Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

GP de Singapura. Sebastian Vettel (Ferrari) na “pole position”

  • 333

EDGAR SU/REUTERS

Foi preciso chegar à 13.ª prova do ano e ao traçado citadino do Marina Bay Street Circuit, cenário do GP de Singapura, para um Mercedes, não só, “pole”, mas também, na primeira linha da grelha

Coube ao alemão Sebastian Vettel (Ferrari), o único a rodar no segundo “43”, assegurar pela primeira vez este ano a “pole position”. O australiano Daniel Ricciardo (Red Bull/Renault) assegurou o outro lugar na primeira linha da grelha, com o alemão a interromper a série de 23 “poles” consecutivas da marca alemã.

A segunda linha é também partilhada pela Ferrari (Kimi Raikkonen) e Red Bull/Renault (Daniil Kvyat), com os Mercedes a serem relegados para a terceira linha da grelha.

E se já ontem, nos treinos livres, a Ferrari e a Red Bull tinham estabelecido as melhores marcas, hoje, no treino livre matinal, Sebastian Vettel estabeleceu o melhor tempo, à frente do finlandês Kimi Raikkonen, seu colega de equipa. Ferrari e Red Bull, que viram os seus pilotos colocar-se nos lugares imediatos, davam a entender que estavam preparadas para aproveitar o dificil traçado de Singapura para bater a Mercedes.

E foi isso que aconteceu na qualificação, com o alemão a assumir de forma clara a sua superioridade, perante a impotência da Mercedes, que não teve “argumentos” para repôr “a ordem”.

O facto de Singapura ser um circuito não permanente, onde as condições de aderência se alteram a cada minuto, como consequência do aumento da borracha no asfalto, faz com que os pilotos tenham de ser rápidos na adaptação às circunstâncias. E, ao contrário do que tem sido habitual, os pilotos da Mercedes sentiram dificuldades inesperadas, nunca estando em posição de discutirem as primeiras posições.

Amanhã, na corrida e num traçado onde as ultrapassagens são dificeis, Sebastian Vettel está em excelente posição para alcançar a segunda vitória do ano, muito embora Daniel Ricciardo possa ser um “osso duro de roer”. É que, dadas as particularidades do circuito, os motores Renault parecem ter encontrado uma eficácia que não tinham demonstrado ao longo do ano.

Mas o GP de Singapura, para além de decorrer num circuito citiadino, tem a particularidade de ser corrido à noite, o que aumenta as dificuldades e potencia as possibilidades de haver uma surpresa.

Grelha de partida, oficiosa:

1.º linha – Sebastian Vettel (Ferrari), 1.43,885; Daniel Ricciardo (Red Bull /Renault), 1.44.428;

2.ª linha – Kimi Raikkonen (Ferrari), 1.23,631; Nico Rosberg (Mercedes), 1.44,667; Daniil Kvyat (Red Bull/Renault), 1.44.475,;

3.ª linha – Lewis Hamilton (Mercedes), 1.45,300; Nico Rosberg (Mercedes), 1.45,415;

4.ª linha – Valtteri Bottas (Williams/Mercedes), 1.45,676; Max Verstappen (Toro Rosso/Renault), 1 45,798;

5.ª linha – Felipe Massa (Williams/Mercedes), 1.46,077; Romain Grosjean (Lotus/Mercedes), 1.46,413;

6.ª linha – Nico Hulkenberg (Force India/Mercedes), 1.46,305; Fernando Alonso (McLaren/Honda), 1.46,328;

7.ª linha – Sergio Perez (Force India/Mercedes), 1.46,385; Carlos Sainz (Toro Rosso/Renault), 1.46,894;

8.ª linha – Jenson Button (McLaren/Honda), 1.47,019; Felipe Nasr (Sauber Ferrari), 1.46,965;

9.ª linha – Marcus Ericsson (Sauber/Ferrari), 1.47,088; Pastor Maldonado (Lotus Renault), 1.47,323;

10.ª linha – Will Stevens (Marussia/Ferrari), 1.51,021; Alexander Rossi (Marussia/Ferrari), 1.51,523