Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

FIFA. Parlamento Europeu quer nomeação de líder interino para substituir Blatter

  • 333

Jerome Vaclke, secretário-geral da FIFA, rejeitou quaisquer irregularidades nos processos de atribuição da organização dos Mundiais de futebol à Rússia e ao Qatar

MAXIM ZMEYEV

Para os eurodeputados, a corrupção que existe dentro da FIFA é "sistémica e profundamente enraizada" e tem "prejudicado seriamente a integridade" do futebol internacional.

O Parlamento Europeu discute esta quarta-feira, em Estrasburgo, uma moção conjunta de todos os grupos parlamentares que defende que a FIFA encontre um líder interino que substitua no imediato Joseph Blatter.

A moção, a que a Lusa teve acesso, será votada na quinta-feira, e é esperado que passe no hemiciclo europeu já que este é um documento conjunto dos grupos parlamentares, que assim juntaram os vários contributos num único documento.

Para os eurodeputados, a corrupção que existe dentro da FIFA é "sistémica e profundamente enraizada", o que leva os membros do Parlamento Europeu a considerarem que o organismo que gere o futebol internacional tem "prejudicado seriamente a integridade" deste desporto.

Nesse sentido, defendem que a comissão executiva da FIFA tem de levar a cabo reformas para trazer a transparência e regras claras à organização, "incluindo na eleição do seu novo presidente".

Depois da demissão de Joseph Blatter como presidente da FIFA, que os deputados saúdam, estes defendem que não fique no cargo até às próximas eleições. Por isso, defendem, deve ser nomeado um novo nome no imediato.

"Apela a FIFA para selecionar, de uma forma transparente e inclusiva, um líder interino apropriado para substituir imediatamente Joseph Blatter", lê-se na moção conjunta.

O escândalo na FIFA rebentou quando, a 27 de maio, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos indiciou nove dirigentes ou ex-dirigentes e cinco parceiros da FIFA, acusando-os de associação criminosa e corrupção nos últimos 24 anos, num caso em que estarão em causa subornos no valor de 151 milhões de dólares (quase 140 milhões de euros).

A acusação surgiu depois de o Ministério da Justiça e a polícia da Suíça terem detido sete membros da FIFA, num hotel de Zurique.

Dois dias depois, apesar do escândalo, Joseph Blatter, de 79 anos, foi reeleito para um quinto mandato à frente do organismo, mas acabou por se demitir. As próximas eleições para a FIFA deverão ocorrer entre dezembro de 2015 e março de 2016.

A moção debatida esta quarta-feira no Parlamento Europeu conta, para já, com 11 propostas de emendas, como as propostas apoiadas pela deputada do Bloco de Esquerda, Marisa Matias, que incidem sobre as condições dadas aos imigrantes que trabalham nos estádios e infraestruturas para o mundial de 2020 no Qatar. Destacam, em especial, o serem obrigados a trabalhar sob temperaturas na ordem dos 50 graus Celsius.

Segundo a Confederação Internacional de Sindicatos, citada na emenda, entre 2011 e maio deste ano já morreram cerca de 2000 imigrantes no Qatar.

Os processos de atribuição da organização dos Mundiais de futebol de 2018 à Rússia, e em 2022 ao Qatar, foram polémicos, tendo esta quarta-feira o secretário-geral da FIFA, o francês Jerome Valcke, rejeitado quaisquer irregularidades nesse processo.