Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

Rali de Itália: Repete-se a história de Portugal

  • 333

O belga Thierry Neuville no Hyundai i20 WRC no segundo dia do Rali de Itália

NIKOS MITSOURAS / EPA

A exemplo do que sucedeu no Vodafone/Rali de Portugal, partir atrás é favorável, com o belga Thierry Neuville (Hyundai i20 WRC) a repetir o que o inglês Kris Meeke fez em Portugal

Oitavo na estrada, o belga Thierry Neuville termina o primeiro dia do Rali de Itália no comando com 11,1” de avanço sobre o finlandês Jari-Matti Latvala (VW Polo R WRC), sexto na estrada, com quem tem discutido o primeiro lugar.

O duelo tem sido intenso, com o comandante a mudar durante as sete primeiras especiais, para Thierry Neuville cimentar a posição de comandante nas duas últimas classificativas do dia.

Para o belga "é fantástico estar na frente, isso vem reforçar a nossa confiança e amanhã espero manter o ritmo para continuar este intenso duelo", enquanto o finlandês justificava o atraso nos últimos troços "por excessivo desgaste dos pneus".

Mais rápido na Super Especial que ontem abriu o rali, o francês Sebastien Ogier (VW Polo R WRC), que tinha contra si o facto de abrir a estrada, viu Jari-Matti Latvala ascender ao comando na segunda especial, para o recuperar na terceira e voltar a perdê-lo para o finlandês na quarta.

Por sua vez, Thierry Neuvillie chegou ao comando, pela primeira vez, na quinta classificativa, perdeu essa posição para Jari-Matti Latvala, na sexta, mas recuperou-a na sétima e manteve-a até ao final do dia, com o francês a perder 40,3”, diferença de tempo que começa a ser significativa.

Dominador até à sétima especial, entre os RC2, o finlandês Teemu Suninen (Skoda Fabia R5) perdeu o comando da categoria para o italiano Umberto Scandola (Skoda Fabia R5), em consequência dos 30” perdidos com um furo, com o italiano a terminar o dia na frente da categoria, que tem os quatro primeiros (Umberto Scandola, Esapekka Lappi, Temmu Suninen e Nicolas Fuchs) separados por 20,7”, o que quer dizer que está tudo em aberto.

Amanhã, os concorrentes cumprem uma dupla passagem por três especiais, que totalizam 177,70 km, com a particularidade de uma delas - Monte Lerno - ter 44,26 km, o que poderá provocar diferenças de tempo significativas, uma vez que fecha a “ronde” e, nessa altura, os pneus já deverão estar muito desgastados.

Classificação geral no final da 1.ª etapa:

1.º, Thierry Neuville/Nicolas Gilsoul (Hyundai i20 WRC), 1.14’03.2”; 2.º, Jari-Matti Latvala/Mikka Antilla (VW Polo R WRC), a 11,1”; 3.º, Sébastien Ogier/Julian Ingrassia (VW Polo R WRC), a 40,3”; 4.º, Andreas Mikkelsen/Anders Jaeger (VW Polo R WRC), a 57,5”; 5.º, Mads Ostberg/Ola Floene (Ford Fiesta RS WRC), a 58,5”; 6.º, Dani Sordo/Marc Marti (Hyundai i20 WRC), a 1’18,6”; 7.º, Henning Solberg/Ilka Minor (Ford Fiesta RS WRC), a 2’32,5”; 8.º, Ott Tanak/Raigo Molder (Ford Fiesta RS WRC), a 2’35,6”; 9.º, Esapekka Lappi/Janne Ferm (Skoda Fabia R5), a 2’39,2” (1.º RC2); 10.º, Teemu Suninen/Mikko Markkula (Skoda Fabia R5), a 2’48,3” (1.º RC2)