Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

Benfica: três jogos, três derrotas

  • 333

Fernando Marçal (direita) e Filip Djuricic: o desaire perante um golo perdido

JASON SZENES/EPA

A vantagem inicial da equipa da Luz foi anulada por sucessivos falhanços, que o New York Red Bulls soube aproveitar a seu favor

Um Benfica pouco inspirado na finalização sofreu este domingo frente aos New York Red Bulls o terceiro desaire em três jogos na Internacional Champions Cup, ao perder por 2-1, em Harrison.

A exemplo do que sucedeu frente ao Paris Saint-Germain (2-3), o conjunto comandado por Rui Vitória esteve a vencer, desta vez com um tento madrugador de Pizzi (sete minutos), mas acabou derrotado, com muitos falhanços pelo meio.

Os encarnados desperdiçaram oportunidades para 'todos os gostos' e ainda ofereceram a igualdade -- Luisão isolou Bradley Wright-Phillips, aos 33 minutos -, perdendo ainda por culpa de um 'grande' golo de Mike Grella, aos 56.

Em relação ao jogo com a equipa ‘viola’ (0-0 nos 90 minutos e 4-5 nas grandes penalidades), Rui Vitória manteve apenas Luisão, Samaris e Jonathan Rodríguez e estreou na equipa principal Ederson (ex-Rio Ave), Nélson Semedo (atuava na equipa B) e Adel Taarabt (ex-Queens Park Rangers).

O Benfica entrou com Nélson Semedo, Luisão, Lisandro López, e Sílvio, à frente de Ederson, um meio campo com Samaris e Pizzi, ao meio, e Carcela e Ola John nos extremos, e um ataque com Taarabt nas costas de Jonathan Rodríguez.

Mais rodada (19 jogos no seu campeonato), a equipa da casa entrou determinada e pressionante, perante um Benfica sem coletivo, mas a marcar no primeiro ataque, aos sete minutos, com Pizzi a isolar-se e a bater Robles com classe.

Com o golo, o conjunto de Rui Vitória cresceu e começou a criar sucessivas ocasiões para aumentar a vantagem, mas Carcela (16 e 33 minutos), Taarabt (17 e 29) e Jonathan (18 e 21, na segunda vez isolado) não conseguiram marcar.

O segundo tento encarnado parecia iminente, mas, aos 33 minutos, foram os norte-americanos a chegar ao empate: após uma falha de quem menos se esperava, do 'capitão' Luisão, Wright-Phillips ficou sozinho e não perdoou.

Wright-Phillips podia ter bisado, aos 39 minutos, tal como Pizzi, já nos descontos da primeira metade, num livre indireto muito perto da baliza.

Para a segunda metade, Rui Vitória trocou Ola John e Taarabt por Gonçalo Guedes e Djuricic, enquanto o treinador dos Red Bulls mudou nove peças, com uma delas, Mike Grella, a marcar um golão, de fora da área, aos 56 minutos.

O Benfica tinha reentrado melhor, só que voltou a falhar na finalização, por Djuricic (46 minutos), Luisão (50) e Jonathan (52), tendência que se manteve após o golo - voltaram a não acertar o sérvio (58) e o uruguaio (60).

Aos 66 minutos, entraram Talisca, Jonas e Gaitán, que, segundos depois esteve na origem de novo falhanço de Djuricic, um dos muitos na parte final. Marçal, também em estreia, desperdiçou a mais flagrante, aos 83.