Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

A história de um brunch (a sério) com Adrien Silva e Renato Sanches

  • 333

Renato Sanches, agora jogador do Bayern de Munique, acompanhado por Bárbara Vara, da Gestifute

Nuno Botelho

O campeonato já lá vai e os 23 convocados de Portugal juntam-se esta tarde para começar a preparação para o Euro-2016, daí que Adrien Silva e Renato Sanches tenham despido a camisola da rivalidade e vestido a dos elogios mútuos

Mariana Cabral

Mariana Cabral

Texto

Jornalista

Nuno Botelho

Nuno Botelho

Fotos

Fotojornalista

Diz-se que de boas intenções está o inferno cheio mas ninguém quer mandar a simpatia alheia para o inferno. Só que inovar não é fácil, por muito boa vontade que possamos reconhecer à Adidas, que convidou esta manhã/tarde alguns jornalistas para um pequeno-almoço/almoço (o anglicismo é brunch) com Adrien Silva e Renato Sanches, a propósito do lançamento das novas chuteiras da marca alemã para o Euro-2016.

A ideia era boa – e tanto se queixam os jornalistas de não terem tempo para falar com os jogadores – mas o que eram alguns jornalistas foram, afinal, muitos jornalistas, porque todos queremos conversa com os verdadeiros artistas do futebol, que são estes e não os outros, e a informalidade perdeu-se algures pelo caminho.

O que não quer dizer, ainda assim, que o evento não tenha sido bem passado, porque nenhum dos jogadores se recusou a responder fosse ao que fosse. A diferença esteve apenas na experiência dos 27 anos de um e na frescura dos 18 anos de outro. Enquanto Renato tinha uma espécie de guarda de honra à perna - o staff da Gestifute, empresa de Jorge Mendes - Adrien Silva esteve mais à vontade - e a maturidade que mostrou esta época a liderar o meio-campo do Sporting foi a mesma com que 1. tratou os jornalistas; 2. gentilmente evitou entrar em polémicas sobre arbitragem ou declarações de dirigentes e treinadores; 3. elogiou o ex-rival Renato.

Nuno Botelho

“As declarações [polémicas] têm a ver com as personalidades de cada um. Fazem parte do futebol, mas os jogadores não se podem preocupar com isso. Nós queremos é jogar, é essa a nossa paixão”, disse o capitão do Sporting, que vai estrear-se em França – país onde nasceu Adrien Sébastien Perruchet da Silva – numa fase final pela seleção.

“Agora já não há rivais, vamos representar o nosso país. O Renato é prova do talento que há em Portugal e que às vezes fica esquecido. Dou-lhe os parabéns, porque é uma transferência muito boa para ele e é um incentivo para os jovens portugueses”, explicou Adrien, ao lado do colega.

Renato Sanches – esta segunda-feira em versão tímida, ao contrário da noite dos festejos do “35” – respondeu no mesmo tom elogioso. “Há uns tempos via o Adrien a jogar na televisão. Depois passei a jogar contra ele e é claro que vejo nele coisas que ainda tenho de aprender, porque ele tem muito mais experiência do que eu”, explicou o médio que se estreou no Benfica esta época. “Como o Adrien disse, acho que dentro de campo não há guerras, estamos lá é para jogar”.

A nova contratação do Bayern de Munique só não esperava jogar no Euro. “Claro que estou muito feliz e tenho a ambição de ir para lá ganhar, tal como o selecionador. Mas não estava à espera. Quando soube, os meus amigos saltaram para cima de mim e depois fomos dar uma volta”, contou o mais novo de sempre numa convocatória portuguesa para uma fase final (Hugo Viana, em 2002, e Ronaldo, em 2004, tinham ambos 19 anos), que respondeu com candura quando lhe perguntaram o que levava na mala para Paris. “Produtos de higiene, pasta de dentes... As chuteiras leva o roupeiro”, gracejou.

Nuno Botelho

“Claro que há um ano não estava à espera de estar na seleção, nem sonhava estar na equipa principal do Benfica, mas não há impossíveis”, disse o miúdo da Musgueira, que vai passar a viver na Baviera depois do verão. “Tive várias propostas, inclusive do Manchester United, mas escolhi o Bayern porque é um grande clube, parecido com o Benfica”.

E, por falar em Benfica: foi um justo campeão, Renato? “Tanto Benfica como Sporting tiveram fases melhores e piores. Mas o futebol não é só jogar bonito - basta ver o Atlético de Madrid, que está na final da Liga dos Campeões, mesmo com outras equipas a jogarem melhor”.

E tu, Adrien? “Já dei os parabéns ao Renato e acho que quem não sabe perder também não sabe ganhar. Não interessa quem joga melhor ou pior, interessa quem ganha. Fizemos uma grande época, fizemos pontos que nem o Sporting nem o Benfica tinham feito e isso mostra o nível do campeonato. Não existe justiça no futebol, foram campeões e não há mais nada para discutir”. Venha daí esse Euro.