmica? Reposta dos crentes, Deus.
Isso simplesmente deixa ainda MAIS perguntas em cima da mesa, não responde ou explica absolutamente nada. De onde é que veio esse Deus, quem o criou a ele, e como é que ele criou o Big-Bang?
A ciência não prova a não-existência de Deus. Quantas vezes tem de se repetir a mesma coisa, não é assim que a ciência funciona! O Charles Darwin passou anos a pesquisar antes de publicar 'The origin of species' para provar a sua teoria. Os crentes é que tem de provar a existência de Deus, e essas provas é que são depois analisadas.
Deus é um assunto não-ciêntifico, essa é boa. E se eu lhe digo que acredito firmamente que existe um Panda cor de laranja que vive no centro da terra que controla isto tudo, e para validar a minha teoria ponho em cima da mesa os mesmo argumentos, é um assunto não ciêntífico e é um salto de fé ético?
É obvio que a ciência não responde a toda as perguntas, e é provável que nunca o faça. Mas como é que isso pode validar uma das centenas de crenças medievais ou pré-históricas? Qualquer conto de fadas serve, desde que EU esteja no centro!!
Re: Argumentos sem originalidade.
Re: Argumentos sem originalidade.
Re: Argumentos sem originalidade.
Re: Argumentos sem originalidade.
Re: Argumentos sem originalidade.
Re: Argumentos sem originalidade.
Re: Argumentos sem originalidade.
Re: Argumentos sem originalidade.
Re: Argumentos sem originalidade.
Comentários 89 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub