Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

Desporto

Mourinho processa redator chefe da "Marca"

  • 333

Mourinho interpôs, hoje, ação judicial contra jornalista da "Marca" que escreveu que o português era o típico personagem que se poria em fuga após causar atropelamento.

Isabel Paulo (www.expresso.pt)

José Mourinho vai acionar um processo de injúria contra o redator chefe do jornal espanhol Marca, Roberto Palomar, que na passada segunda-feira publicou um artigo em que refere que o técnico português "é o típico personagam que se colocaria em fuga depois de causar um atropelamento".

O processo, que irá decorrer num tribunal de Madrid, será conduzido pelos advogados Iván Matmoros Mullor e Manuel Matamoros Hernández, escritório que também defende Mourinho numa ação contra o colunista do El País Carlos Boyero, que em julho apelidou o treinador do Real de "nazi português".

Boyero referiu ainda que José Mourinho é "um indívíduo muito perigoso que conhece a metodologia de tirar o pior das pessoas".

Mourinho contra-ataca nos tribunais pela segunda vez

Este é o segundo processo em que José Mourinho defende o "direito ao bom nome" após sucessivos ataques de contestação de que é alvo por parte da imprensa espanhola, situação que já o levou a afirmar que "a vida dos portugueses não é fácil em Madrid".

Segundo os advogados de Mourinho, a insinuação de Roberto Palomar, utilizada num artigo crítico sobre a crise de resultados no Real Madrid e a queixa de Mourinho de que não tinha equipa, "é objetivamente vexatória e foi utilizada de forma completamente desnecessária para o exercício da crítica".

Em comunicado enviado pela defesa, Mourinho faz questão de referir que não efetuou nem jamais o fará contestação legal a críticas relativas ao exercício da sua profissão, "consciente da importância do respeito ao direito de liberdade de expressão, razão porque empregará todos os meios legais para combater qualquer ataque à sua dignidade".

Os advogados do treinador português sustentam ainda que Mourinho deu instruções claras para que a empresa detentora do diário Marca não seja processada, mas somente o autor da polémica afirmação.