Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

“A onda era esquerda, como ele gosta.” Hora de surfar, porque estamos a fazê-lo melhor

  • 333

Nos ISA World Surfing Games, na Nicarágua, Portugal conquistou o 2º lugar na competição de surf. Nicolau Von Rupp (na foto) conquistou a prata a nível individual

FOTO DR

Palavra de quem sabe: há uma nova geração no surf português - a armada lusa - que dá esperança e que já triunfa. Vamos a isto

A seleção portuguesa de surf conquistou no domingo o 2.º lugar nos ISA World Surfing Games, que decorreram na Nicarágua de 31 de maio a 7 de junho. Apesar de não se tratar da “1ª liga” do surf, a World Surf League (WSL) é contudo uma grande vitória para o surf nacional, que se afirma como uma potência crescente.

A Costa Rica foi a grande vencedora da competição, mas Portugal subiu ao pódio para receber a prata, enquanto os EUA asseguraram o bronze. Nicolau von Rupp foi o atleta português com a melhor prestação a nível individual, tendo ficado em 2.º lugar. Aos 24 anos, filho de pai alemão e mãe portuguesa, estreou-se neste campeonato como atleta da selecção. “É o melhor resultado da minha vida até agora. Portugal nunca teve uma selecção tão forte com potencial internacional.”

Durante 10 anos, Portugal teve uma estrela – Tiago Pires, mais conhecido por “Saca” - a competir no circuito profissional de surf (três anos no WQS e sete anos no WCT). Mas o surfista da Ericeira anunciou que 2015 seria o seu último ano de competições.

Neste momento, há sete portugueses – o maior número de atletas nacionais de sempre – a disputar os “primes” para tentarem qualificar-se no WSL. Mas os resultados, que só surgirão no final do ano, são ainda uma incógnita.

No ranking internacional, o surfista português mais bem posicionado é Vasco Ribeiro (que no ano passado foi campeão mundial de juniores), na 45ª posição. Em 67.º lugar, aparece o segundo atleta português mais bem classificado: Frederico “Kiko” Morais. E em 100.º está Nic Von Rupp – que garante gostar de “pensar por passos, ‘round a round’”, mas tem fé na sua entrada no WSL: “Se aumentar 50 pontos, qualifico-me”.

“Se tivesse que apostar”, Nicolau poria “as fichas no Vasco Ribeiro, no Kikas, no Zé Ferreira e no Tomás Fernandes” como os atletas lusos que acredita terem boas hipóteses de se qualificarem no campeonato profissional de surf. Pelo facto de serem “um grupo”, com “mais apoio”, von Rupp acredita que a equipa lusa tem hoje “mais possibilidades” do que nunca.

Este ano, Portugal tem 7 atletas a lutarem para se qualifcarem no World Surf League

Este ano, Portugal tem 7 atletas a lutarem para se qualifcarem no World Surf League

Pedro Mestre

"Armada lusa"
O presidente da Federação Nacional de Surf, João Aranha, que assumiu funções há dois anos, acredita que esta vitória de Portugal também se deve à nova estratégia assumida.

“Nestes dois anos, assumimos uma opção por um determinado caminho no surf. Criámos critérios de seleção diferentes para os atletas, avaliando-os ao longo do ano. Criámos uma equipa nacional, da qual se filtra depois a seleção nacional (a equipa de surf conta 30 elementos, a seleção nacional levou seis atletas à Nicarágua)”. E, por último, mudou-se de selecionador - agora o cargo é de David Raimundo.

Para Aranha, “a prestação do Nicolau não foi surpresa nenhuma. Era para mim uma aposta segura. Além disso, a onda era esquerda, como ele gosta…”, acrescenta. Em seu entender, são os “primes” que vão ditar a sorte nas classificações, lá para o fim do ano. Mas sobre a nova geração de surfistas portugueses, defende: “Temos finalmente uma armada lusa”.

A vitória de Portugal surge numa altura em que são conhecidas as candidaturas a novas modalidades olímpicas para os Jogos de Tóquio em 2020 – em que o surf se inclui. Ao lado de desportos como o polo, o sumo ou o karaté, o surf vai tentar entrar no prestigiado “clube olímpico”.

Os critérios são “a popularidade da modalidade” (não parece ser problema), a “aceitação entre os jovens” (idem, aspas) e o seu potencial para promover o espírito olímpico”, explica o presidente do comité organizador, Yoshiro Mori.

A decisão será revelada em vésperas dos Jogos Olímpicos de 2016. Para começo de conversa, isso representaria um enorme acréscimo de orçamento para o surf nacional.