Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

FIFA. Al-Hussein desiste, Blatter reeleito

  • 333

LEONHARD FOEGER / Reuters

Suíco permanece à frente da FIFA, que está em pleno turbilhão com detenções e escândalos de corrupção. Blatter não venceu à primeira volta, mas esteve quase - ficou a sete votos de o conseguir. Logo de seguida, Al Bin Al-Hussein anunciou que desistia - agradeceu o apoio e coragem dos que votaram nele e retirou-se da corrida.

Quando tudo apontava para uma segunda volta na corrida à presidência da FIFA, eis que Ali bin Al-Hussein desiste. Joseph Blatter já agradeceu a atitude do seu adversário e de todos os que votaram nele. E prometeu uma "FIFA mais forte" no final do seu mandato, em 2019.

Na primeira-volta, Blatter recolheu 133 votos contra 73 para Al-Hussein, não tendo sido reeleito por escassos sete votos. Com efeito, os estatutos da Federação Internacional de Futebol exigem dois terços dos 209 votos que compõe o colégio eleitoral, para que um presidente possa ser eleito logo à primeira volta. ou seja, 140 votos.

No breve discurso de vitória, Blatter começou por cumprimentar o seu adversário, reconhecendo que Ali bin Al-Hussein até poderia ter conquistado mais votos se tivesse avançado para segunda volta. E mais não falou no seu adversário.

Reconheceu que a FIFA tem “problemas organizacionais” a nível do Comité Executivo onde urge “conseguir uma melhor representação das diferentes confederações”. “E precisamos de mulheres neste Comité. Não podemos apenas continuar a cooptá-las”, acrescentou.

O presidente reeleito assumiu ainda a responsabilidade de “trazer a FIFA de volta” e disse ao 65.º congresso, reunido em Zurique, na Suíça, que estava convencido de que todos juntos “conseguiriam fazê-lo”. "Temos de trabalhar em conjunto", insisitiu.

“A idade não vai ser um problema. Posso garanti-lo”, prosseguiu Blatter, de 79 anos. “Conheço pessoas com 50 anos que parecem velhos”, acrescentou para logo pedir desculpa aos delegados: “Não sabia que havia aqui tantas pessoas com 50 anos”, disse em jeito de brincadeira.

"Não sou perfeito. Ninguém é perfeito. Mas tenho a certeza de que em conjunto faremos um bom trabalho", reamtou Blatter.


  • Manifestantes palestinianas interrompem congresso da FIFA

    Numa reunião que já se adivinhava controversa não faltaram os incidentes. Duas palestinianas conseguiram invadir o local do evento da FIFA, apelando à exclusão de Israel do organismo, enquanto um pequeno grupo de pessoas se manifestou no exterior contra as más condições laborais no Qatar.