Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

O homem à esquerda deu-nos mais uma medalha (e esteve quase a ser o homem ao centro)

  • 333

Fernando Pimenta (à esquerda) exibe a sua medalha de prata, ao lado do alemão Max Hoff (ouro) e do dinamarquês Rene Holten Poulsen

SERGEY DOLZHENKO / EPA

Fernando Pimenta ficou à esquerda na foto porque a prata é dele - e só não foi o homem do meio, o do ouro, por 200 milésimos de segundo. Há canoagem e Jogos Europeus nesta notícia

O canoísta Fernando Pimenta está "supercontente" com a medalha de prata conquistada em K1 1000 nos primeiros Jogos Europeus, no Azerbaijão, embora reconheça que poderia ter alcançado o ouro. 

"Fico satisfeito pela prova que fiz e pelo lugar. Mesmo sabendo que (a diferença para o vencedor) são 200 milésimos de segundo. Se tivesse acreditado um pouco mais, se calhar conseguia ganhar, mas o alemão ainda está num patamar superior. Ainda no domingo bateu o seu recorde do mundo", justificou esta segunda-feira o canoísta português.

Esta foi a segunda medalha de Portugal nos Jogos Europeus, depois da prata conquistada por João Silva no triatlo, no domingo. E Fernando Pimenta espera que esta medalha "sirva de entusiasmo para a equipa nacional (de canoagem) e restante equipa lusa nos Jogos Europeus". 

"Agora vou descansar ao máximo, usufruir da medalha, do momento. Foi com agrado que vi o João Silva conseguir a medalha de prata. Deu-me outra motivação. É uma medalha bonita e se um português já tinha conseguido, eu também podia", comentou no final da prova realizada na manhã desta segunda-feira.

O canoísta português revelou-se ainda entusiasmado pelo facto de ter "subido um patamar" competitivo, já que foi bronze no Campeonato da Europa e agora prata, num pódio com os mesmos intervenientes: o mesmo campeão, Max Hoff, da Alemanha, e o dinamarquês Rene Poulsen, com quem trocou de lugar.

"Tenho vindo a melhorar. O ano passado levava dois segundos para o primeiro. No Europeu já foram menos de dois, tal como nas Taças do Mundo. Agora melhorei a diferença para o primeiro. Já subi mais um lugar no pódio", congratula-se.

Questionado sobre se pode sonhar com o ouro no Campeonato do Mundo em agosto, que decorre em Milão e apura para os Jogos Olímpicos, Pimenta é claro: "Tudo pode acontecer. Na canoagem não há invencíveis. Somos todos seres humanos. O nível de competição é muito alto e saudável". 

O canoísta admitiu uma "sensação estranha" antes da prova, assumindo estar "bem fisicamente, mas um pouco nervoso, apreensivo". "Olhei para o lado e vi grandes tubarões, medalhados em Mundiais e Jogos Olímpicos. Foi esquisito, mas foi bom", explicou.

Quanto à prova, falou em boa largada, controlo da liderança a meio e depois foi "aguentar a reação" dos adversários, sabendo que quem o acompanhou no pódio são atualmente os mais temíveis e que fazem apenas K1 1.000 e não K4, como Pimenta.

Agora, o canoísta quer descansar para tentar voltar ao pódio esta terça-feira, no K4, ao lado de João Ribeiro, Emanuel Silva e David Fernandes. 

"Primeiro é usufruir do momento até ao final da manhã, depois recarregar baterias. À tarde, treino ligeiro para ganhar novamente a sensação do K4. Amanhã é outro dia. Esperamos estar os quatro supermotivados e carregados da energia positiva dos portugueses", concluiu.