Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

Pinto da Costa: “Peseiro é treinador para ano e meio, mesmo que não seja campeão”

  • 333

Em entrevista ao Porto Canal, o presidente dos dragões anunciou a recandidatura à liderança do clube. Sobre o negócio com MEO, Pinto da Costa defendeu que foi a “melhor proposta” que receberam. “Não faço contratos com quem gosto mais (…) faço com quem dá mais ao FC Porto”

Pinto da Costa foi eleito em 1982 presidente do FC Porto. Passados 34 anos o desejo de liderar o clube mantém-se e, na noite desta quinta-feira, anunciou que se vai recandidatar. Em entrevista ao Porto Canal, Jorge Nuno Pinto da Costa garante que está boa saúde e pronto para continuar.

“Esta semana, terminei os exames e felizmente deram-me a garantia de que posso estar tranquilo, pois estou apto a fazer a vida que tenho feito. A partir daí, comuniquei que podem contar comigo e estou disponível para me recandidatar”, disse o presidente do FC Porto.

Sobre a rescisão do contrato com Julen Lopetegui, Pinto da Costa disse que a situação ainda está por resolver. Já relativamente à chegada de José Peseiro, o presidente assegura sempre foi a primeira opção.

“O Lopetegui foi uma escolha minha, tal como o Peseiro que foi a minha primeira opção. O Sérgio Conceição nunca foi contactado por ninguém. Falei com o José Peseiro e perguntei-lhe se estava preparado. Disse-me que sim e que vinha sem medo”, referiu.

“Peseiro é treinador para ano e meio, mesmo que não seja campeão. E espero que seja para muitos mais”, acrescentou Pinto da Costa.

As relações com Benfica e Sporting

Pinto da Costa falou sobre a relação que mantém com os clubes da Luz e Alvalade. Se com o Benfica a história já “parece a Guerra do Solnado”, com o sporting a tensão é bem mais recente. “O doutor Bruno de Carvalho mandou-me uma carta a dizer que um vice-presidente [do FC Porto] não o cumprimentou e que eu tinha 24h para lhe pedir desculpa. Eu, perante uma carta dessas, que ia fazer? Eles optaram por cortar relação unilateralmente”, disse.

Os últimos meses foram marcados pela assinatura de contratos milionários entre os clubes de futebol e as operadoras NOS e MEO. O FC Porto assinou com a MEO pois, garante o presidente, foi quem fez “a melhor proposta”.

“A NOS disse que nos dava 320 milhões por 10 anos. Não faço contratos com quem gosto mais, faço com quem dá mais ao FC Porto. No que diz respeito ao FC Porto penso que é um bom contrato”, afirmou.