Siga-nos

Perfil

Expresso

Desporto

Manuel Vilarinho numa entrevista depois de jantar. Já não há presidentes assim

  • 333

Manuel Vilarinho e Luís Filipe Vieira na assembleia geral do Benfica em que se decidiu fazer um novo Estádio da Luz

Ana Baião

O presidente do Benfica entre 2000 e 2003 esteve esta quinta-feira à noite no programa "4x4x3", da RTP Informação, naquilo a que se pode chamar "entrevista épica", onde ironizou com ele próprio a propósito do episódio do "depois de jantar". Confira o que disse o antecessor de Luís Filipe Vieira sobre Jesus, Marco Silva, Mourinho e Pinto da Costa.

Senhoras e senhores, Manuel Vilarinho.

O despedimento de José Mourinho do Benfica
"Já estou farto de contar essa história, já toda a gente sabe. Ele contou no livro. [pausa] Mas vou contar, pronto. O Mourinho ganha 3-0 ao Sporting. O Benfica não jogava nada. Tinha uma equipa que era uma porcaria, até eu era capaz de ter lugar, ou pelo menos era um suplente muito utilizado. É que não jogavam nada, nem tinham forma de jogar, porque não havia matéria-prima. E o senhor Mourinho, que é um excelente treinador e condutor de homens - é meio bruxo - consegue mudar aquelas mentalidades. O defesa esquerdo, o David... o Luís... como é que ele se chamava? O Diogo Luís, isso, estava convencido que era o melhor defesa esquerdo do mundo. E quando uma pessoa está convencida, é muito melhor do que é. O senhor Mourinho ganha 3-0 ao Sporting sem saber ler nem escrever, aquilo aconteceu. E isto é um sábado. Segunda-feira temos reunião da direção e aparece ali o Mozer [adjunto de Mourinho], estranhei. E o senhor Mourinho diz isto: ou me renova o contrato mais um ano ou amanhã já não dou o treino. Ele nunca gostou de mim, não sei porquê, devia pensar que eu não gostava dele."

"Ao Mourinho respondi-lhe: então 'faxavor' vamos fazer contas e vai-se embora. Eu nunca mais tinha mão naquilo assim." 

"E os tempos eram muito difíceis. Aquela banda que apoiava o Vale e Azevedo e que me fazia esperas e que me dava porrada no carro e aquela porra toda, desculpem lá as expressões mas eu sou minhoto. Este [Mourinho] vai já, pensei. Nunca sonhei que ele viesse a ser o que é."

O plantel do Benfica entre 2000 e 2003
"Vocês não se lembram... Tínhamos um defesa direito que era cego, tinha 20% num olho e 30% no outro. Não digo os nomes, depois vocês vão ver quem é. O defesa esquerdo, que era o único que sabia um bocadinho jogar à bola, era maluco. Um dos centrais tinha a espinha fixada, não fazia assim [cabeceia uma bola imaginária a mexer o pescoço] e o outro, que era bom jogador, internacional espanhol, tinha menos três milímetros numa perna. Era o Marchena, o melhor de todos. E ainda tínhamos um suplente que não sabia jogar à bola, que era o Rojas, um paraguaio que era com cada charutada. [Jorge Andrade, um dos comentadores do programa, interrompe: "Acho que você não percebe mesmo nada de futebol, peço desculpa. Você tinha grandes jogadores, o Marchena foi campeão mundial"] Mas eu disse que ele jogava bem. Só que era coxo. [Jorge Andrade: "E tinha o Caneira"] Afinal quem não percebe nada disto é você [risos]."

Quando tentou voltar a contratar Mourinho ao Leiria
"Vou ver se faço as pazes com ele. Mas o Mourinho tem um feitio complicado, muito complicado... e agora que está rico ainda tem mais. Estávamos a acertar mas ele não queria o Jesualdo [Ferreira] na equipa técnica. As direções a que eu pertenci, como dirigente do Benfica durante 17 anos, já tinham despedido o Jesualdo duas ou três vezes. E já não tinha coragem para despedir mais vezes, pronto! Já chegava. Isto já passa os limites. É uma excelente pessoa, não é malandro. E estive a tentar convencer o Mourinho, mas ele dizia que não. E ele já estava a negociar com o Porto."

