Siga-nos

Perfil

Expresso

Tribuna

Vicente Moura elogia o "homem que tranformou o movimento olímpico internacional"

Presidente do COP lamenta o desaparecimento do espanhol Juan Antonio Samaranch, recordando-o como "um homem que transformou o movimento olímpico internacional e o desporto mundial".

Vicente Moura elogiou a personalidade "competente e determinada" de Samaranch e recordou a "figura histórica", que "impulsionou o COI de uma forma extraordinária".

"Quando, mais tarde, avaliarmos os mais de 100 anos do COI, vamos dedicar uma parte muito significativa da história a Samaranch. Eleito em 1980, em Moscovo e em plena Guerra Fria, foi Samaranch que conseguiu unir o movimento olímpico e quebrar algumas hipocrisias existentes, como a dicotomia entre atleta amador e profissional", disse o presidente do Comité Olímpico de Portugal em declarações à Agência Lusa.

O falecimento de Samaranch foi confirmado às 13:25, tendo a causa de morte sido uma paragem cardiorespiratória e ocorreu minutos depois do hospital divulgar uma nota em que apontava que Samaranch se encontrava em "choque irreversível" e "estado crítico".

Saúde agravou-se

A saúde de Samaranch - que presidiu ao COI entre 1981 e 2001 e se tornou para muitos o rosto mais conhecido do movimento Olímpico - tinha vindo a agravar-se nos últimos anos, tendo em 2001 chegado a entrar num centro clínico suíço por "fadiga extrema".

Samaranch, que entrou aos 21 anos para a liderança do COI, é considerado um dos responsáveis pela modernização dos Jogos Olímpicos e pela incorporação dos países do bloco comunista.

"Graças a uma atuação muito personalizada, Juan António Samaranch impulsionou o movimento olímpico e conseguiu ganhar credibilidade junto das grandes organizações internacionais, como as Nações Unidas", concluiu.