Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

Crianças a cabecear a bola no futebol? Nos EUA passa a ser proibido

  • 333

Crianças até aos 10 anos não poderão cabecear a bola em jogos de futebol ou mesmo durante os treinos

Daniel Boczarski / Getty Images

É a resposta da Federação norte-americana de futebol a uma ação judicial que referia o número crescente de concussões cerebrais em jogadores infantis e juvenis

Luís M. Faria

Jornalista

Crianças até aos 10 anos não poderão cabecear a bola em jogos de futebol ou mesmo durante os treinos. Caso tenham entre 11 e 13 anos, poderão fazê-lo apenas durante os jogos. Estas diretivas anunciadas esta terça-feira são a resposta da Federação de Futebol dos Estados Unidos (FFEU) a uma ação judicial interposta em 2014 por uma coligação de pais e de jogadores.

Preocupados com a quantidade de problemas médicos ligados às situações em que o jogador se magoa ao tentar projetar a bola com a cabeça - muitas vezes limitando-se a bater na cabeça do jogador adversário que procura fazer o mesmo - os autores da ação acusavam as ligas juvenis, e a própria FIFA, de serem negligentes com a saúde dos jovens. Ano e meio após a iniciativa judicial ser lançada, a FFEU reconheceu que a questão era legítima.

Além dos juniores e dos infantis, nos últimos anos tem havido situações bastante faladas de jogadores profissionais que sofreram traumas sérios durante jogos de futebol. Mesmo quando perdem a consciência, não é raro que logo a seguir continuem a jogar, seja por insistência própria ou por determinação do treinador. As regras do futebol não permitem substituições temporárias por motivos desse tipo ou outros.

O advogado que lançou a ação nos EUA, Steve Berman, anunciou que os fins da mesma foram atingidos e não faz sentido prosseguir no tribunal. Pela sua parte, a FFEU compromete-se a aperfeiçoar e concretizar os regulamentos, bem como a realizar um esforço permanente de educação em relação ao tipo de problemas em causa.

Segundo Berman, só no ano de 2010 verificaram-se comoções cerebrais em cerca de 50 mil jogadores juvenis, o que foi mais do que o total no conjunto de quatro outros desportos muito populares no país, incluindo basebol e basquetebol.