Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

Mar “flat” pára Mundial de surf em Peniche

  • 333

É a sexta vez que a competição fica parada devido ao estado do mar, mas os organizadores da etapa portuguesa do circuito mundial de surf têm altas expectativas relativamente aos próximos dias

A organização da etapa portuguesa do circuito mundial de surf manteve esta quinta-feira a competição parada, pela sexta vez desde o início do período de espera, na praia de Supertubos, em Peniche.

"É provavelmente o pior dia deste período de espera, mas os próximos dois são promissores, por isso vamos voltar a conferir as condições amanhã (sexta-feira) de manhã", afirmou o comissário da Liga Mundial de Surf (WSL) Travies Logie.

A organização agendou nova chamada para sexta-feira, às 6h45, em Supertubos, 'palco' de três dias da competição, entre sexta-feira e domingo. O Moche Rip Curl Pro Portugal, da 10.ª e penúltima etapa do circuito mundial, também já contou com quatro 'heats' disputados na praia do Molhe Leste, na terça-feira.

Assim que for retomada a competição, o 'wild-card' português Vasco Ribeiro, campeão do mundo de juniores, vai tentar juntar-se a Frederico Morais nos quartos de final, no terceiro 'heat' da quinta ronda frente a Michel Bourez, da Polinésia Francesa, 23.º do 'ranking' mundial, antes de o brasileiro Gabriel Medina, detentor do cetro mundial, defrontar o havaiano Keanu Asing.

'Kikas', também 'wild-card' no campeonato penicheiro, vai disputar o acesso às meias-finais frente ao norte-americano Brett Simpson, 34.º do circuito.

Também nos 'quartos', o brasileiro Filipe Toledo vai defrontar o australiano Joel Parkinson, enquanto o francês Jeremy Flores aguarda o resultado da repescagem entre Vasco Ribeiro e Bourez e o 'canarinho' Italo Ferreira o vencedor do embate entre Medina e Asing.

O período de espera do Moche Rip Curl Pro Portugal decorre até sábado.

  • Nuno Jonet: “Quando os surfistas acharem que estou xexé, eu paro. Até lá, vou continuar”

    Nuno Jonet é um dos comentadores do campeonato de surf em Peniche. Já esteve em todos os locais onde passa o circuito mundial de surf, à exceção das ilhas Fiji, e já lhe aconteceu quase tudo: provas em plena tempestade, com a praia virada do avesso, choques elétricos, curtos-circuitos e ter de tirar pessoas da água por causa de tubarões. Tem 63 anos e só vai deixar de ser comentador quando os surfistas acharem que está “xexé” e que já não diz “coisa com coisa”. O Expresso está em Peniche a acompanhar a 10ª e penúltima etapa do campeonato mundial de surf

  • A ascensão meteórica de Ítalo Ferreira

    Ítalo Ferreira tem 20 anos e garantiu no domingo o título de "rookie" do ano, ao conseguir passar à quarta ronda do Moche Rip Curl Pro Portugal. Ele e outros brasileiros que competem no circuito mundial de surf dão rosto à chamada "Brazilian Storm", termo que designa a nova geração de surfistas que se têm afirmado nos melhores lugares do ranking mundial. O Expresso está em Peniche a acompanhar a 10ª e penúltima etapa do circuito mundial de surf

  • A experiência dos últimos sete anos provou que a loucura tem vários níveis. A maioria das pessoas vai senti-la na forma de uma multidão que parece omnipresente. Estará na praia e fará desaparecer a areia: no ano passado foram mais de 100 mil pessoas em todos os dias de prova.