Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

Dirigentes do Leixões e jogadores da Oliveirense e Oriental vão hoje a tribunal

  • 333

Os 15 suspeitos detidos na operação Jogo Duplo vão ser inquiridos por alegados crimes de corrupção ativa e passiva. Jogadores da Oliveirense e Oriental terão recebido 3500 euros num esquema de resultados combinados

Isabel Paulo

Isabel Paulo

Jornalista

O presidente e o diretor desportivo do Leixões, Carlos Oliveira e Nuno Silva, respetivamente, vão começar a ser ouvidos esta segunda.feira, no Tribunal Criminal de Lisboa, por presumível pagamento a quatro jogadores da Oliveirense para facilitarem a vitória da equipa leixonense e evitar, assim, a despromação às competições não profissionais.

Segundo o "Jornal de Notícias", cada jogador da Oliveirense, bem como outros quatro do Oriental também alegadamente implicados num esquema de combinação de resultados, terá recebido cerca de 3500 euros por jogo “manipulado”, valor superior ao auferido em média mensalmente pelos profissionais da II Liga.

A investigação da Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ, que levou à detenção de 15 suspeitos de resultados combinados este sábado, foi iniciada há dois meses e ainda não estará concluída. Os investigadores suspeitam da existência de uma rede associada a manipulação de apostas online, que pagaria a jogadores para fazerem jogo sujo. Estes receberiam em função da sua influência em campo, desde número de golos ou cantos marcados, de acordo com o "JN".

Os dois responsáveis do Leixões, clube que arrisca na secretaria a descida de divisão compulsiva, não são suspeitos de envolvimento na rede de apostas ilegais, tendo sido apanhados a aliciar os jogadores da Oliveirense no âmbito das escutas em curso para identificar os responsáveis pela rede alegadamente dirigida por empresários chineses.

A equipa da Oliveirense estaria com vários meses de salários em atraso, cenário que levou o presidente do Sindicato dos Jogadores a alertar, 48 horas antes dos encontros suspeitos, para a precaridade da situação dos jogadores e para a necessidade de reforçar os mecanismos de fiscalização aos clubes. “O incumprimento salarial, que por um lado póe os jogadores numa situação precária e vulnerável, coloca em causa a verdade desportiva”, avisou Joaquim Evangelista.

No Tribunal Crininal serão ainda presentes dois ex-jogadores da Oliveirense que terão intermediado o suborno aos profissionais da Oliveirense, com ajuda de Rui Dolares, detido alegadamente e elemento próximo da claque Super Dragões.