Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

Apagões da história

Stalin tinha por hábito mandar "apagar" os comissários caídos em desgraça.

DR

Na Luz, os apagões fazem parte do histórico, sejam eles literais ou figurados. E hoje entrou mais um para a lista. Não sabemos se a luz faltou na loja do Benfica, mas alguém "apagou" Jorge Jesus. Conheça mais alguns casos pelo mundo fora

Em bom rigor, o treinador bicampeão não foi apagado, mas retirado do pódio da equipa, na loja. Jesus foi retirado e deixou um buraco. Mas o buraco é mais simbólico que outra coisa, porque o lugar no museu Cosme Damião e na história do Benfica já está mais do que assegurado. 

Os benfiquistas ferrenhos não esquecerão tão cedo aquele que ajudou a escrever o número 34. Mas os restantes portugueses que visitem a loja daqui a (muitos) dias, quando a espuma dos dias se dissipar, talvez questionem a ausência do treinador. 

Outros apagões históricos

A mesma questão que poderíamos colocar ao olhar de forma mais distraída para algumas imagens da História (sim, hoje não parece, mas o mundo não se restringe à 2ª Circular...) 

Apagar amigos que viraram inimigos das fotografias também era uma prática apreciada para lá dos Urais. Na Rússia, Joseph Stalin tinha por hábito mandar "apagar" os comissários caídos em desgraça.  

E não era uma prática que se limitava às equipas políticas. O cosmonauta russo Grigoriy Nelyubov também foi apagado da foto de grupo da equipa de cientistas e pilotos, liderada por Yuri Gagarin, o primeiro homem no espaço. 

E mais adiante, na China, Mao Tsé-Tung também era adepto de apagões: mandou remover Po Ku, dirigente do Partido Comunista.   

Poderíamos dar outros exemplos mais, mas hoje a maré é vermelha e verde.