Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

Pepe: “Ser português é uma coisa linda”

  • 333

Pepe, as filhas, a festa - Portugal conquistou a Europa

Laurence Griffiths / Getty

Pepe tem 33 anos e sente-se português “há quase tanto tempo” como brasileiro. Diz que esta vitória no Euro foi dele, dos outros e de um povo humilde e com capacidade de sacrifício que ultrapassa as dificuldades porque acredita

Agora que já passou, esperavas mesmo que Portugal conseguisse ganhar o Euro? E tens de dizer a verdade.
Bom [risos], vamos lá a ver. Eu pensava, sim, que íamos passar a fase de grupos e acreditava que podíamos chegar longe, mas pensar em vencer o Euro foi uma coisa que me apareceu mais tarde, depois do jogo com a Polónia, que, para mim, foi o mais difícil. Podem falar o que quiserem, mas os polacos eram muito bons, muito cínicos, tinham dois ou três movimentos coletivos perigosos. Por outro lado, posso garantir que o nosso mister [Fernando Santos] nos deu a tranquilidade para acreditarmos nisso desde o início. Não vou fazer comparações, mas o Fernando Santos, pela experiência que tem de seleções, é um bocado diferente, tem mais experiência. Ainda me lembro da primeira conversa dele: “Eu vim para cá, vamos qualificar-nos, vamos ganhar o Euro.” É preciso não esquecer que vínhamos daquele Mundial, OK?, de uma situação difícil. E, de repente, o treinador chega lá e diz aquilo.

O Cristiano Ronaldo mudou durante este Euro?
Não vou dizer que ele mudou, até porque o conheço há muitos anos e ele sempre foi assim, pelo menos comigo. Agora, eu vi o Cristiano a receber muito bem os jogadores novos que chegaram, tratou toda a gente por igual, miúdos e não miúdos, ajudou a criar um ambiente familiar. Posso dizer-te que não houve discussões durante este tempo todo e houve gente que ficou de fora e que antes não ficava, como o Bruno Alves, que contribuíram para isso. É que ter ali um Bola de Ouro pode ser intimidante para os mais novos, mas nada disso aconteceu.

Quais foram os futebolistas que te surpreenderam mais?
Dou-te três nomes. O Renato Sanches, que é um miúdo cheio de personalidade, não tem medo de nada, parece que nada o preocupa. Ele é o mais maluco, mas no bom sentido, estás a perceber? Só de olhar para a cara dele dá-me vontade de rir, porque está sempre com piadas. Depois, o Raphaël Guerreiro, que também é corajoso, e o Adrien Silva, que cumpriu muito bem o que o selecionador lhe pediu e foi importantíssimo numa fase difícil do Euro, em que o desgaste começou a aparecer.

O grupo de Portugal não era fácil?
Isso é o que vocês dizem. Islândia, Áustria e Hungria não são seleções fáceis, e nós, depois do empate na estreia, também fomos vendo outros jogos e apercebemo-nos de que seria um Europeu complicado para toda a gente: resultados de 1-0, 2-1, encontros muito apertados. O mister dizia: “Quem defender melhor é quem ganha.” E foi isso que fizemos. Acho que a nossa vitória foi a vitória da humildade e da esperança, nossa e de um povo que esteve sempre connosco. Vou contar-te uma coisa: em Marcoussis, estavam dois ou três empregados que eram filhos de emigrantes portugueses que todos os dias nos contavam histórias de como a vida dos pais tinha sido difícil em França. Pobreza, viver naquelas barracas — nos bidonvilles, não é? —, e a gente identificava-se com aquilo, porque alguns de nós também nasceram pobres, com histórias parecidas... Mas há ainda outra coisa que queria dizer, se der...

Força.
É preciso realçar que o presidente Fernando Gomes nos apoiou muito. Nós chegávamos às 5h da manhã de um jogo e ele estava lá à nossa espera; e quando acordávamos para treinar no dia seguinte, às 10h, ele também estava lá. E, depois, o mister. As pessoas criticavam as folgas que ele nos dava — “Como é possível folgar depois de um empate?” —, só que esquecem-se de como eram os treinos... Ele nunca separava os treinos entre quem jogava mais e quem jogava menos; treinávamos todos juntos, ninguém sentia que estava a mais na seleção. Isso ajuda muito, levanta o moral.

Getty

Foste o melhor central do Europeu? Ou, melhor, podias ter sido o melhor jogador do Europeu?
[gargalhada] Calma, calma, para um defesa é sempre difícil ser eleito o melhor jogador de um torneio. Agora, posso dizer que as coisas me correram bem, e eu, admito, não estava à espera disso, porque a época no Real tinha sido longa e desgastante — e também tinha estado lesionado. Só que, às tantas, eu ia falando com o Cristiano, aquelas conversas entre nós, e ia dizendo: “Cristiano, estou a sentir-me bem, pá. Isto está a correr bem.” E assim foi.

Sim, mas terminaste o Euro a vomitar sobre o relvado...
Se queres que te diga, não sei explicar o que aconteceu. Acho que foi do desgaste, estava no limite. Não treinei naquela semana antes do jogo com a França — ou melhor, treinei no sábado, na véspera — e estava exausto. Isso e a tensão fizeram-me vomitar. Nunca me tinha acontecido...

E já te tinha acontecido ver um jogador esconder uma luva na caneleira para festejar?
O Éder já tinha feito isso antes! Mas é como te digo, nós tínhamos uma confiança incrível, achávamos que, defendendo bem, ninguém nos venceria. E até quando o Cristiano falhava, nós tínhamos a confiança de que ele, mais cedo ou mais tarde, iria marcar. Ele marca sempre.

Marcou dois no dia em que atirou um microfone para o charco...
[risos] Nós fomos fazer aquele passeio a pedido do mister, que nos dizia que temos sempre de retribuir o carinho das pessoas. Depois, aconteceu aquilo. Quando vimos as imagens, até nos deu para rir com a cena do microfone.

Que papel desempenhou a religião no vosso Europeu?
Toda a gente sabe que o mister é muito religioso. Eu também sou, e muitos de nós são crentes em Deus, na Nossa Senhora de Fátima... Faço sempre as minhas rezas e agradeço a Deus. O Fernando Santos dizia-nos: “É preciso trabalhar para agradecer e retribuir, só acreditar não chega. Temos de ser simples como as pombas e prudentes como as serpentes.” Rezar e depois ficar sentado no sofá não resolve nada, certo? Também tínhamos um grito de guerra, mas não vou dizer qual é, por isso escusas de perguntar [risos].

Sentes-te mais português do que brasileiro?
Nunca me arrependi de ser português. Fui sempre acarinhado, bem recebido. Vim para um país que não conhecia com 17, 18 anos e sempre tive alguém que me ajudasse. Gosto de ser português, porque ser português é ser humilde e ter capacidade de sacrifício e de lutar. Sou português há quase tanto tempo como fui brasileiro e ser português é uma coisa linda. Vibro com as nossas conquistas, com as medalhas da Sara Moreira e da Jéssica Augusto e da Patrícia Mamona, com a seleção de hóquei em patins que ganhou à Espanha. Agora, também é preciso cair na realidade: sonhar é bom, mas não nos podem pedir já um Mundial. Somos poucos, 11 milhões, e a base de recrutamento é menor do que em Espanha, por exemplo.

Fernando Santos continua na seleção?
Eu gostava muito que ele ficasse.

Mas continua ou não continua?
Nós não sabemos de nada, não sei o que vai acontecer, mas adorava que ele ficasse, que toda a estrutura da seleção e da Federação ficassem.

Entrevista publicada na edição impressa do Expresso de 16 de julho