Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

Uma baliza, três golos, muitas dúvidas

  • 333

Tiago Miranda

Portugal bateu a Bélgica por 2-1 no jogo amigável de preparação para o europeu. Fernando Santos não abre o jogo sobre os convocados

Ricardo Marques

Ricardo Marques

Texto

Jornalista

Tiago Miranda

Tiago Miranda

Fotos

Fotojornalista

Bruno Alves entrou no fim, quando já não havia jogadores no campo e eram poucos os espectadores nas bancadas. O defesa central português, que não foi utilizado por Fernando Santos, correu à volta do campo antes de fazer exercícios junto ao banco. Passou primeiro pela baliza onde nada se passou e depois pela baliza dos três golos da noite - dois de Portugal na primeira parte, um da Bélgica na segunda parte.

No último teste antes de ser conhecida a convocatória, Fernando Santos viu a seleção nacional começar a partida algo adormecida - a primeira posse de bola consolidada chegou apenas aos dez minutos. A partir daí , Portugal conseguiu impor-se, obrigou o guarda-redes belga a algumas defesas apertadas e chegou ao golo por Nani. Ronaldo, como sempre o mais aplaudido, fez o segundo e ao intervalo já ninguém se lembrava da Bulgária.

Tiago Miranda

Os belgas reduziram na segunda parte, aos 61 minutos, pouco antes de começarem as substituições que foram descaracterizando o jogo, tornando-o mais dividido e menos decidido. Na conferência de imprensa, Marc Wilmots destacou a rapidez do jogo de Portugal e não evitou referir-se aos atentados de Bruxelas. Já Fernando Santos considerou a vitória justa. “Portugal criou muitas oportunidades e controlou o jogo perante um grande adversário. Foi um jogo conseguido”, explicou. “Não sei se fiquei com mais dúvidas ou menos. Se calhar fiquei com mais”, afirmou o selecionador sobre os jogadores que estarão em França.

Ao encontro amigável desta terça-feira em Leiria - inicialmente previsto para Bruxelas mas mudado devido aos atentados na capital belga- assistiram 20157 espectadores. Só meia dúzia viram Bruno Alves a correr.