Siga-nos

Perfil

Expresso

Tribuna

Deco descarta Portugal do lote de favoritos 

O brasileiro naturalizado português antevê um Mundial com algumas dificuldades e admite que Portugal pode chegar à final.

O futebolista internacional português Deco descartou hoje Portugal dos favoritos a vencer o Mundial2010, elogiando a elevada qualidade técnica, mas recordando a falta experiência do grupo de trabalho liderado por Carlos Queiroz.

"Portugal nunca ganhou um Mundial, por isso não pode ser considerado favorito. Temos uma equipa de grande qualidade, com grandes jogadores e que pode ir longe e chegar à final. Mas não podemos falar em favoritismo", advertiu, em entrevista ao site da FIFA.

Deco, que integrou a seleção quarta classificada no Mundial de 2006, na Alemanha, considera que Portugal "tem a mesma qualidade, embora com menos experiência", lembrando que vários atletas vão disputar uma grande competição pela primeira vez.

"Até mesmo no banco. O 'Felipão' [Luiz Felipe Scolari] já tinha vencido um Mundial com o Brasil e orientado Portugal no Euro 2004, enquanto Queiroz terá pela frente a sua primeira grande competição no comando da equipa. É um excelente treinador, que terá em mãos um grupo de jogadores muito bom. Por isso, acho que temos tudo para ter sucesso", explicou.

Anderson Luís de Souza, conhecido por Deco, lembra que "não é fácil ser campeão do Mundo", defendendo que muitas vezes o título é decidido "nos pequenos detalhes" e que é preciso "um pouco de sorte nos momentos decisivos".

Defrontar o seu Brasil, país onde nasceu, vai ser uma experiência que conhecerá pela quarta vez: "É interessante, sem dúvida, mas é completamente diferente disputar um particular com encarar um jogo do Mundial. É bom já ter passado por isso e saber o que significa jogar contra o Brasil, a diferença que isso faz".

"De qualquer forma, não podemos pensar que existe algum sentimento negativo, bem pelo contrário. Sou brasileiro, naturalizei-me por um país onde vivi muitos anos e que me deu tudo. E ponto final. No final de contas, trata-se mesmo é de mais um grande jogo", resumiu.

Para um bom desempenho na África do Sul, Deco defende que "o grande desafio é o primeiro jogo, pois, vencendo na estreia a Costa do Marfim, as possibilidades de apuramento são muito grandes".

"A seleção que perder vai ter muita dificuldade em passar à próxima fase", avisa.

Passar aos oitavos de final em segundo lugar - assumindo o favoritismo do Brasil - significa muito provavelmente encontrar a campeã europeia Espanha, uma questão que minimiza.

"Não temos problemas em defrontar seja que adversário for. Se tivermos que jogar, é o que faremos. Ir a um campeonato do Mundo a pensar em contra quem se vai jogar, em escolher o adversário, não faz sentido. Para isso, mais vale ficar em casa", frisou.

O médio criativo desvalorizou ainda a influência de Cristiano Ronaldo na equipa, lembrando que a seleção já obteve todo o tipo de resultados com e sem o avançado do Real Madrid.

"Hoje em dia nenhuma grande equipa depende de apenas um jogador. O Manchester United continua bem após a sua saída, o Real Madrid já ganhou jogos sem ele e Portugal também. Claro que qualquer grande jogador faz falta, isso é indiscutível, mas a seleção portuguesa não é dependente do Cristiano Ronaldo, como nenhuma dessas equipas é ou era", vincou.

E, ainda a esse propósito, concluiu: "Claro que o Ronaldo, como um dos melhores do Mundo, faz falta, mas não me parece correto falar em dependência".

Em fim do contrato com o Chelsea, Deco espera voltar ao Brasil para junto da família.