Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

Nunca antes visto: camisola amarela cai, fica sem bicicleta e corre a pé

  • 333

O líder da Volta a França perdeu a camisola amarela após um incidente estranho na subida da etapa 12

Era um acidente à espera de acontecer. O público foi-se juntando numa das subidas da etapa de hoje, afunilando o percurso da caravana do Tour até ao momento em que uma das motos da organização tem de travar para evitar males piores - só que o pior chegou depois, quando Chris Froome, líder da Volta a França, cai, fica sem bicicleta, e desata por ali acima a correr a pé para tentar não perder muito tempo enquanto a equipa Sky não lhe fornecia uma bicicleta nova.

Este é o primeiro momento, aquele em que os ciclistas batem de frente com a traseira da moto.

E este é o segundo momento, aquele em que Froome se faz atleta (ou biatleta) e começa a correr quase 200 metros em busca do tempo perdido.

Quando o carro de apoio neutro o reencontra, a coisa também não foi melhor: Froome não se adaptou, deixou a bicicleta de substituição para trás e partiu novamente a pé.

Contas feitas, Chris Froome perdeu mais de noventa segundos para os rivais e a camisola amarela para Adam Yates.

Antes de tudo isto, Froome estava ganhar terreno a Nairo Quintana e a Valverde e ambos acabaram 1m14s à frente dele. Mollema e Porte, que também estiveram envolvidos na queda, também terminaram à frente de Froome: Mollema cruzou a meta com 1m40s de vantagem e Porte com 40s de vantagem.

O incidente foi investigado pelos comissários e ficou decidido dar o mesmo tempo a Froome do que Mollema. A classificação está assim ordenada:

1. Froome (SKY), 57h11m33s
2. Yates (OBE), a 47s
3. Mollema (TFS), a 56s
4. Quintana (MOTV), a 1m01s

Tudo está bem quando acaba bem? Não. Richie Porte, o australiano, já reagiu: “Isto é um desastre, um desastre. Têm de fazer alguma coisa. Não é justo e não pode continuar. Se nem consegues controlar o público, consegues controlar o quê? Os adeptos estão na tua cara em todo o lado, a empurrra os ciclistas. É uma loucura”.