Siga-nos

Perfil

Expresso

Tribuna

Abel Ferreira: "O jogo foi decidido pela qualidade do passe"

O treinador do Braga considerou que a sua equipa cometeu "erros técnicos, não forçados" que acabariam por ditar a derrora frente ao Benfica, por 1-3, no jogo disputado na cidade minhota

Foi um treinador do Braga sereno e com um discurso pedagógico (sem receio de contar o que disse ao intervalo, no balneário, a um dos seus jogadores) que compareceu na entrevista rápida à SportTv, poucos minutos após o apito final do árbitro. "Ainda a quente, na minha opinião, [o que decidiu a partida] foram os erros técnicos e a qualidade do passe", disse Abel Ferreira.

O técnico bracarense falou de um "jogo repartido", que "foi um bom espetáculo". Abel Ferreira lamentou que o primeiro golo do Benfica tenha surgido de "um lançamento a favor" do Braga.

"Os erros não forçados custaram-nos caro", diria mais tarde. "Uma coisa é o adversário condicionar; outra coisa são os erros não forçados. Não podemos continuar a cometê-los", afirmou Abel Ferreira.

O treinador bracarense reconheceu que a pressão alta do Benfica na primeira parte bloqueou os movimentos da sua equipa. E descreveu o que a sua equipa devia ter feito, mas não conseguiu realizar nos primeiros 45 minutos. "O adversário defende três homens na linha de meio-campo. A nossa estratégia era colocar bolas nas laterais e nas costas, ou fazer variações no terreno com passes diagonais".

Depois das explicações táticas, o treinador do Braga trocou o jogo por miúdos, quando lhe perguntaram sobre a entrada em jogo de João Carlos Teixeira, que haveria de render o Fábio Martins. Abel Ferreira contou como estava insatisfeito com este jogador, e fê-lo através de uma espécie de inconfidência de balneário: "[Antes deste jogo, o Fábio [Martins] estava num grande momento de forma. Perguntei-lhe ao intervalo onde estava o Fábio dos últimos jogos".

Para o técnico bracarense, "a grande diferença entre jogar nos grandes e numa equipa normal é a capacidade mental. Um dos melhores jogadores da história do Braga (Rafa) não tem lugar no Benfica", disse Abel Ferreira, que de seguida destacaria a "grande qualidade individual dos adversários".