Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

Máfia russa injetou milhões no Leiria

  • 333

Alexander Tolstikov, presidente da SAD do União de Leiria, foi detido durante a ‘Operação Matrioska’

Ricardo Graça

União de Leiria servia de fachada a rede transnacional que usa o futebol e offshores para lavar dinheiro ilícito

‘Matrioskas’. Com um só nome, de código, é possível explicar o esquema ilícito desmantelado esta semana no União Desportivo de Leiria pela PJ e Europol. O presidente da SAD Alexander Tolstikov, que em 2014 apareceu como salvador do clube caído em desgraça financeira e desportiva, é a boneca russa de fora, a que mostra a cara. Trouxe dinheiro, pagou as dívidas, comprou a presidência e firmou a promessa de voltar a levar o União à 1ª liga do futebol nacional. Chamaram-lhe o “Abramovich de Leiria”, já se imaginava um novo Chelsea e quem sabe até um special one a liderar o banco, mas o empresário testa de ferro era mais do que a identidade que mostrava.

Abre-se a ‘boneca’ — um homem loiro, de baixa estatura, 43 anos — e lá dentro descobrem-se outras personagens, maiores em influência e poder, líderes de células ligadas em rede até ao comando de uma máfia russa transnacional. A cada cabeça de madeira que se tira encontra-se um novo elo, mais um país ou offshore por onde circulam milhões de euros, provenientes de “atividades policriminais” praticadas fora da UE, que é preciso lavar, tornar lícitos. O pequeno clube de futebol português foi a fachada escolhida para o branqueamento do capital.

Quem o diz é a Europol, que na terça-feira teve uma equipa em Portugal a apoiar a megaoperação do Departamento de Investigação Criminal da PJ de Leiria, que desde o início de 2015 deslinda as entranhas do esquema. O “material com relevante interesse probatório” apreendido em 22 buscas foi suficiente para o DCIAP constituir como arguidos o clube, a SAD do clube, o presidente Alexander Tolstikov, o seu assessor romeno Sergiu Renita, o diretor financeiro Pedro Violante e um advogado de Lisboa.

Mas o processo, entregue ao juiz Carlos Alexandre, refere mais nomes. O Expresso sabe que os presumíveis cabecilhas da célula, que terão canalizado “alguns milhões” para a SAD no último ano, registados como investimentos sem retorno e transferências sobrevalorizadas, não foram ainda alvo de qualquer mandado. Identificados como Yuri, advogado da área desportiva ligado ao Estado russo, e Pavlov, empresário com 28 empresas em seu nome, estão fora do país.

Em investigação estão crimes de branqueamento, associação criminosa, fraude fiscal e falsificação de documentos, esclarece a PGR. A Europol é mais direta no seu comunicado. Garante que o grupo de criminalidade organizada, composto maioritariamente por russos, existia pelo menos desde 2008, funcionava como célula da máfia russa e é diretamente responsável pelo branqueamento de vários milhões de euros em vários países da UE.

Em Portugal, a PJ conseguiu detetar grandes somas de dinheiro a circular que entrariam no clube através de empresas em Moscovo e Londres e que passariam também pela Letónia, Moldávia, Estónia, Áustria e por offshores nas ilhas Seicheles. Havia também o recurso a correios, que o transportavam em cash, e muitos pagamentos em dinheiro vivo.

Mil euros por mês sem contrato

O grupo russo da SAD trabalhava em circuito fechado. Alexander é descrito como um homem frio, que só falava russo, circulava num Mercedes topo de gama e vivia numa moradia na Nazaré. Assistia aos treinos e decidia sozinho as contratações, transferências e empréstimos de jogadores, a maioria jovens russos a custo zero e com salários de mil euros acordados de palavra. Nada era assinado. Para obter alguma documentação probatória, a PJ incluiu Benfica, Sporting e Sporting de Braga nas buscas, por terem negociado com a D-Sport as transferências de Ivan Zlobin, Vitali Lystsov, Tomas Rukas e Stanislav Kritsyuk.

Parte da investigação está focada aqui. Existe a suspeita de que a SAD registava nas contas valores superiores aos dos negócios de venda ou empréstimo de jogadores. O excedente ganhava justificação legal e saía ‘lavado’ para contas offshore.

Foram “pessoas ligadas ao clube” que colocaram Alexander no radar da PJ, apurou o Expresso. Suspeitaram do dinheiro que não faltava para nada, das contratações em catadupa de atletas internacionais — pelo menos dez —, das dívidas ao Estado saldadas num ‘ai’, e denunciaram-no.

Tolstikov fez a primeira abordagem ao clube em agosto de 2014. Num encontro informal nas Amoreiras, em Lisboa, com elementos da presidência, explicou que tinha uma agência de jogadores na Rússia, a D-Sports — detinha o passe de 50 atletas — e queria investir na recuperação do União.

Ele próprio tinha currículo a apresentar. Nascido na Moldávia, fora durante oito anos jogador profissional. Acabada a carreira tirou cursos de treinador e gestor desportivo. Diz a imprensa russa que criou na China a primeira agência de futebol do Sudoeste asiático, tendo ajudado a organizar eventos como os Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008. De regresso à Rússia presidiu à academia do FC Krasnodar. Agora queria um clube. Já tinha sondado o Farense e o Desportivo das Aves, mas o Leiria tinha um atrativo especial: um estádio do Europeu.

Era difícil dizer-lhe que não. O União de Leiria estava sem SAD desde 2013, extinta por dívidas de 16 milhões de euros e militava (e assim continua) no Campeonato Nacional de Seniores. Na nova sociedade anónima, Alexander — ou melhor, a DS Investment LLP, empresa da D-Sports — começou por deter 49% do clube, passando rapidamente para 60%, conquistando a presidência.

Fonte ligada ao processo explica ao Expresso que Tolstikov seguiu uma estratégia já habitual no crime organizado: “Primeiro ganham prestígio nos clubes, geralmente pequenos, onde injetam dinheiro. Depois compram-nos, sem nunca se conhecerem os verdadeiros donos. Em dois a três anos começa o branqueamento e, mais tarde, outros crimes. A célula de Leiria iniciava-se na lavagem de dinheiro, mas já preparava um futuro em apostas internacionais com viciação de resultados.”