Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

Sem campeões há 24 anos, Brasil já não gosta da Fórmula 1

  • 333

No Mexico, ao contrário do Brasil, o Grande Prémio foi recebido com entusiasmo

Mark Thompson/Getty

A modalidade-rainha do automobilismo de velocidade já não cativa audiências nem entusiasma os brasileiros. Na América Latina, pelo interesse que a modalidade tem despertado, o México pode vir a conquistar a ‘pole position’

Outrora seguida com dedicação absoluta e entusiasmo, a Fórmula 1 deixou de interessar aos brasileiros. Longe vão os tempos dos supercampeões Ayrton Senna ou Nelson Piquet. Sem estrelas no ativo, candidatas a vitórias nos Grandes Prémios ou em vias de, pelo menos, sonhar com isso, não há motivação para ajudar a formar novos fãs da modalidade e, assim, esta perde visibilidade também nos media.

O Grande Prémio do Brasil, que se realiza este fim de semana, torna evidente este declínio. Sendo Felipe Massa o melhor piloto brasileiro da atualidade - mas que em sete anos não ganhou uma prova - a Globo perdeu o interesse pela transmissão da corrida no seu canal por cabo.

O problema é reconhecido pelo próprio patrão da F1, Bernie Ecclestone, para quem o México está a tornar-se um mercado potencilmente mais atraente e lucrativo na América Latina.

Há duas semanas, quando aí se realizou pela primeira vez um Grande Prémio, o ambiente foi bem mais efusivo. Em contraste, o comentador residente da Globo para estas provas, Galvão Bueno, publicou no Instagram uma fotografia sua a assistir à corrida na Sport TV, canal da concorrência. “É muito estranho que depois de 40 anos esteja em casa a assistir a uma prova de Fórmula 1. Mas a TV Globo não a está a transmitir”, comentou.

Para piorar, a equipa Williams é patrocinada pela petrolífera estatal Petrobras, empresa envolvida num escândalo que inclui acusações de suborno multimilionários e colocou a Presidente brasileira Dilma Rousseff em maus lençóis. Muitos brasileiros perguntam qual o interesse da Petrobras em investir na Fórmula 1, deixando que a sua desconfiança em relação à petrolífera contamine a forma como olham também para a modalidade.