Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

Ultimamente ando muito. E ando. E ando mais um bocado

  • 333

Tiger Woods completa 40 anos esta quarta-feira e, depois de uma época para esquecer, está resignado. O talento que mudou o golfe em 1996 já lá vai: “Onde está a luz no fundo do túnel? Não sei”. O Expresso continua a apresentar os acontecimentos desportivos de 2015 que mais vale esquecer em 2016

“Foi bom enquanto durou.” A frase com que Tiger Woods resumiu recentemente a sua carreira, em (longa) entrevista à “Time”, é arrepiante para quem o viu ganhar quase tudo (foram 14 majors), num percurso que às tantas parecia destinado a superar o de Jack Nicklaus (18 majors), amplamente considerado o melhor golfista de sempre.

Só que o presente de Tiger, que completa 40 anos esta quarta-feira, tem muito de passado e muito pouco de futuro, admitiu o próprio. “Ultimamente ando muito. E ando. E ando mais um bocado. Sou muito bom a jogar videojogos. Muito bom. A sério, é a fazer isso que passo praticamente todo o meu tempo”.

A confissão cândida de um dos melhores golfistas da história é dura de ouvir. Mas não surpreende quando se olha para o registo de Tiger nos últimos tempos: esta foi a pior época da sua carreira (está num incrível 413º lugar do ranking mundial) e não há maneira de conseguir livrar-se da lesão nas costas que o atormenta e que o obrigou a ser operado três vezes em pouco mais de ano e meio.

Pior: a gravidade da lesão não lhe permite sequer saber quando voltará a jogar. “Não tenho qualquer resposta sobre isso. Nem o meu cirurgião, nem o meu fisioterapeuta. Não há uma data prevista. É a parte mais difícil para mim. Não vejo nada de positivo para o futuro. Onde está a luz no fundo do túnel? Não sei.”

Um homem à deriva. Eis o “novo” Tiger Woods

Um homem à deriva. Eis o “novo” Tiger Woods

Kevin C. Cox/Getty

O último major que Tiger ganhou foi o US Open, em 2008. A partir daí, foi (quase) sempre a descer. Muito por culpa do escândalo que lhe mudou a vida no final de 2009. Woods, casado com a ex-modelo sueca Elin Nordegren desde 2004, foi crucificado pela comunicação social norte-americana quando se descobriu que tinha tido várias amantes.

Num mês, Woods pediu desculpa à família e aos fãs três vezes, em três comunicados, pelas “transgressões” que o obrigaram a “fazer um intervalo na sua carreira como golfista”. Os tablóides não o largaram, publicando fotos e mensagens das (mais de uma de dezena de) amantes quase diariamente.

A loucura foi tal que não se falava em mais nada nos EUA. “Para nós, a história foi melhor do que a morte do Michael Jackson”, disse então Carol Bartz, CEO da Yahoo, cujo site aumentou drasticamente o tráfego e as receitas de publicidade.

Tiger Woods e Elin Nordegren divorciaram-se em agosto de 2010, mas continuam a ser amigos

Tiger Woods e Elin Nordegren divorciaram-se em agosto de 2010, mas continuam a ser amigos

Harry How/Getty

Pelo contrário, para Tiger, a história foi o pior que lhe podia ter acontecido. Começou a perder patrocinadores (Accenture, Gatorade, General Motors, AT&T...) e foi arrasado pela opinião pública e até pelos colegas. Como Jesper Parnevik, que lhe tinha apresentado Elin Nordegren. “Disse-lhe que o Tiger era tudo o que ela queria num tipo: verdadeiro, honesto e com grandes valores. Enganei-me redondamente”.

No início de 2010, Tiger foi entrevistado pela primeira vez depois do escândalo e revelou que tinha estado a fazer terapia. “Pensei que podia fazer tudo o que queria. Sentia que tinha trabalhado no duro toda a minha vida e merecia aproveitar todas as tentações à minha volta. Graças ao dinheiro e à fama, as tentações estavam sempre ali. Errei”.