"Mesmo que seja o melhor do mundo, o clube não acaba. Não acabou com a falta de Eusébio, nem com a minha, nem com a do Luís Filipe [Vieira]".

A relação com Pinto da Costa
"Dava-me muito bem com ele. Até que ao fim de três meses de ser presidente do Benfica, ele disse uma coisa que não tem jeito nenhum. Perguntaram-lhe sobre o presidente do Benfica e ele diz "mas isso foi antes ou depois do almoço?" Nunca mais lhe falei nem lhe falo. E porque é que ele disse isto? Porque ele sabia quem eu era e sabia que o Benfica ia renascer das cinzas, ah pois! Como o outro, também inventou que eu era bêbado, nas eleições. Levou 67-33%. Os bêbados é que são bons [risos]. É tudo mentira. Um bêbado pode falar assim? E acabei de jantar [risos]."

Vale e Azevedo, o presidente condenado
"Como presidente do Benfica constrange-me vê-lo na prisão, como homem, não. O Benfica foi formado por onze orfãos da Casa Pia, gente pobre - não posso falar nisto que começo a chorar. [emociona-se] Roubar o Benfica é pior do que roubar a família!"

"Aquilo era um monstro televisivo mas não valia nada. Cheguei lá e dei-lhe um bailinho. Mas não gosto de rever aquele debate, fiz uma figura de mal criado e não sou assim."

"O Benfica nunca acabava, podia era demorar mais a levantar-se. Já passaram 14 anos e ainda não chegou."

"Temos de ter cuidado agora, porque se o Luís Filipe se cansa, é uma chatice, porque o Benfica está apetecível."

A decisão de Luís Filipe Vieira de manter Jorge Jesus com treinador no final da época passada

"Fez ele muito bem. Porque a gente é que tem a responsabilidade e andamos a reboque dos outros, não?"

"O presidente está há 11 anos, já deve ser um recorde, e o treinador há seis anos. Isto é que faz os resultados. Se cada vez que se perde se põe o treinador na rua - olhe o do Manchester, o Ferguson, alguém vai bater os recordes dele?"

Jesus vai fica na próxima época?
"Jesus pode ser ou não ser [treinador do Benfica na próxima época], não sei. Em termos pessoais e em termos de pessoa [sic], em termos de homem, em termos de grande treinador, gosto muito do Jesus. Mas um dirigente de um grande clube não pode estar preso a amores [...] Ele pode não caber nos projetos e nas necessidades e naquilo que tem de ser feito."

"Para mim a dupla mantém-se. Mas as estratégias empresariais mudam de acordo com os tempos. E com os tempos modernos então muito mais depressa."

"Não sei se Jesus fica e é a primeira vez que o digo. Os tempos estão a apertar, não estão? [É questionado se gosta de Marco Silva] Até lhe posso dizer que gosto, mas não sou o presidente. Gosto como pessoa. Como treinador, os resultados não são... acho que até são bons. Mas não gosto de me imiscuir nos problemas dos outros. Mas é um homem educado, diz as coisas de outra maneira, não é aquela coisa tudo a gritar. Mas o presidente é que tem de escolher."

"Em função da política desportiva escolhida [presume-se que esteja a falar da aposta em jovens da formação do Benfica], que é escolhida pelo presidente, pode não ser o treinador indicado."

"Temos de ter coragem de tomar decisões. Que podem não agradar ao princípio, mas agradarão no final. Porque não há hipótese de manter este tipo de vida."

"Repare, o Benfica tinha dois sponsors do melhor que havia: o BES e a PT. De repente acabam. Uma pessoa de bom senso tem de mudar a estratégia. Se não vai-se engarrafar e depois tem culpa. Disse-lhe tudo. Nós vivemos num período muito grave da nossa economia e o futebol sofre. Portanto há que mudar a vida."

"Agora o presidente é que sabe. O Jorge Jesus dá para tudo. Mas quer? Não quer, então tem de arranjar outro. Se for essa estratégia que estou a pensar [de aposta na formação]."

O jogo de domingo contra o Vitória de Guimarães, que pode dar o título ao Benfica
"Ia com o presidente mas afinal não posso. Esqueci-me que a minha netinha faz anos e tem lá uma festa em casa, que agora um gajo está velho e eles marcam a casa do avô e nem dizem nada. E depois o avô tem de aguentar".