Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

A notícia da desistência de Paulo Gonçalves era manifestamente exagerada

  • 333

FELIPE TRUEBA / Reuters

Herói português do Dakar continua em prova. Notícia da desistência forçada do piloto português foi divulgada e desmentida no espaço de uma hora

Afinal, as notícias que diziam que Paulo Gonçalves iria abandonar o Rali Dakar 2016 eram manifestamente exageradas. Quem o confirma é a Honda, equipa do português, que tinha anunciado inicialmente que o piloto iria abandonar a prova devido a problemas no radiador da sua moto.

"Últimas notícias: a etapa desta terça-feira foi parada no CP2 [posto de controlo 2]. Paulo Gonçalves está oficialmente na corrida. Ele chegou ao CP2 com o companheiro Paolo Ceci e vai reparar a sua mota no 'bivouac' de Fiambala de forma a começar amanhã [quarta-feira]", escreveu a HRC Honda no Twitter.

Uma hora antes, o diretor da equipa, Martino Bianchi, tinha anunciado a desistência forçada do segundo classificado na prova geral de motos: “Paulo Gonçalves está fora do Dakar 2016. Um arbusto entrou no radiador da sua mota e partiu-o. Toda a água saiu e poucos quilómetros depois o Paulo teve de parar com o motor partido”, escreveu esta terça-feira na sua página do Facebook.

O acompanhamento ao vivo feito pela página oficial do rali também foi dando conta dos problemas com que Paulo Gonçalves se deparou, tendo sido obrigado a parar no segundo posto de controlo da nona etapa.

Paulo Gonçalves andou nas bocas do mundo este fim de semana depois de ter ajudado um adversário direto, o austríaco Matthias Walker, a levantar-se após uma queda aparatosa, arriscando a primeira posição. No entanto, o piloto português só perdeu o primeiro lugar na prova geral esta segunda-feira, durante a oitava etapa da prova, quando caiu e perdeu o lugar para o atual líder, o australiano Toby Price.

O piloto, que se sagrou campeão do mundo em 2013, continua assim na corrida, a 2.05 minutos do líder australiano, tendo em conta os tempos da prova geral.

O VÍDEO DE PAULO GONÇALVES QUE O MUNDO APLAUDIU