Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

A saída de Jesus: os 6 milhões de Vieira, a chamada rejeitada e o avião para Paris

  • 333

Pé ante pé, Jesus fez o seu caminho até Alvalade

REUTERS

J. J. não gostou da proposta de Vieira, não entrou no jogo de Jorge Mendes, não quis apanhar um avião para Paris na terça-feira - e disse não mesmo quando o Benfica subiu a parada

Esta é a história de um agente que é um super-agente, de um presidente que quer ser um super-presidente, e de um treinador que se acha um super-treinador. Mas não é uma história com super-ação ou sequer de superação - é negócio, mais ou menos puro e sobretudo duro.

E começa assim:A FIFA decidiu em dezembro de 2014 que os fundos de investimento eram má rês e proibiu-os e isso pôs Jorge Mendes (o agente que é super-agente) a pensar na vida. Sem empresas sediadas em moradas com códigos postais de países exóticos, Mendes teria de encontrar outra forma para fazer os seus negócios. E foi então que se pôs a trabalhar com clubes pequenos nos quais poria os seus jogadores para depois poderem ser emprestados paro outro lugar qualquer. 

RUI DUARTE SILVA

É que, legalmente, um futebolista está dividido em dois: metade dele são direitos económicos; metade são direitos desportivos. Portanto, um tipo pode ser do Rio Ave e estar no Mónaco - Fabinho, por exemplo.

Ora, Mendes tem ativos no Benfica e precisa de potenciá-los mas a sua vontade sempre bateu de frente com a de Jorge Jesus, que nunca engoliu conselhos porque ele é que sabia. Ele é o treinador que se acha o super-treinador. E é por se achar assim e por outros também pensarem de igual forma, que Luís Filipe Vieira começou a repensar a sua aliança com J.J. Na cabeça de Vieira, a massa atribui os três campeonatos a Jesus e não a ele - e, isso, ele não gosta. Foi então que o presidente do Benfica se juntou a Jorge Mendes e ambos propuseram a Jesus uma saída pela porta grande - para um clube grande. Da Europa. E como Mendes era capaz de milagres - o maior deles, pôr Bebé no Manchester United - presidente e treinador chegaram a acordo. Até que desacordaram.

LUÍS BARRA

As propostas de Mendes vinham de sítios desconfortáveis para J.J. (falar inglês será sempre uma barreira). Recusou-as. Uma a uma. Da China, do Médio Oriente, da Turquia. Jesus queria o topo mas o topo não o queria a ele. Às tantas, Vieira ter-lhe-á dito que o comboio não passava duas vezes e que o melhor era apanhar o vagão dos milhões. Jesus disse não às ofertas e aos valores de renovação de Vieira (€2 milhões brutos, metade do que ganhava). Porque se sentiu desrespeitado. E porque na mão tinha um telemóvel e no telemóvel estavam mensagens de um intermediário que o juntou a Bruno de Carvalho.  

O Sporting entrou na corrida e Jesus, que gosta de viver por cá, que já não é novo, que tem o pai num lar em Caneças, e que é, enfim, sportinguista, ficou interessado. Só que Vieira nunca pareceu muito interessado em ouvir essa história, que lhe pareceu irreal e irrealizável, e nunca subiu a parada. Até que, na quarta-feira passada, 27 de maio, mudou o sentido da agulha e disse à SAD que Jesus devia manter o salário.  

Veio a Taça da Liga, que o Benfica conquistou, e a Taça de Portugal, que o Sporting venceu, e, na segunda-feira, Vieira disse a Jesus que lhe daria os €4 milhões mas que, ainda assim, deveria ouvir Jorge Mendes. E J.J., que reconhece o apoio presidencial no ano em que tudo perdeu, sentiu-se desprotegido. 

REUTERS

No dia seguinte, Vieira aconselhou Jesus a apanhar um avião para Paris onde estava Mendes com gente do AC Milan, Inter e Nápoles mas o treinador recusou. "Não vou lá fazer nada." Na quarta-feira, deixou de atender chamadas, de responder a SMS, e ignorou um último avanço de Vieira: €6 milhões.  

Na cabeça de Jesus, foi o Sporting que fez Vieira chegar-se à frente. E o treinador não voltou atrás.

  • Vieira sobre Jesus: "Aqui não há insubstituíveis"

    Luís Filipe Vieira lança farpas a Jorge Jesus sem nunca mencionar o seu nome. E na primeira vez que fala publicamente após a saída do técnico garante que ainda não tem um sucessor, mas apenas um perfil: "Vou procurar, com tempo e sem pressa, um treinador de caráter"