Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

Auditoria à gestão do Sporting implica ex-gestores

  • 333

Expresso revela análise à gestão do SCP. E uma “tendência crescente e vertiginosa”. Um retrato polémico

Negócios imobiliários decididos à porta fechada. Derrapagens nos custos. Receitas que não abatem dívidas. Passivo galopante. Dirigentes que trabalham para empresas contratadas. Fornecedores sem contratos. Comissões altas de jogadores. A auditoria de gestão ao Sporting está pronta, vai ser apresentada este domingo aos sócios e põe em causa equipas de gestão do passado, denunciando irregularidades sem concretizar indícios criminais. O nome de Godinho Lopes é o mais citado. E o principal caso é o da construção do estádio.

Bruno de Carvalho cumprirá assim a promessa eleitoral de publicar os resultados de uma auditoria de gestão aos últimos anos do Sporting, cuja legalidade já foi questionada por ele próprio. A auditoria, realizada pela Mazars, vai da presidência de Santana Lopes e José Roquette (junho de 1995) ao final do mandato de Godinho Lopes (março de 2013). O Expresso teve acesso aos documentos de síntese, que evidenciam um contraste: no final de 1994, o Sporting tinha um património imobiliário de €55 milhões e uma dívida bancária quase inexistente; a meio de 2013, o património imobiliário era quase inexistente e a dívida bancária ascendia a €331 milhões.

Passivo descontrolado

De 1995 a 2013 foram feitos negócios imobiliários no valor de €174 milhões. Mas as receitas “não permitiram, ao contrário do que foi anunciado de forma sucessiva nas Assembleias Gerais, reduzir significativamente o passivo bancário do Grupo SCP nem financiar os avultados investimentos dos projetos de construção do novo estádio e do centro de estágio”. Em vez disso, as receitas foram sobretudo encaminhadas para a equipa de futebol, em que foram investidos, naquele período, €261 milhões. Os financiamentos apresentaram uma “tendência crescente e vertiginosa”, implicando “uma deterioração constante da situação económico-financeira” do Sporting.

Derrapagem no estádio

O novo estádio de Alvalade foi construído num terreno ao lado do velho estádio, mas o projeto inicial era ser no mesmo local. A mudança foi feita “em manifesta contradição com o PDM da cidade de Lisboa”. “Da análise efetuada nos diversos documentos”, diz a auditoria, “não se apresenta como claramente identificada a razão”. Mas sabe-se a consequência: “Significativos atrasos na alienação de património com o consequente impacto financeiro negativo.”

A construção do estádio havia sido entregue em 1997 a um consórcio constituído pela Ballast Nedam Internacional, Somague e Teixeira Duarte. O acordo foi rescindido no ano 2000, alegando-se falta de acordo quanto ao preço. O Sporting assumiu a gestão das empreitadas, recorrendo aos serviços da Kaiser Engenharia. E indemnizou o consórcio em €2,2 milhões. 

Em 2000, a perspetiva era de que o Alvalade XXI custasse €106 milhões. O custo final do Alvalade XXI ascendeu a €184 milhões, mais 74%. O desvio de €80 milhões deveu-se sobretudo a empreitadas com os 21 principais fornecedores, incluindo as construtoras Alves Ribeiro, Novopca e Opca. Dos 21 empreiteiros, a auditoria não encontrou “evidência que suporte a escolha do fornecedor por parte da entidade fiscalizadora da obra” em 13: Ambisider, Ballast, Earth Teach, Fernando Branco, GRID, IBM, Martifer, Philips, Tecnovia, Tomás Taveira, MRB, Sono e Monte Meão.

Conflitos de Godinho?...

Quando o Sporting celebrou o acordo com o consórcio com a Somague, Godinho Lopes era administrador da construtora. Mais tarde, Godinho Lopes passa a administrador do Sporting, deixando a Somague. É precisamente “nessa mesma altura que se resolve o acordo com o consórcio e se assume a gestão direta da obra”.

... E de Gaspar Ferreira?

A mudança de local deixou vazio o terreno onde estava o velho José de Alvalade. Este terreno foi entretanto vendido à MDCI, Multi Development Corporation, hoje controlada pelo Blackstone. A mudança significou prejuízos para o SCP, até porque a área edificável reduziu-se de 149 mil para 109 mil metros quadrados. “De salientar, ainda, que as negociações com a MDCI foram conduzidas pelo administrador Diogo Gaspar Ferreira, administrador esse que, mais tarde, em 2003, transita para diretor da MDCI”.

O fracasso do Alvaláxia

O negócio da Silcoge passou pela venda de património não desportivo, onde se inclui o Alvaláxia, o Holmes Place ou o edifício administrativo, e não rendeu o previsto. A auditoria defende mesmo a invalidade devido à “deliberação da Assembleia Geral que fixou o âmbito e conteúdo da delegação de poderes no Conselho Leonino para autorizar o negócio e a deliberação deste órgão que autorizou o negócio”. Estava estimado um encaixe de €50 milhões que não se verificou. A deliberação do Conselho Leonino, de 16 de novembro de 2006, é questionada por não ter havido um parecer prévio do Conselho Fiscal e Disciplinar. A auditora levanta também dúvidas sobre os contratos de intermediação que renderam comissões à Silfidúcia e à Dignidade e Firmeza.

Postos de combustíveis

Há avaliações contrárias no negócio de cessão e exploração de dois postos de combustível em Lisboa, na Avenida Gago Coutinho e na Avenida Santos e Castro. O Sporting recebeu menos do que o valor de mercado.

Academia

Foi considerado um negócio em linha com “os valores praticados no mercado para transações efetuadas em condições e circunstâncias idênticas ou aproximadas”. Tratou-se da aquisição do prédio em Alcochete onde veio a ser instalado o centro de estágios por um preço de €498,8 mil. O financiamento, contratado com o BCP em dezembro de 2000, serviu inicialmente para a aquisição, mas dois meses depois foi transformado em quase €6 milhões a pagar em pouco mais de 16 anos.

Alvalade e construz

Os negócios da Quinta de Alvalade (venda de lotes junto ao estádio) e da Construz (lotes em Telheiras Norte) foram realizados por valores em linha com o mercado. No entanto, ambos devem ser considerados inválidos por não terem parecer prévio do Conselho Fiscal e Disciplinar e por ter havido intermediação que rendeu comissões de €200 mil (no conjunto dos dois negócios) sem que tenha sido encontrado qualquer contrato.

SGPIS

A venda da participação de 50% que o Sporting tinha na SGPIS, empresa que gere parques de estacionamento, não teve autorização em Assembleia Geral, como impõem os estatutos do SCP. O encaixe foi de €1,89 milhões.