Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

UEFA pediu a Blatter para se demitir e levou com um não. "Mas ele vai ser vencido"

  • 333

HANNIBAL HANSCHKE / Reuters

Platini anuncia que a maioria das associações europeias de futebol vai votar no príncipe jordano Ali bin Al-Hussein. E revela diálogo com Blatter: "Confrontei-o com o que se está a passar e disse-me que não sabia de nada sobre aquilo. Ficou chocado".

O presidente da UEFA, Michel Platini, disse esta quinta-feira que pediu a Joseph Blatter para desistir da corrida à liderança da FIFA em nome da "transparência" da organização, mas garantiu que não vai boicotar as eleições desta sexta-feira.

"Pedi-lhe para se demitir. Ele ouviu-me e disse-me que era demasiado tarde. Mas Blatter vai ser vencido. A maioria das federações europeias de futebol vai votar em Ali bin Al-Hussein para liderar a FIFA. Espero o voto de cerca de 53 associações, no mínimo 44", declarou Michel Platini, em conferência de imprensa.    

O líder da UEFA disse acreditar que o príncipe  jordano tem "qualidades" para assumir o comando do orgão máximo que rege o futebol mundial, sendo também essa a convicção da maioria das associações europeias da modalidade.

Platini adiantou ainda que Blatter lhe garantiu não ter conhecimento sobre nada do que está em causa sobre o alegado esquema de corrupção, que resultou na detenção an quarta-feira de sete responsáveis na FIFA num hotel em Zurique. "Tantos escândalos já agitaram a Fifa, o organismo não merece ser tratado assim. Confrontei-o e disse-me que não sabia de nada sobre aquilo. Ficou chocado". 

Sobre Blatter e os responsáveis detidos da FIFA, Platini defendeu que o líder da FIFA tem qualidades e defeitos, sendo preciso separar o trigo do joio no organismo. "Tal como todos os futebolistas que fizeram coisas boas e más, ele [Blatter], como presidente da FIFA, fez coisas boas e coisas más. Em todos os lugares há momentos bons e menos bons, há sempre gente que defende os interesses do futebol, FIFA e da sua seleção, e outros não."

Questionado sobre se estava arrependido por não ter concorrido à presidência da FIFA, Platini respondeu que não: "Não me arrependo de não ser candidato. Seria difícil bater-me contra um amigo como Blatter, não tenho muita tendência para essa postura. Além do mais, o meu futebol é o da Europa. Não me arrependo".


  • Liliana Coelho

    Jornalista no Expresso desde 2009. Licenciada em jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social, começou nestas andanças na revista Exame depois de um estágio na agência Lusa. Naturalmente curiosa gosta sobretudo de comunicar. Fazer perguntas. Ouvir e contar 'estórias' de todas as formas, daí o prazer de fazer jornalismo multimédia e mostrar a atualidade aos leitores.