Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

Yvan Muller garante segundo lugar do campeonato

  • 333

Ao vencer a derradeira corrida da temporada e beneficiando do quarto lugar do seu compatriota Sébastien Loeb (Citroen C-Elysée), o francês Yvan Muller (Citroen C-Elysée) garantiu o segundo lugar do campeonato, com um ponto de avanço sobre o seu colega de equipa

O traçado de Losail foi palco da primeira jornada noturna do WTCC, com o argentino Jose Maria Lopez (Citroen C-Elysée) a dominar a primeira corrida. Alcançou a 10ª vitória da época e igualou o “record” de triunfos numa só temporada, confirmando assim a justiça da revalidação do título.

O marroquino Mehdi Bennani (Citroen C-Elysée) e o francês Hugo Valente (Chevrolet Cruze) completaram o pódio, com Sébastien Loeb a ser quarto, o que lhe garantia uma vantagem de 12 pontos sobre Yvan Muller, para a derradeira corrida.

Num traçado rápido (que penaliza os Honda), o português Tiago Monteiro (Honda Civic) foi oitavo, o que significou um ganho de três posições em relação à posição na grelha de partida.

Na segunda corrida, o francês John Filippi (Chevrolet Crzue) largou da “pole” depois de bater Tiago Monteiro por nove milésimos de segundo, mas rapidamente Yvan Muller chegou ao primeiro lugar, à frente do chinês Ma Qing Hua e do húngaro Norbert Michelisz (Honda Civic).

Apesar de todos os esforços, Sébastien Loeb repetiu o quarto lugar da primeira corrida e teve de contentar-se com o derradeiro lugar do pódio final, enquanto Tiago Monteiro, depois de um “desentendimento” com o bi-campeão mundial, terminou em nono. O português concluiu assim o campeonato em sétimo lugar, depois de ter sido quarto e o melhor “dos outros” durante a maior parte do campeonato, atrás dos Citroen de Jose Maria Lopez, Yvan Muller e Sébastien Loeb.

Tiago considerou que "a qualificação foi penalizadora" e disse que o facto de ter feito o 11º tempo condicionou o resultado. "Na primeira corrida arranquei bem, mas fiquei bloqueado e não consegui ir além do oitavo lugar, enquanto na segunda um toque de um adversário danificou uma das rodas traseiras e o carro ficou incapaz de ser guiado. Apesar disso, decidi continuar e o nono lugar foi o possível", disse.

"O balanço é positivo, mas na parte final da temporada houve alguns percalços. Fiz o melhor trabalho que podia, num ano duro e competitivo, mas gratificante. Vamos continuar a trabalhar", acrescentou o piloto português.

Classificações

Corridas

1.ª corrida – 1.º, Jose Maria Lopez (Citroen C-Elysée), 12 voltas (64,56 km), em 24.33,158 (159,2 km/h); 2.º, Mehdi Bennani (Citroen C-Elysée), a 7,361 s.; 3.º, Hugo Valente (Chevrolet Cruze), a 11,774 s.; 4.º, Sébastien Loeb (Citroen C-Elysée), a 12,717 s.; 5.º, Ma Qing Hua (Citroen C-Elysée), a 18,815 s.; …; 8.º, Tiago Monteiro (Honda Civic), a 22,700 s. Classificaram-se mais 10 pilotos.

2.ª corrida – 1.º Yvan Muller (Citroen C-Elysée), 14 voltas (75,32), em 32.47,712 (158,2 km/h); 2.º, Ma Qing Hua, a 5,264 s.; 3.º, Norbert Michelisz (Honda Civic), a 6,340 s.; 4.º, Sébastien Loeb, 7,243 s.; 5.º, Mehdi Bennani, a 7,788 s.; …; 9.º, Tiago Monteiro a 15,098 s. Classificaram-se mais sete pilotos

Classificação final do “Mundial”

1º, Jose Maria Lopez, 475 pontos;

2º, Yvan Muller, 357;

3º, Sebastien Loeb, 356;

4º, Ma Qing Hua, 241;

5º, Gabriele Tarquini, 197;...;

7º, Tiago Monteiro, 177.

Classificaram-se mais 16 pilotos

O futuro do WTCC

Em 2016, o WTCC poderá ter uma nova estrutura, caso o Conselho Mundial da FIA aprove a sugestão de François Ribeiro, o responsável do Eurosport, promotor da competição.

François Ribeiro pretende que a primeira corrida seja mais curta, com os dez primeiros lugares da grelha de partida invertidos, e que a segunda seja mais longa do que a primeira, com a grelha de partida a ser definida pelos resultados da qualificação.

Como as equipas, construtores e pilotos apoiam a proposta de François Ribeiro, tudo aponta para que a FIA altere o programa do WTCC.