Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

Grande Prémio F1 de Itália. Mercedes sem oposição

  • 333

Lewis Hamilton durante as sessões de treino, em Monza

Dan Istitene/Getty Images

O traçado italiano de Monza é, no domingo, o palco da derradeira corrida da temporada europeia de F1 e, a exemplo do que sucedeu em Spa-Francorchamps, o domínio continuará a ser da Mercedes

De olhos postos em Itália, e com a certeza do domínio da Mercedes, no circuito de Monza, domingo, fica por saber se o inglês Lewis Hamilton mantêm a superioridade, que tem patenteado, ou se o alemão Nico Rosberg consegue regressar ao lugar mais alto do pódio. Quanto à concorrência, vai voltar a ficar “looooonge”.

Monza é o traçado mais rápido do calendário da F1 e nessas circunstâncias os “flechas de prata” são quase imbatíveis, a menos que algum dos seus pilotos cometa algum erro ou se no muro das “boxes” alguém errar na estratégia.

A correr “em casa” e apesar de apoiada pelos milhares de “tiffosi”, que acorrem ao circuito, a Ferrari deverá ter como objectivo conquistar o derradeiro lugar do pódio, com o alemão Sebastian Vettel, o único que ousou derrotar os “Mercedes boys” esta temporada, a parecer mais capaz de concretizar tal vontade do que o finlandês Kimi Raikkonen.

A Lotus chega ao traçado italiano moralizada pelo terceiro lugar do francês Romain Grosjean em Spa, resultado que pode ter contribuido para a Renault avançar com a compra da equipa e assegurar a sua continuidade, uma vez que as dificuldades financeiras levaram, já, a que Bernie Ecclestone, o patrão da F1, tivesse avançado com uma avultada soma para o pagamento do salário dos elementos que trabalham em Enstone.

E se na Lotus há esperança do futuro poder ser melhor, na McLaren/Honda nada parece poder mudar, antes, ao que tudo indica, da corrida de Suzuka, onde, a “jogar em casa”, a marca nipónica prepara a apresentação das últimas novidades técnicas que têm sido desenvolvidas pelos responsáveis nipónicos, com a esperança de que o espanhol Fernando Alonso e o inglês Jenson Button possam passar a discutir lugares na Q2 e nos pontos.

No que diz respeito à “dança de pilotos”, foi confirmada a continuação ao alemão Nico Hulkenberg, na Force India, que poderá vira contar com o venezuelano Pastor Maldonado, caso o mexicano Sergio Perez vá para a Lotus caso a Renault concretize a intenção de compra.

Por sua vez, o belga Stoffel Vandoorne poderá vir a substituir Jenson Button, na McLaren, com o dinamarquês Kevim Magnussen a ser, também candidato ao lugar, caso a equipa não confirme a continuidade do inglês até ao GP de Singapura, ou seja até à próxima prova.

Classificações dos “Mundiais”, antes da prova italiana:

Pilotos

1.º, Lewis Hamilton, 227 pontos

2.º, Nico Rosberg, 199

3.º, Sebastian Vettel, 160

4.º, Kimi Raikkonen, 82

5.º, Felipe Massa, 82

6.º, Valtteri Bottas, 79

7.º, Daniil Kvyat, 57;

8.º, Daniel Ricciardo, 51

9.º, Romain Grosjean, 38

10.º, Max Verstappen, 26

11.º, Sérgio Perez, 25

12.º, Nico Hulkenberg, 24

12.º. Felipe Nasr, 16

14.º, Pastro Maldonado, 12

15.º, Fernando Alonso, 11

16.º, Carlos Sainz, 9

17.º, Marcus Ericsson, 7

18.º, Jenson Button, 6

Construtores

1.º, Mercedes AMG Petronas F1 Team, 426 pontos

2.º, Scuderia Ferrari, 242

3.º, Williams Martini Racing, 161

4.º, Infiniti Red Bull Racing, 108

5.º, Lotus F1 Team, 50

6.º, Sahara Force Índia F1 Team, 49

7.º, Scuderia Toro Rosso, 35

8.º, Team Sauber F1, 23

9.º, McLaren/Honda, 17