Anterior
"Anonymous" retalia contra fecho do Megaupload
Seguinte
Rita Lee reforma-se
Página Inicial   >  Sociedade  >   Depois dos diamantes, acabar com os "telemóveis de sangue"
COM VÍDEO

Depois dos diamantes, acabar com os "telemóveis de sangue"

Várias iniciativas exigem que materiais utilizados no fabrico de gadgets de última geração não sejam provenientes de zonas de conflito em África.
|
Componentes dos minerais são usados nos sistemas eletrónicos dos dispositivos
Componentes dos minerais são usados nos sistemas eletrónicos dos dispositivos / Getty Images
Para o fabrico de dispositivos tecnológicos atuais, tais como os smartphones, tablets, computadores portáteis e câmaras digitais, são necessários componentes como estanho, ouro e tântalo. Estes materiais, obtidos através da exploração mineral, provêm em grande parte da República Democrática do Congo, onde um conflito entre o regime vigente e grupos rebeldes é alimentado pela extração destas riquezas naturais.

Recentemente, um grupo de estudantes da Universidade Duke, nos EUA, gravou um vídeo no qual apela à assinatura de uma petição dirigida a Tim Cook, atual diretor-executivo da Apple, sugerindo que o gigante tecnológico reúna esforços e se comprometa a fabricar a totalidade dos seus produtos com materiais vindos de zonas sem conflito já a partir de 2013.

Marcas como a Apple, Motorola, HP e Intel já adotaram estratégias neste sentido. Porém, o facto de serem empresas subcontratadas a fabricar os produtos finais com matérias-primas que, quando compradas, já vêm alteradas, torna mais difícil identificar a origem dos minerais.

"Os diamantes de sangue desapareceram mas agora é possível que estejamos a utilizar telemóveis de sangue", escreveu Nicholas Kristof, colunista no "The New York Times", em junho de 2010. O comentário antecedeu uma medida que o Governo norte-americano pôs em prática no mês seguinte, o Ato Dodd-Frank, no qual se estabelece que a indústria tecnológica nos EUA não deve fabricar produtos com materiais vindos de zonas de conflito em África.

Seguir o exemplo do Processo Kimberley


Organizações como a Enought Project aplaudem a iniciativa do Ato Dodd-Frank e das próprias marcas na busca pela transparência relativa à proveniência dos minerais, mas afirmam que ainda há um longo caminho a percorrer: "A Apple, como uma das líderes no sector, deveria contribuir como a De Beers fez com os diamantes de sangue e o Processo Kimberley, há dez anos".

Em 2011, a marca fundada por Steve Jobs conseguiu identificar a origem dos materiais da sua cadeia de abastecimento e está a trabalhar com os projetos "Electronics Industry Citizenship Coalition" e "Global e-Sustainability" num esforço conjunto, dentro da indústria tecnológica, para travar o problema.

A Motorola também deu início ao programa "Solutions for Hope" , integrado posteriormente pela Intel e HP, destinado sobretudo a controlar o contrabando de tantalite, o mineral de onde se extrai o tântalo. Para tal, criou um sistema fechado de produção no qual só são utilizadas matérias-primas legítimas.

No site Congo Mines , lançado em final de 2011 pela organização Carter Centre, estão ainda publicados inúmeros documentos relativos à exploração de minerais na República Democrática do Congo.


Veja o vídeo gravado pelos alunos da Universidade Duke:


Opinião


Multimédia

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 4 Comentar
ordenar por:
mais votados
Seria uma iniciativa de envergadura moral,
mas no mundo dos negócios, o que se tem de menos é ética, decência ou qualquer praxe moral positiva e relevante. Se no setor de medicamentos, desde o fabrico até a comercialização, inexiste outra coisa senão o lucro, imagine-se o compromisso que se quer obter desses gigantes da eletrônica/computação etc., que estão numa arena por um tudo ou nada, valendo qualquer tacada que incremente as vendas e coloque os números na estratosfera. O ruim das utopias, por melhores que sejam, é ignorar o campo árido das relações humanas quando na arena da competição, principalmente as do nosso tempo. Rio Grande
Tanga ou talvez boa demagogia de ocasião
Os diamantes de sangue proliferam nos mercados de Antuérpia, Doha, Beirut ou Ny

No Zimbábue foram em 2009 descobertas uma das maiores jazidas de diamantes da actualidade... O embargo internacional não só não funcionou como a entidade de supervisão, em 2011, permitiu a emissão de certificados a título excepcional... Curioso!

Esta agora dos telemóveis... E mais uma das boas e que só serve para fazer rir.

Mas enfim...
Não entendo.
Se os pretos querem andar à porrada, que é que o resto do mundo tem a ver com isso?
Cada um rouba o máximo que pode ao outro
Os negros são individualistas, não percebem o sentido de "Sociedade" ....
Comentários 4 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub