Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

É Carnaval, os portistas levam a mal

  • 333

"Empenho elevado" ou falta dele? Os portistas voltaram às derrotas, depois de vencerem o Estoril (para a Liga) e o Gil Vicente (para a Taça de Portugal)

ESTELA SILVA/Lusa

O FC Porto foi derrotado em casa pelo Arouca (1-2), na 21ª jornada da Liga portuguesa. Para a semana há clássico contra o Benfica

O professor Manuel Sérgio - um dos mentores de José Mourinho e, mais recentemente, de Jorge Jesus - costuma dizer que “para saber de futebol, é preciso saber de muito mais do que futebol”. E porquê? Porque, diz o professor, no futebol não há fintas, remates e defesas: há homens que fintam, homens que rematam, homens que defendem.

Vem a teoria do professor - que também ensinou José Peseiro - a propósito do FC Porto-Arouca desta noite. Para quem sabe de futebol, o mais provável seria antever uma vitória do FC Porto sobre o 10º classificado, que não ganhava há sete jogos. Mas, para quem sabe mais sobre o ser humano do que de futebol (bom, de ambos), a vitória portista raramente terá sido mais realidade do que miragem.

É que os homens do FC Porto não andam a ter uma vida fácil - e quem não tem vida fácil, não tem jogo fácil. Em pouco mais de um mês, estes jogadores passaram da liderança da Liga para o 3º lugar e saíram da Taça da Liga, com cinco derrotas pelo meio e uma (bom, duas) mudanças de treinador.

Como bem mostrou o Porto no Estoril, na última jornada, com uma reviravolta que deu uma vitória por 3-1, há vezes em que o que nasce torto é passível de ser endireitado. Mas uma vez não são vezes e, esta noite, no Dragão, as coisas não podiam ter começado - e acabado - mais tortas.

Quando o árbitro Rui Costa apitou, ainda havia adeptos a procurar o lugar. Adeptos e... José Ángel. O lateral esquerdo de hoje - já que Layún foi para a direita, devido à suspensão de Maxi - ainda estava a apalpar terreno quando, logo na saída de bola do Arouca, viu Zequinha isolar-se nas suas costas e irromper pela área. O que anteciparia agora o especialista em futebol? Que a jogada provavelmente não daria em nada, como não costumam dar as jogadas aos 5 segundos de jogo. Mas o colega que olha para os futebolistas como homens veria um Iker Casillas que tem passado semanas negras, não só pelo “frango” contra o Vitória de Guimarães, mas pelas críticas que tem ouvido desde Espanha, onde a comunicação social já pede que não continue titular da seleção.

Voltando ao Dragão: Zequinha entrou pela área, passou e, bem no centro da pequena área, Casillas demorou muito a intercetar uma bola que foi parar aos pés de Walter González. Aos 10 segundos, 1-0 para o Arouca, naquele que foi o golo mais rápido do campeonato até agora.

Apesar do choque inicial, o FC Porto - com Danilo, Herrera e André no meio, e Brahimi, Corona e Aboubakar mais à frente - partiu rapidamente para o empate, que apareceu aos 14', com um cabeceamento de Aboubakar num canto.

Antes, Aboubakar já tinha visto defender um outro cabeceamento perigoso e iria voltar a vê-lo defender várias das oportunidades de golo do FC Porto, tal como, do outro lado, Casillas, que emendou a mão pelo lance do golo ao defender o remate de Matheus, isolado na área.

ESTELA SILVA

Na 2ª parte, o FC Porto esteve sempre mais dominador (e chegou a marcar, por Brahimi, num lance anulado por um fora de jogo que não existe), ainda que os adeptos não tenham gostado da falta de oportunidades flagrantes e tenham rapidamente começado a assobiar. Os homens foram ficando mais intranquilos e uma perda de bola infantil de Maicon deu no 2-1, novamente por Walter González, que roubou a bola ao central e desviou-a do caminho de Casillas.

O jogador Maicon fez um disparate de todo o tamanho e o homem Maicon ainda borrou mais a pintura: assim que o jogo recomeçou, o capitão começou a queixar-se de uma perna e dirigiu-se para fora do campo, entre pedidos de Peseiro para que esperasse dentro de campo e assobios dos adeptos.

O ambiente azedou - Brahimi fez cara de poucos amigos quando viu que ia ser substituído e atirou com o casaco pelo ar - e os adeptos não perdoaram ninguém no final, enchendo o Dragão de assobios. O desagrado é compreensível mas a intranquilidade que isso gera não será favorável para o calendário das próximas semanas: sexta-feira os portistas jogam com o Benfica na Luz (têm menos 6 pontos do que o Benfica, que já jogou, e menos 5 do que o Sporting, que recebe segunda-feira o Rio Ave, às 19h) e na quinta-feira seguinte vão à Alemanha defrontar o Borussia de Dortmund, para a Liga Europa. Uma semana decisiva para os jogadores. E para os homens.