Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

Vítor Pereira sai do conselho de arbitragem no final do mandato. “Termino um ciclo”

  • 333

Vítor Pereira vai deixar a presidência do Conselho de Arbitragem no final do mandato

NFACTOS / FERNANDO VELUDO

Fonte da Federação Portuguesa de Futebol refere ao Expresso que a saída de Vítor Pereira “nada tem que ver” com a turbulência em torno da arbitragem nos últimos dias

Vítor Pereira não se vai recandidatar à presidência do conselho de arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), abandonando o cargo no final do mandato e apoiando Fernando Gomes nas eleições marcadas para 4 de junho.

“Ao fim destes 10 anos, que se sucederam a uma carreira de 23 como árbitro – que incluiu a presença nos Campeonatos do Mundo de 1998 e 2002, no Campeonato da Europa de 2000, na final da Taça UEFA de 2001/02 e na Supertaça Europeia de 2001 –, termino agora um ciclo no dirigismo nacional, pelo que não me recandidatarei nas próximas eleições na FPF”, afirmou o árbitro internacional português em comunicado.

Fonte da FPF refere ao Expresso que a saída de Vítor Pereira “nada tem que ver” com a turbulência em torno da arbitragem nos últimos dias, espoletada com a visita de um grupo de Super Dragões à taberna do pai de Jorge Ferreira, em Fafe. “Vítor Pereira decidiu não se recandidatar porque entendeu que a liderança da arbitragem nacional foi um ciclo que se fechou”, refere a mesma fonte. O clima de intimidação ao árbitro do Paços de Ferreira-Benfica, que levou Jorge Ferreira afastar-se da sua residência e a FPF a solicitar vigilância às forças de segurança para proteger o árbitro e família, não é uma situação nova na vigência de Vítor Pereira e está longe de ser um fenómeno isolado no futebol português.

Em março de 2012, um grupo de 25 árbitros viram os seus dados pessoais, incluindo a morada das suas residências, divulgadas na internet, devassa que levou o Ministério da Administração Interna a garantir vigilância apertada aos visados das ameaças veladas, bem como aos seus familiares. A atual hostilidade no sector voltou a subir de tom, na sequência de um alegado erro por parte de Jorge Ferreira na marcação do penálti que valeu o segundo golo ao Benfica.

O anúncio do abandono do presidente do conselho de arbitragem, homem que tem sido contestado pelo FC Porto desde que foi eleito, acontece dois dias depois de Fernando Gomes ter anunciado a sua recandidatura à presidência da FPF, em junho. Quarta-feira, questionado numa conferência na Escola Secundária de Penafiel sobre se Duarte Gomes seria um bom candidato ao conselho de arbitragem, Pedro Proença afirmou que o o árbitro de Lisboa que deixou em janeiro de apitar jogos devido a problemas físicos “seria um excelente candidato, como outros nomes”. Contatada pelo Expresso sobre se Pedro Proença tem conhecimento de uma eventual candidatura de Duarte Gomes para suceder a Vítor Pereira, a assessoria da Liga limitou-se a responder que “estará sempre empenhada em encontrar boas soluções para a arbitragem”.

Aos 58 anos, Vítor Pereira é presidente do conselho de arbitragem da FPF desde 2011, tendo sido eleito para o cargo na lista de Fernando Gomes. Antes disso, tinha liderado a comissão de arbitragem da Liga Portuguesa de Futebol Profissional entre 2006 e 2011, sob as lideranças de Hermínio Loureiro e Fernando Gomes. Nos últimos dias, a polémica em relação à nomeação dos árbitros tem sido cada vez maior, com o presidente do Sporting Bruno de Carvalho a criticar esta quarta-feira na sua página de Facebook “a falta de bom senso da nomeação e do sistema de avaliação dos árbitros” e o presidente do FC Porto, Pinto da Costa, a afirmar que o antigo árbitro está a controlar todas as nomeações do conselho de arbitragem.

Notícia atualizada às 18h59