Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

Ministro da Educação elogia postura de Rui Jorge

  • 333

LUCÍLIA MONTEIRO

Tiago Brandão Rodrigues disse admirar muito a posição do técnico olímpico de futebol, destacando a “sobriedade” e a “estoicidade” com que geriu o processo de seleção de jogadores, que venceram esta quinta-feira frente à Argentina

O Ministro da Educação admitiu esta sexta-feira que fez contactos não institucionais com a Federação Portuguesa de Futebol e elogiou a postura do selecionador da equipa olímpica pela forma como conduziu a escolha dos jogadores.

O selecionador da equipa olímpica de futebol Rui Jorge teve algumas dificuldades na formação do grupo que levou para o Brasil, dado que muitos clubes se recusaram a ceder jogadores.

Numa entrevista ao "Diário de Notícias" e TSF, esta sexta-feira divulgada, o ministro assegura ter mantido contactos "não institucionais, vendo com cuidado todo o processo" e lembra que não podia ter uma "intervenção ativa", mas que as declarações feitas foram no sentido de que a equipa olímpica de futebol pudesse estar "representada ao mais alto nível".

Tiago Brandão Rodrigues avança a existência de contactos com a Federação Portuguesa de Futebol, tendo passado uma mensagem de que "os clubes se pudessem comprometer", considerando que o cerne da questão passa pelo facto de falta de compromisso da FIFA.

"Toda esta questão está condicionada à partida, a questão da data da FIFA é primordial. Até porque muitos dos atletas não estão em Portugal. E nem na Liga portuguesa podemos ter uma intervenção direta porque muitos clubes são instituições privadas. Com todas as competições que existem, isso faz que os clubes se queixem. Em média já dão os atletas 30 a 40 dias às seleções e os campeonatos estão a começar", sublinha.

O ministro diz admirar "muito a posição de Rui Jorge, a sobriedade e a estoicidade com que encarou este processo", e adianta: "O não-compromisso da FIFA em relação aos Jogos Olímpicos deve preocupar-nos e a FIFA tem de entender o que quer do futebol olímpico (...). Entendo que os clubes, têm as suas prioridades e já têm de libertar os jogadores para as datas obrigatórias".

Para o governante, os Jogos Olímpicos são também "um sonho para muitos futebolistas, por muito que sejam vedetas nos seus campeonatos", e como tal, devem-se tirar "ilações da situação e do relacionamento da FIFA com o movimento olímpico e saber o caminho a percorrer".

Portugal venceu esta quinta-feira a Argentina por 2-0, na estreia no Grupo D do torneio olímpico de futebol Rio 2016, no Estádio Olímpico João Havelange, com golos de Gonçalo Paciência e do suplente Pité.

A formação das 'quinas', que inaugurou a participação lusa nos Jogos Olímpicos Rio 2016, volta a jogar este domingo, frente às Honduras, às 15h locais (19h em Lisboa).

A 14 de julho, aquando do anúncio dos jogadores convocados para o torneio olímpico, Rui Jorge disse que a lista era a "possível" e construída de forma "surreal". "É a possível, quando escolhemos 35 jogadores [para a pré-convocatória], fizemo-lo com o grupo que seria ideal para os Jogos Olímpicos. Atendendo às negas que levamos de alguns clubes, desses 35 apenas conseguimos 11 jogadores, logo aí ficámos limitados", explicou Rui Jorge na altura.