Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

Mundial de ralis. Ogier fecha época com oitava vitória

  • 333

Clive Rose / Getty Images

Na cerimónia do pódio do Rali de Gales, os três primeiros, o francês Sébastien Ogier, o inglês Kris Meeke e o norueguês Andreas Mikkelsen trocaram o cerimonial com garrafas de champagne pela exibição da bandeira francesa

Pedro Roriz

No Rali de Gales que terminou este domingo, e com ele mais uma temporada do Campeonato do Mundo da espacialidade (WRC), o francês Sébastien Ogier somou a oitava vitória da época e 32.ª da sua carreira. Cruzada a linha de chegada, o tricampeão mundial e o seu navegador Julien Ingrassia, em homenagem aos mortos do atentado de Paris, exibiram uma bandeira francesa nas fotografias da praxe sobre o carroçaria do VW Polo R WRC que os levou ao triunfo.

Em declarações posteriores aos jornalistas, o piloto disse que “uma vitória é a melhor maneira de encerrar o ano”, mas logo acrescentou não haver “razões para festejar”. “Tenho outras coisas no pensamento, neste momento”, disse, referindo-se aos trágicos acontecimentos ocorridos em Paris.

Na cerimónia do pódio, os três primeiros, Sébastien Ogier, o inglês Kris Meeke (Citroën DS3 WRC), 2.º classificado e autor de uma excelente prova, e o norueguês Andreas Mikkelsen (VW Polo R WRC) trocaram o tradicional cerimonial com garrafas de champagne pela exibição da bandeira francesa.

A derradeira etapa do Rali de Gales, cumprida este domingo, ficou marcada pelo abandono do estónio Ott Tanak (Ford Fiesta RS WRC), em consequência de uma saída de estrada, logo na primeira classificativa do dia, quando era 4.º da geral.

A partir daí e face às difíceis condições de aderência dos pisos galeses, os pilotos limitaram-se a levar os carros até ao final. A Citroën logrou assim assegurar o 2.º lugar no Mundial de marcas, resultadoi que poderá ser determinante para a decisão quanto à continuidade do construtor francês no Mundial de ralis nos próximos anos.

O espanhol Dani Sordo (Hyundai i20 WRC) beneficiou do abandono de Ott Tanak para garantir o 4.º lugar à frente do neo-zelandês Hayden Paddon (Hyundai i20 WRC), seu colega de equipa, mas o bom resultado da marca sul-coreana não chegou para ultrapassar a Citroë. A marca francesa beneficiou ainda dos pontos somados pelo norueguês Mads Ostberg (Citroën DS3 WRC), que terminou em 7.º lugar penalizado pelo facto do fundo do carro ter rompido e a água e a lama terem invadido o habitáculo, tornando difícil a condução e utilização dos pedais, muito escorregadios.

No que respeita ao WRC2, o triunfo foi para o finlandês Teemu Suninen (Skoa Fabia S2000) que, na “power stage” suplantou o francês Eric Camilli . Este esteve a maior parte do rali no comando, mas viu o motor do seu Ford Fiesta R5 perder eficácia nessa classificativa, o que fez perder 40 segundos para o seu opositor, que acabou por triunfar por 19,2 segundos.

Classificação final:

1.º, Sebastien Ogier/Julien Ingrassia (VW Polo R WRC), 3h 3m 3 s
2.º, Kris Meeke/Paul Nagle (Citroën DS3 WRC), a 26 segundos
3.º, Andreas Mikkelsen/Ola Floene (VW Polo R WRC), a 36,2 s
4.º, Dani Sordo/Marc Marti (Hyundai i20 WRC), a 2m 51,3s
5.º, Hayden Paddon/John Kenard (Hyundai i20 WRC), a 3m 0,5s
6.º, Elfyn Evans/Daniel Barritt (Ford Fiesta RS WRC), a 3m 9,1s
7.º, Mads Ostberg/Jonas Andersson (Citroën DS3 WRC), a 4m 28,4s
8.º, Stéphane Lefebvre/Stéphane Prevot (Citroën DS3 WRC), a 5m 38,4s
9.º, Robert Kubica/Maciej Szczepaniak (Ford Fiesta RS WRC), a 6m 22,7s
10.º, Lorenzo Bertelli/Lorenzo Granai (Ford Fiesta RS WRC), a 8m 5s