19 de abril de 2014 às 13:32
Página Inicial  ⁄  Economia  ⁄  Deputado alemão aconselha Itália a vender reservas de ouro

Deputado alemão aconselha Itália a vender reservas de ouro

De modo a reduzir a sua dívida, Gunther Krichbaum, deputado alemão, propôs que a Itália vendesse parte das suas reversas de ouro.
Lusa

O presidente da comissão de assuntos europeus do parlamento alemão, Gunther Krichbaum, propôs hoje à Itália que venda as suas reservas de ouro para reduzir a elevada dívida pública, e atenuar assim a pressão sobre a zona euro.

"Através de uma venda de ouro, que atualmente está muito valorizado, a Itália poderia baixar significativamente a sua dívida soberana", disse o político democrata cristão hoje ao jornal Rheinische Post.Krichbaum lembrou que Roma dispõe de elevadas reservas de ouro, "e é adequado utlizá-las agora", acrescentou.

Alguns políticos alemães também sugeriram, na primavera passada, que Portugal vendesse as suas reservas de ouro, avaliadas em €13 mil milhões, para reduzir a sua dívida pública.

A proposta de Krichbaum surge no momento em que a Alemanha rejeitou categoricamente uma venda parcial das reservas em divisas do seu banco central, o Bundesbank, para financiar o fundo de resgate europeu (FEEF), e ajudar financeiramente outros países da moeda única.

"As reservas do Bundesbank têm de ser intocáveis", disse hoje à televisão pública Ard o ministro da economia alemão, Philipp Rösler. Josef Ackermann, presidente executivo do Deutsche Bank, maior banco privado alemão, dsse à mesma emissora que é preciso reforçar o capital do FEEF, mas advertiu contra a utlização das reservas monetárias do Bundesbank.

A discussão surgiu após notícias na imprensa alemã de que na última cimeira do G-20, na semana passada, em Cannes, o presidente norte-americano, Barack Obama, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, e o primeiro-ministro britânico, David Cameron, teriam proposto a concessão de direitos especiais ao FMI para retirar 60 mil milhões de euros dos bancos centrais europeus, a fim de financiar o FEEF.

O governo alemão já desmentiu, no entanto, que tal questão tenha sido debatida no G-20.

Comentários 0 Comentar
PUBLICIDADE
Expresso nas Redes
Pub