Em abril de 2010, voltou ao ativo, mas nunca mais ganhou um major. Pouco depois, divorciou-se de Elin Nordegren. “Olhando para trás, tenho pena de não ter tido uma relação mais honesta com ela. Ter a relação que temos hoje em dia é fantástico. É uma das minhas melhores amigas. Falamos ao telefone sempre que nos apetece. Ambos sabemos que as coisas mais importantes das nossas vidas são os nossos filhos. Quem me dera tê-lo percebido naquela altura”, confessou Tiger à “Time”.

Jack Nicklaus a dar umas dicas a Tiger Woods em 1996, ano em que o puto se tornou profissional, com 20 anos

Jack Nicklaus a dar umas dicas a Tiger Woods em 1996, ano em que o puto se tornou profissional, com 20 anos

J.D. Cuban/Getty

Sim, o golfe é importante. Sim, Woods queria ser melhor do Nicklaus. Mas agora... há outro Tiger. “Não quero deixar o golfe, sem dúvida. Não quero, digo isto com todo o meu coração. Mas agora as vidas dos meus filhos são muito mais importantes para mim. Se conseguir conciliar ambos os mundos, ótimo. Mas se só conseguir ter um, não será o golfe”. Foi bom enquanto durou.

  • O pecado de José e Eva

    Um homem, uma mulher e um grande problema: José Mourinho criticou Eva Carneiro e começou uma guerra no Chelsea - que acabou com dois momentos para esquecer: o despedimento de ambos. O Expresso apresenta nos próximos dias 10 acontecimentos desportivos de 2015 que mais vale esquecer em 2016

  • Nunca mudes, Vítor

    Vítor Pereira é um dos melhores treinadores portugueses. Não só dentro de campo, mas nas salas de imprensa, onde não deixa nada por dizer, mesmo depois de ser atacado numa invasão de campo para esquecer. O Expresso apresenta nos próximos dias os acontecimentos desportivos de 2015 que mais vale esquecer em 2016

  • Ela era a maior. Até ter ficado KO

    Ela chama-se Ronda Rousey e é provável que não a conheça. Mas esta norte-americana está para ficar, apesar de ter tido um momento para esquecer, quando a cara dela encontrou o punho de uma adversária. O Expresso continua a apresenta os 10 acontecimentos desportivos de 2015 que mais vale esquecer em 2016

  • O campeão de xadrez aldrabão

    Quando a bexiga apertava, não havia quem parasse Gaioz Nigalidze. O problema é que este campeão de xadrez não ia a correr sentar-se na sanita: ia fazer batota. O Expresso continua a apresentar os 10 acontecimentos desportivos de 2015 que mais vale esquecer em 2016

  • O melhor mesmo é não mexer um dedo

    Quase tudo pode acontecer num jogo de futebol, especialmente quando o árbitro está a olhar para o lado. Mas insultos, cabeçadas e dentadas são para meninos ao pé da criatividade de Gonzalo Jara, que teve um momento para esquecer quando enfiou um dedo no... bom, é melhor ver o vídeo. O Expresso continua a apresenta os 10 acontecimentos desportivos de 2015 que mais vale esquecer em 2016

  • Isso são coisas entre o Barça e o Madrid

    Kevin Roldán queria ser jogador mas acabou cantor. Só que foi o futebol a dar-lhe notoriedade mundial: cantou para os jogadores do Real Madrid, numa festa de aniversário para esquecer, e encantou os jogadores do Barcelona. O Expresso continua a apresentar os acontecimentos desportivos de 2015 que mais vale esquecer em 2016

  • Se não me deres este ponto, a nossa amizade acabou aqui

    O ano de 2015 no ténis teve dois protagonistas para mais tarde recordar - Serena Williams e Novak Djokovic - e um protagonista para deixar de lembrar o mais cedo possível - aqueles bate-boca nos courts. O Expresso continua a apresentar os acontecimentos desportivos de 2015 que mais vale esquecer em 2016

  • Ó doutor, isso dói

    Chamam-lhe ‘il dottore’ mas ele não cumpre o juramento de Hipócrates, porque o que lhe interessa é ganhar, mesmo que isso signifique ter momentos para esquecer, como despistar um adversário que o idolatra(va). O Expresso continua a apresentar os acontecimentos desportivos de 2015 que mais vale esquecer em 2016