Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

“Chico-espertismos” de “um deslumbrado”. Benfica processa Jesus em €7,5 milhões

  • 333

JOSÉ SENA GOULÃO/ LUSA

Benfica não pagou mesmo o último salário a Jorge Jesus e avança para os tribunais, pois entende que, pelo contrário, deve receber a cláusula de rescisão por violação de contrato. Ao Expresso, João Gabriel acusa Jesus de “chico-espertismo” e de ser “um deslumbrado que acha que o mundo gira todo à volta dele, que entende que é melhor que Mourinho mas nunca conseguiu nada de relevante na Champions”.

O Benfica vai processar Jorge Jesus, reclamando uma indemnização de 7,5 milhões de euros, revelou ao Expresso João Gabriel. O diretor de comunicação do clube da Luz confirma que o último salário de Jesus não foi pago. E explica porquê.

“Seria estranho o Benfica pagar um mês em que um seu funcionário não apenas não trabalhou mas, pior, trabalhou para outra entidade”, declara João Gabriel. “Mas não é apenas isto que está em causa, a verdade é que, perante um contrato válido, houve uma das partes que o denunciou de forma unilateral e sem justa causa, portanto o Benfica vai agir na defesa dos seus interesses pela via que dispõe, que é a via judicial”.

O não pagamento do salário no último mês de Jesus no Benfica foi revelado na noite deste domingo por Rui Santos na SIC Notícias, mas ainda não havia sido oficialmente confirmado. Contactado pelo Expresso, João Gabriel mostra que a questão é mais profunda: “O Benfica quer que o seu ex-treinador que denunciou de forma unilateral o contrato que o vinculava ao clube pague a cláusula indemnizatória correspondente e que estava estipulada no contrato.” Ou seja, “sete milhões e meio” de euros.

O tom do diretor de comunicação é, pois, jurídico. “Se há lei e contratos eles devem ser respeitados e cumpridos.” Mas rapidamente se torna também revelador do mal-estar na Luz sobre o seu antigo treinador, que se transferiu para o rival Sporting no final da época: “Um contrato não deve ser encarado de forma leviana e com o chico-espertismo de quem acha que tudo lhe é permitido. O Benfica é um clube e uma sociedade anónima escrutinada pelos seus sócios e acionistas. Cabe à administração exigir a todos os seus trabalhadores o escrupuloso cumprimento dos deveres inscritos na lei e respetivos contratos”.

A decisão é, pois, justificada como tratando-se de um dever fiduciário da administração na defesa do interesse dos acionistas: “Sendo pública a rutura contratual por parte de um dos seus funcionários, não poderia o Benfica deixar de agir na defesa dos seus direitos. Ninguém compreenderia que assim não fosse”. O Benfica considera que a ação é viável e diz estar munido de provas para sustentar o processo judicial. “Não nos baseamos só em factos, mas igualmente em prova abundante”.

A questão jurídica há de centrar-se na data de início do trabalho de Jorge Jesus no Sporting, cujo contrato é datado de 1 de julho. “Não foi o que publicitaram”, contra-argumenta Gabriel. “De facto, quem está oito horas a trabalhar em Alcochete é porque executa um contrato de trabalho, ou acha que o presidente do Sporting, em declaração pública feita com pompa e circunstância, anuncia em 5 de junho Jesus como treinador do Sporting sem haver um contrato? Há matéria factual, esta e muita outra, a justiça dirá quem tem razão. É normal que se recorra aos tribunais quando há divergências e entendimentos diferentes, é o que faremos na defesa dos interesses do Sport Lisboa e Benfica.”

Os SMS aos jogadores

O clima entre Benfica e Jorge Jesus agudiza-se, depois de uma semana em que foram noticiadas mensagens escritas enviadas por Jorge Jesus a jogadores do Benfica que teriam tido a intenção de os desestabilizar antes do jogo entre com Sporting para a Supertaça, que o Sporting venceu. As mensagens foram confirmadas por Jesus, mas o seu conteúdo desestabilizador desmentido. Foram apenas mensagens entre amigos, retorquiu Jesus, que ameaçou revelar mensagens que também recebeu de jogadores do Benfica, o que criou especulação de que seriam queixas em relação a Rui Vitória, sucessor de Jesus no clube das Águias.

“O assunto transpareceu, não devia ter acontecido”, responde João Gabriel. “Não porque tudo o que foi relatado não tenha acontecido, mas porque já o tínhamos acautelado e não teve importância no decorrer dos trabalhos de preparação do Benfica”. O diretor de comunicação defende a equipa: “A única coisa que há a destacar neste episódio já foi dito pelo nosso treinador: foi o caráter e o profissionalismo dos nossos jogadores”. Gabriel lamenta a visibilidade que o jornal que noticiou o caso lhe deu: “Não temos é culpa que o ‘Correio da Manhã’ entenda que o caso merece tantas manchetes como mereceu a queda do BES há um ano.”

É neste clima de acrimónia que surge agora um processo judicial. João Gabriel nega, no entanto, que o processo seja mais um passo na escalada depois da história dos SMS. “Uma coisa não tem nada a ver com a outra”, garante. “Se lhe disse que existe um diferendo é porque é um processo que já tem muitas semanas, e só é conhecido agora porque na passada sexta-feira foi comunicado aos representantes legais de Jesus que não havia espaço para qualquer tipo de acordo, que iríamos para tribunal”. Gabriel insinua que, sabendo Jesus do processo, tenha havido uma manobra de comunicação. “É curioso ver a forma como a primeira pessoa a dar a notícia e já hoje – ‘fontes próximas de Jesus’ – coloca a notícia, dando o Benfica como incumpridor. O Benfica cumpriu sempre, mas exige idêntico comportamento dos seus funcionários.”

Jesus, “um deslumbrado”

O Benfica está com a régua numa mão mas garante que não tem a borracha na outra: Jesus não será esquecido. Pelas boas e pelas más razões. “Ele tem o seu lugar na história no Benfica ganhou três campeonatos em seis possíveis. Portanto, ele será recordado por isso, merece ter aqui o lugar que conquistou, que não haja nenhuma dúvida em relação a isso”, desabafa João Gabriel. Que logo de seguida ataca: “Mas não é por ter ganho três títulos de campeão nacional e por poder continuar a ganhar fora daqui, não é por isso que deixa de ser um deslumbrado que acha que o mundo gira todo à volta dele, que entende que é melhor que Mourinho mas nunca conseguiu nada de relevante na Champions, que vê os seus jogadores e adjuntos como peças descartáveis, que acha que todos têm a aprender com ele, mas ele não tem nada a aprender de ninguém…” E não era assim na Luz? “Claro que era, mas quando estamos casados com alguém temos de aceitar e calar os defeitos e as faltas de caráter. Mas esse dever termina quando o casamento chega ao fim.”

O casamento chegou ao fim. O divórcio é litigioso. Será decidido nos tribunais.