Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

Será que o surf português já encontrou os seus “heróis”?

  • 333

Frederico Morais, surfista português de 23 anos

WSL/Poullenot

Frederico Morais e Vasco Ribeiro eliminaram Mick Fanning (número um do ranking e campeão mundial três vezes) e o surfista brasileiro Adriano de Souza, que ocupa a segunda posição no ranking

Helena Bento

Jornalista

Os portugueses Frederico Morais e Vasco Ribeiro fizeram este domingo aquilo que nenhum outro surfista português conseguiu fazer na história do Moche Rip Curl Pro Portugal, etapa português do campeonato mundial de surf, ao vencerem, respetivamente, o número um e dois do ranking mundial de surf.

Depois de em 2013 ter vencido em Peniche o norte-americano Kelly Slater (11 vezes campeão mundial), Frederico Morais, conhecido por "Kikas", voltou a fazer história ao vencer Mick Fanning (surfista australiano, campeão mundial em 2007, 2009 e 2013), que viu assim cair por terra a hipótese de vir a sagrar-se campeão mundial já em Peniche, na praia de Supertubos. Frederico terminou a prova ("heat") com uma pontuação de 16,03 e apurou-se para a quarta ronda, que se disputa ainda este domingo ao fim da tarde.

Também Vasco Ribeiro, campeão mundial de juniores em título, que compete pela primeira vez no circuito mundial de surf, graças a um convite da organização (recebeu, tal como Frederico, o chamado "wildcard", que permite a surfistas que não competem na liga mundial de surf participar em provas do campeonato), surpreendeu o público em Peniche ao vencer o brasileiro Adriano de Souza (conseguiu 14,36 pontos).

Apesar de não terem arruinado as hipóteses de Fanning e Adriano serem campeões mundiais, Frederico e Vasco conseguiram complicar as contas e tornar ainda mais renhida a luta pelo título. A etapa final do campeonato será disputada no Havai, em dezembro.

Numa entrevista ao Observador, no dia da conferência de imprensa de apresentação do evento, Francisco Spínola, responsável pela organização, disse que a única coisa que faltava ao surf português eram "os heróis". "Tivemos durante muitos anos o Tiago Pires lá sozinho no meio, um guerreiro, a lutar sempre. Agora esse campeão está fora do 'world tour' e precisamos urgentemente de um português no circuito", disse, explicando que esteve recentemente no Brasil, numa competião com praia cheia "e diretos na Globo para não sei quantos milhões de brasileiros" e que isso aconteceu porque os brasileiros têm os seus heróis. Será que Portugal também já encontrou os seus?

  • O médico trata do corpo e ele trata da alma

    Nuno Rosário é o capelão da liga mundial de surf na Europa. Tem como função “servir” os surfistas, as suas famílias, o treinador, o pessoal da organização e quem mais precisar, “independentemente da fé”. Não se impõe. Ouve, conversa e “conforta”. O Expresso está em Peniche a acompanhar a 10ª e penúltima etapa do campeonato mundial de surf

  • Júlio Adler: “98% dos surfistas estão sempre a perder”

    Júlio Adler, ex-surfista profissional (foi campeão carioca em 1990), é um dos mais respeitados jornalistas de surf. Vive no Brasil, mas todos os anos vem a Peniche assistir à etapa portuguesa do campeonato mundial de surf. Diz que há um antes e um depois de 2009 (ano em que o evento se realizou pela primeira vez em Portugal) e que, embora as pessoas não falem sobre isso, a verdade é que a maior parte dos surfistas que viaja para outros países para competir sofre derrota atrás de derrota. É o outro lado do surf, esse desporto “tão sedutor”. O Expresso está em Peniche a acompanhar a 10ª e penúltima etapa do campeonato mundial de surf