Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

Ela era a maior. Até ter ficado KO

  • 333

Ronda Rousey (de preto) era favorita no combate com Holly Holm, mas saiu derrotada por KO

Quinn Rooney/Getty

Ela chama-se Ronda Rousey e é provável que não a conheça. Mas esta norte-americana está para ficar, apesar de ter tido um momento para esquecer, quando a cara dela encontrou o punho de uma adversária. O Expresso continua a apresenta os 10 acontecimentos desportivos de 2015 que mais vale esquecer em 2016

Se o estimado leitor é “Inácio” (que é como quem diz não é assinante da BTV) e não aprecia lutas, então é provável que não conheça Ronda Rousey. Mas vale a pena prestar atenção a esta norte-americana conhecida por ser uma das melhores lutadoras do UFC, campeonato de artes marciais mistas transmitido em Portugal pelo canal benfiquista.

Rousey é uma estrela em ascensão, ou não tivesse sido a segunda pessoa mais pesquisada no Google em 2015, depois de Lamar Odom e antes de Caitlyn Jenner (sim, é uma lista muitíssimo ligada à cultura norte-americana; já agora, por curiosidade, a personalidade estrangeira mais pesquisada em Portugal é Taylor Swift).

O ano de 2015 roçou a perfeição para esta jovem de 28 anos, que já tinha no palmarés uma medalha de bronze em judo, nos Jogos Olímpicos de 2008: não só ganhou os 12 combates que disputou no UFC até novembro e passou a ser a atleta mais bem paga (no feminino e no masculino) do campeonato, como entrou na cultura mainstream nos EUA, com presenças nos filmes “Velocidade Furiosa 7” e “Mercenários 3” e nos talk shows de Ellen DeGeneres e de Jimmy Fallon (neste último com um vestido que fez furor nas redes sociais).

Ronda Rousey podia ser só mais uma lutadora no meio de tantas outras, mas a verdade é que sem ela nem haveria outras lutadoras no UFC. É que, antes de Rousey, não havia UFC no feminino, com o presidente do campeonato, Dana White, a ser taxativo quando questionado sobre o assunto, em 2011: “Nunca vamos ver mulheres no UFC”.

Nunca digas nunca, especialmente ao pé de Rousey. “Sei que isto é sexista. Mas tenho de dizê-lo: olho para as mulheres e elas são lindas. Não quero ver uma mulher a levar um murro na cara. Nunca pensei, nem em sonhos, que as mulheres poderiam chegar ao nível competitivo em que estão hoje. Nunca pensei que aparecesse uma Ronda Rousey”, confessou White, já este ano.

Ela convenceu tudo e todos, espalhando feminismo pelo caminho. “As mulheres nos desportos de combate questionam as ideias convencionais do que deve ser uma 'mulher verdadeira'”, defendeu Ronda. “Há muita resistência em aceitar o facto de que não existem papéis para homens e papéis para mulheres. Existe apenas a vontade das pessoas. Não há que dividi-lo em quem pode fazê-lo. Acho que a luta é uma dessas fronteiras finais.”

Ronda não pede desculpa por não usar maquilhagem, dizer o que lhe apetece e não ter aspeto de “menina”, explicou. “Quando era mais nova via que os rapazes de quem gostava liam revistas com raparigas que não eram em nada parecidas comigo e pensava que nunca seria desejada”, contou à “Esquire”. “O despeito foi o meu grande motivador no início. Estava sempre tão zangada com tudo”, acrescentou a lutadora, que batalhou vários anos contra a bulimia, quando era mais nova.

Ronda Rousey com o seu ar mais feroz fora do octógono do UFC

Ronda Rousey com o seu ar mais feroz fora do octógono do UFC

PAUL CROCK/Getty

A luta sempre fez parte da vida de Ronda e das irmãs, uma vez que a mãe também foi judoca, como contou Rousey na sua autobiografia, “My Fight/Your Fight”, lançada este ano nos EUA. Mas a história da família Rousey nem sempre foi feliz, uma vez que o pai de Ronda cometeu suicídio quando ela tinha oito anos, depois de ter tido um acidente e de ter ficado a saber que nunca mais conseguiria andar.

O episódio foi usado pela adversária Bethe Correia, em agosto, para tentar desestabilizar Rousey antes do combate entre ambas: “Espero que ela [Ronda] não se mate depois de lutarmos”. A graçola correu mal a Correia: foi violentamente espancada por Rousey, que a deixou KO em apenas 34 segundos.

Voltamos ao início: o ano de 2015 roçou a perfeição para Rousey. Roçou... até 14 de novembro. Ronda era, como habitualmente, favorita para o combate com Holly Holm, mas foi surpreendida por uma série de murros (que lhe partiram alguns dentes) e um pontapé fortíssimo da adversária. E perdeu o título de campeã, contra todas as expectativas, naquela que foi a luta mais vista do UFC até então.

“Senti-me humilhada. A maneira como lutei foi uma vergonha. Nem sequer estava lá. Fiquei fodida. Preciso de voltar e de derrotar esta gaja”, admitiu Rousey à ESPN, depois da derrota.

Não terá de esperar muito: o tira-teimas entre Holm e Rousey já foi marcado para julho de 2016, naquele que será o maior evento do campeonato até hoje, diz o UFC. Ganhe quem ganhar, a luta já está ganha. Pelas mulheres, claro.

  • Nunca mudes, Vítor

    Vítor Pereira é um dos melhores treinadores portugueses. Não só dentro de campo, mas nas salas de imprensa, onde não deixa nada por dizer, mesmo depois de ser atacado numa invasão de campo para esquecer. O Expresso apresenta nos próximos dias os acontecimentos desportivos de 2015 que mais vale esquecer em 2016

  • O pecado de José e Eva

    Um homem, uma mulher e um grande problema: José Mourinho criticou Eva Carneiro e começou uma guerra no Chelsea - que acabou com dois momentos para esquecer: o despedimento de ambos. O Expresso apresenta nos próximos dias 10 acontecimentos desportivos de 2015 que mais vale esquecer em 2016