Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

Filipe Toledo vence etapa portuguesa do campeonato mundial de surf

  • 333

José Sena Goulão/ Lusa

O português Vasco Ribeiro, campeão mundial de juniores em título e presente na prova a convite da organização (recebeu um "wildcard"), conquistou o 3º lugar do pódio

Helena Bento

Jornalista

O brasileiro Filipe Toledo é o grande vencedor do Moche Rip Curl Pro Portugal 2015, a etapa portuguesa do campeonato mundial de surf. É a sua terceira vitória no campeonato este ano, depois de ter vencido em Gold Coast, na Austrália, e no Rio de Janeiro.

Toledo, que disputou a final com o seu compatriota Ítalo Ferreira (é ele a grande revelação do campeonato deste ano, com o título de "rookie" do ano já garantido), está agora a 200 pontos do australiano Mick Fanning, que lidera a tabela e pode vir a sagrar-se campeão mundial pela quarta vez. A final do campeonato disputa-se em dezembro, no Havai.

Esta 7ª edição do Moche Rip Curl Pro Portugal fica ainda marcada pela prestação do português Vasco Ribeiro, que fez história em Peniche ao conquistar o 3º lugar. É o segundo surfista português a conseguir chegar ao pódio numa prova do circuito mundial de surf, atrás de Tiago Pires ("Saca"), que foi terceiro em três ocasiões (Austrália, Bali e França).

Vasco Ribeiro, campeão mundial de juniores em título, qualificara-se na manhã desta sexta-feira para as meias-finais da prova, ao vencer o francês Jeremy Flores, 9º no ranking mundial, mas foi depois derrotado por Ítalo Ferreira, que se estreou este ano no circuito mundial de surf e já é 8º na tabela).

Frederico Morais, ou "Kikas", outros dos portugueses em prova (Tiago Pires foi eliminado na segunda ronda pelo brasileiro Adriano de Souza), e graças a um convite da organização, ficou-se pelos quartos-de-final, depois de ter sido eliminado pelo norte-americano Brett Simpson num "heat" muito disputado. Kikas ficou apenas a 0,08 pontos do seu adversário.

Em entrevista aos jornalistas, o surfista português disse que estava "pouco convencido com a eliminação", tendo ido, aliás, conversar com os juízes assim que terminou a bateria. "Estou pouco convencido, mas é assim mesmo, os campeonatos são assim. Dependemos muito do mar e de outras decisões, mas eu sei que fiz o que pude, surfei bem”.

  • Nuno Jonet: “Quando os surfistas acharem que estou xexé, eu paro. Até lá, vou continuar”

    Nuno Jonet é um dos comentadores do campeonato de surf em Peniche. Já esteve em todos os locais onde passa o circuito mundial de surf, à exceção das ilhas Fiji, e já lhe aconteceu quase tudo: provas em plena tempestade, com a praia virada do avesso, choques elétricos, curtos-circuitos e ter de tirar pessoas da água por causa de tubarões. Tem 63 anos e só vai deixar de ser comentador quando os surfistas acharem que está “xexé” e que já não diz “coisa com coisa”. O Expresso está em Peniche a acompanhar a 10ª e penúltima etapa do campeonato mundial de surf